Professores Zanotto e Pandolfelli empossados membros da Academia Nacional de Engenharia.


Os professores Edgar Dutra Zanotto e Victor Carlos Pandolfelli, membros da comunidade brasileira de pesquisa em Materiais, foram eleitos para o compor o quadro de membros titulares da Academia Nacional de Engenharia (ANE) e tomaram posse, junto a outros 25 engenheiros, no dia 27 de novembro de 2014 no Auditório do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro.

Por meio da eleição de membros titulares, a ANE homenageia e reconhece grandes talentos da profissão, destacando-os como exemplo e fonte de inspiração para as futuras gerações.

Zanotto e Pandolfelli são professores titulares do Departamento de Engenharia de Materiais da Universidade Federal de São Carlos (DEMa – UFSCar).

Edgar Dutra Zanotto.

Edgar Zanotto é engenheiro de Materiais pela UFSCar, mestre em Física pela Universidade de São Paulo (USP) e doutor em Tecnologia de Vidros pela University of Sheffield (Reino Unido). Na UFSCar coordena o Laboratório de Materiais Vítreos (LaMaV), criado por ele em 1977. Entre muitas outras distinções, é Comendador da Ordem Nacional do Mérito Científico e membro da Academia Brasileira de Ciências (ABC), da Academia Mundial de Cerâmica (WAC) e da Academia de Ciências para o Mundo em Desenvolvimento (TWAS). Entre muitos cargos executivos e consultivos, é diretor do CeRTEVE (Center for Research, Technology and Education in Vitreous Materials). Zanotto é bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq – nível 1 A. Ele tem focado seu trabalho de pesquisa em temas relacionados a vidros e vitrocerâmicas. Zanotto é  um dos fundadores da SBPMat.

Victor Carlos Pandolfelli.

Victor Carlos Pandolfelli tem graduação e mestrado em Materiais pelo DEMa – UFSCar e doutorado em Materiais pela University of Leeds (Reino Unido). Entre muitas outras distinções, Pandolfelli é membro do advisory board da World Academy of Ceramics (WAC), membro da Academia Brasileira de Ciências e da American Ceramic Society e  professor visitante da Wuhan University of Science and Technology (China) É coordenador latino-americano da Federation for International Refractories Research and Education (FIRE) uma organização que envolve universidades em diferentes países e empresas líderes na área de refratários. Desde 1993, coordena o Laboratório ALCOA (Aluminum Company of America) na UFSCar. Pandolfelli é bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq – nível 1 A. Entre seus principais temas de trabalho, podem ser citados os materiais cerâmicos para alta temperatura.

Sobre a ANAE

A ANE reconhece que a soberania do país, o bem estar e segurança de sua população, se apoiam crucialmente em uma engenharia competente, inovadora, ética e preocupada com a satisfação das necessidades de todos os estratos da sociedade – à luz da sustentabilidade da civilização e segundo perspectivas globais e de longo prazo.

Para saber mais

Boletim SBPMat – edição 27 – novembro 2014.


 

Edição nº 27 – Novembro de 2014

Saudações, .

Notícias da SBPMat

 

XIV Encontro da SBPMat – Rio de Janeiro, 27 de setembro a 1º de outubro de 2015

– Até dia 5 de dezembro, está aberta à comunidade científica a chamada de propostas de simpósios temáticos para o próximo encontro da SBPMat. A submissão das propostas pode ser feita por pesquisadores com título de doutor, ligados a instituições ou empresas do Brasil ou do exterior. Veja a chamada.

–  O site do XIV Encontro da SBPMat já está no ar. Visite o site.

 

Programa University Chapters da SBPMat

Foi criado o quinto UC (university chapter) da SBPMat. Sediado na Universidade de Caxias do Sul, trata-se do primeiro da região sul. Conheça este UC.

O University Chapter Biomaterials, da UNESP e USP de Bauru (SP), realizou um seminário sobre biomateriais que contou com a participação de pesquisadoras do exterior. Saiba mais.
Proceedings da ICE 2013
Os proceedings da 6th Internacional Conference on Electroceramics, realizada em João Pessoa em novembro de 2013 sob os auspícios da SBPMat, foram publicados online no volume 975 do periódico AMRSaiba mais.

 

Arquivos das plenárias do XIII Encontro da SBPMat 
O professor José Arana Varela nos cedeu o arquivo da sua Palestra Memorial “Joaquim da Costa Ribeiro”, na qual abordou desafios globais para a área de Materiais, a história das sociedades científicas da área no mundo e dados sobre publicações da comunidade brasileira de pesquisa em Materiais, entre outros assuntos. O arquivo se soma em nosso Slideshare aos de outras 16 apresentações plenárias ou premiadas dos encontros de 2012, 2013 e 2014. Veja a apresentação do prof. Arana Varela.

 

Artigo em destaque 

Uma equipe de cientistas de Minas Gerais desenvolveu nanopartículas com características “verdes” desde o processo de síntese até a aplicação. As nanopartículas demonstraram capacidade de fotodegradar compostos orgânicos que poluem as águas. Além de publicar os resultados da pesquisa em um periódico com alto fator de impacto, os autores estão preparando uma patente visando a comercialização de um produto para descontaminar águas.

Veja a matéria de divulgação que preparamos para esta edição.

Gente da nossa comunidade

“É primordial que se tenha prazer em fazer pesquisa e que você acredite no potencial e na qualidade do seu trabalho”, disse o vencedor do Prêmio Capes de Tese 2014 na área de Materiais, Luís Fernando da Silva, em entrevista para nosso boletim. Em seu doutorado pela USP São Carlos, Luís Fernando sintetizou compostos usados como sensores de gás pelo método hidrotermal-microondas e analisou suas propriedades estruturais por meio de espectroscopia de absorção de raios X. Na entrevista, falou sobre sua carreira acadêmica e sobre o trabalho premiado. Veja.

Entrevistamos também o ganhador da menção honrosa do Prêmio Capes de Tese 2014 na área de Materiais, Augusto Batagin Neto. Em seu doutorado na UNESP, ele desenvolveu um trabalho de simulação de propriedades de materiais orgânicos para aplicação em dispositivos. “Busquemos cada vez mais aumentar a nossa visibilidade, divulgando nossa pesquisa, não apenas nos meios tradicionais, mas também em outros meios diversificados de comunicação, inclusive redes sociais”, recomendou Augusto. Na entrevista, ele nos falou sobre sua carreira acadêmica e sobre o trabalho merecedor da menção honrosa. Veja.
Oswaldo Alves (UNICAMP) e Marcos Pimenta (UFMG), da comunidade de Materiais foram eleitos membros da Academia de Ciências para o Mundo em Desenvolvimento (TWAS). Saiba mais.

 

História da pesquisa em Materiais no Brasil 

Para comemorar um aniversário da criação do Instituto de Física de São Carlos (USP), abordamos a participação dessa instituição na história da pesquisa em Materiais no Brasil, desde a década de 1950, e o impacto dessas ações no meio acadêmico e na sociedade em geral. Saiba mais sobre esta história.

Dicas de leitura
Matérias de divulgação científica sobre artigos publicados nos periódicos científicos mais renomados da área.

– Moldes de ADN para fabricar nanopartículas com diversos formatos (divulgação de paper da Science). Aqui.

– Com características similares às de folhas de grama, nanopilares compostos por cristais orgânicos empilhados prometem novas células solares (divulgação de paper da Nanoletters). Aqui.

– Grafeno duplica produção de energia elétrica em biocélulas a combustível, mostram brasileiros em

artigo destacado em capa da Physical Chemistry Chemical Physics. Aqui.

Livros

– Resenha no site da Amazon sobre o livro Writing Scientific Papers in English Successfully: Your Complete Roadmap, assinado por Ethel Schuster, Haim Levkowitz e Osvaldo Novais Oliveira Jr., pesquisador brasileiro da comunidade de Materiais. Aqui.

Periódicos

Em 2014, o Institute of Physics lançou três novos periódicos científicos do interesse da nossa comunidade de Materiais:

2D Materials.

Materials Research Express.

Translational Materials Research.

 

Oportunidades
– Concurso para professor no Instituto de Física da USP. Aqui.

 

Próximos eventos da área
XIV Encontro da SBPMat. Rio de Janeiro. 27 de setembro a 1º de outubro de 2015. Site.
Nosso perfil no TwitterNossa página no Facebook
Você pode divulgar novidades, oportunidades, eventos ou dicas de leitura da área de Materiais, e sugerir artigos e temas para as seções do boletim. Escreva para comunicacao@sbpmat.org.br.
Descadastre-se caso não queira receber mais e-mails.

 

20º aniversário da criação do Instituto de Física de São Carlos, e seis décadas participando da história da pesquisa em Materiais no Brasil.


O ano de 2014 é de comemorações para uma das instituições protagonistas da história da pesquisa em Materiais no Brasil. O Instituto de Física de São Carlos (IFSC), da Universidade de São Paulo (USP), celebra seu 20º aniversário.

Entretanto, as origens do IFSC e de suas contribuições à Ciência e Engenharia de Materiais brasileira remontam a uns 60 anos atrás. “Desde a sua origem o IFSC teve um papel central no desenvolvimento da Ciência e Engenharia de Materiais, uma vez que a pesquisa em materiais esteve presente com os pioneiros do IFSC”, afirma o professor Antonio Carlos Hernandes, diretor do IFSC de 2010 a 2014 e pesquisador na área de Materiais.

O início da história pode ser fixado em 1953, quando a USP, que tinha sido fundada em 1934, inaugurou uma unidade de ensino e pesquisa na então pacata cidade de São Carlos, no interior do estado de São Paulo. Tratava-se da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), que existe até a atualidade. Na época, o diretor da escola, Theodoreto Souto, incumbido de formar a equipe de docentes-pesquisadores, levou até São Carlos professores recrutados, principalmente, na USP de São Paulo, no Rio de Janeiro e no exterior do país, mas não conseguiu que eles se assentassem na cidade por muito tempo.

Sergio Mascarenhas chegou a São Carlos em 1956 e protagonizou a história da pesquisa em Materiais na região. Crédito: SBPMat. Foto de 2012.

Do Rio de Janeiro, o primeiro a integrar a equipe de docentes da EESC foi o físico Armando Dias Tavares, assistente de Joaquim da Costa Ribeiro nos laboratórios de Física da Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Rio de Janeiro (hoje Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ). Em seguida, colaboradores e alunos de Dias Tavares, formados sob a influência de Costa Ribeiro e Bernhard Gross (principais pioneiros da pesquisa em Materiais no Brasil) saíram da “cidade maravilhosa” para o interior paulista, a convite de Souto. Entre eles, chegaram a São Carlos em 1956 os recém- formados em Física e Química e recém-casados Sergio Mascarenhas Oliveira e Yvonne Primerano Mascarenhas – um casal que deixaria um importante legado na história da Ciência e Engenharia de Materiais na região e no país.

Num momento em que, no mundo e no Brasil, a maior parte dos recursos humanos e materiais para pesquisa em Física se destinavam à Física nuclear e de altas energias, o casal Mascarenhas optou por iniciar estudos em Física da Matéria Condensada, área na qual tinham trabalhado junto a Costa Ribeiro no Rio de Janeiro. Documentos elaborados pelo IFSC comentam que Sergio e Yvonne enxergaram nessa área duas possibilidades para o grupo de São Carlos: a de se destacar internacionalmente num campo onde existia menos concorrência, e a de gerar aplicações que tivessem um impacto positivo na economia da região e na qualidade de vida da sua população.

Assim, na década de 1960, Sergio Mascarenhas criou o Grupo de Física da Matéria Condensada. “Graças a um intercâmbio muito forte entre a USP em São Carlos, e as universidades de Princeton e Carnegie Mellon nos Estados Unidos, e também grupos da Inglaterra e da Alemanha, principalmente de Stuttgart, nós conseguimos estabelecer um programa de formação de pesquisadores bastante intenso, o qual dura até hoje”, comentou Mascarenhas em entrevista concedida em 2013 ao Boletim da SBPMat. Entre os trabalhos com maior impacto realizados naquela época pelo grupo de São Carlos, é possível citar as pesquisas ligadas a defeitos em cristais, como cristais iônicos com centro de cor, os quais foram usados posteriormente para memórias ópticas.

No final da década de 1960, uma nova instituição de ensino e pesquisa, a Universidade Federal de São Carlos (USFCar), era criada na cidade, com participação efetiva de professores do grupo da EESC. Em particular, Sergio Mascarenhas, que foi o primeiro reitor (pro tempore) da universidade, propôs a criação na instituição do primeiro curso de graduação na América Latina em Engenharia de Materiais, buscando construir uma ponte entre a Ciência de Materiais e a geração de produtos, processos e serviços. O curso iniciou suas atividades em 1970.

Em mais uma iniciativa pioneira na área de Materiais, o grupo de São Carlos, com Sergio Mascarenhas à frente da organização, recebeu na cidade a comunidade brasileira de físicos de estado sólido (na época formada por cerca de 50 pesquisadores) para realizar o “1º Simpósio Nacional de Física do Estado Sólido e Ciência dos Materiais” num pequeno galpão batizado graciosamente de Rancho das Marocas.

Prédio do Instituto de Física e Química de São Carlos em 1970, pouco antes da criação formal do IFQSC. Crédito: IFSC/USP.

Como conseqüência do caminho de crescimento, institucionalização e ganho de autonomia trilhado por Mascarenhas e seus colaboradores do grupo de São Carlos, em 1971 foi criado o Instituto de Física e Química de São Carlos (IFQSC), cujo primeiro diretor foi o próprio Mascarenhas. O IFQSC contou desde o início com um Departamento de Física e Ciência dos Materiais, além do Departamento de Química e Física Molecular. Mais um passo foi dado em 1994, quando o IFSC foi desmembrado, dando lugar ao Instituto de Química de São Carlos (IQSC) e ao IFSC, cuja primeira diretora foi Yvonne Primerano Mascarenhas.

Outro marco da participação do IFSC na história da pesquisa em Materiais no Brasil foi a criação, em 1993, do programa interunidades em Ciência e Engenharia de Materiais da USP em São Carlos. Administrado pelo IFSC, o programa reúne docentes desse instituto, do IQSC e da EESC, além de pesquisadores de outras instituições da região.

Atuação com impacto acadêmico e social

Além de participar do programa interunidades, o IFSC possui um dos programas de pós-graduação em Física mais conhecidos e disputados do país, o qual tem obtido nota máxima nas avaliações da CAPES desde sua criação. Dentro de seu mestrado e doutorado, é possível pesquisar uma ampla variedade de temas, que inclui diversas possibilidades na área de Materiais, desde pesquisas fundamentais em Física da Matéria Condensada até estudos sobre materiais semicondutores, polímeros, cerâmicas e vidros. Ainda na área de Materiais, o IFSC atualmente possui grupos de pesquisa consolidados, como, por exemplo, o Grupo de Polímeros “Professor Bernhard Gross”, e abriga projetos de grande porte, como Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs) e Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CePIDs).

Entretanto, o impacto acadêmico da atuação na área de Materiais do grupo de São Carlos que gerou o IFSC tem ultrapassado os limites do município de São Carlos. De acordo com o professor Antonio Carlos Hernandes, a primeira consequência dessa atuação foi a formação de doutores que passaram a atuar na área em outras instituições de ensino superior. “Com isso muitos centros universitários e de pesquisa que atuam em Materiais nos dias de hoje tem em seu DNA a formação no IFSC”, diz Hernandes.

“O IFSC reúne o que é essencial para a pesquisa de qualidade em materiais, com infraestrutura de equipamentos e pessoal com experiência em diversos tipos de materiais”, afirma o professor Osvaldo Novais de Oliveira Junior, vice-diretor do IFSC para o período 2012-2016. Contando com esses recursos, acrescenta Novais, formaram-se centenas de mestres e doutores em Materiais, muitos dos quais se tornaram líderes de grupos de pesquisa em todas as regiões do Brasil. “Esses líderes de várias instituições, assim como outros que fazem parte do IFSC, têm hoje papel relevante na organização da comunidade de Materiais no país, com atuação na SBPMat, realização de eventos e programas de cooperação nacional e internacional, e formulação de políticas públicas”, completa.

Mas o impacto da atuação do IFSC na área de Materiais vai além do ambiente acadêmico. O professor Hernandes destaca, entre outros exemplos, a criação de empresas de base tecnológica instaladas na cidade de São Carlos. “Essas empresas de alta tecnologia nasceram do trabalho de pesquisadores do IFSC, quase sempre envolvendo pesquisa em Materiais”, acrescenta o professor Novais, que também traz à tona outro tipo de contribuição social realizada pelos professores e pesquisadores do instituto, o “incansável trabalho de popularização da ciência, com programas diversos de extensão universitária, voltados para alunos do ensino médio e fundamental, assim como para o público em geral”.

Para saber mais.

Biomateriais em pauta em evento realizado pelo UC de Bauru.


A sétima reunião do UCB contou com a participação de pesquisadoras do exterior.

Uma das cinco unidades atuais do Programa University Chapters da SBPMat, o University Chapter Biomaterials (UCB), sediado na cidade de Bauru (SP), realizou sua sétima reunião mensal na manhã de 19 de novembro no campus da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Na ocasião, duas pesquisadoras estrangeiras que estavam na cidade proferiram seminários, convidadas pelos participantes do UC.

A professora Ana Maria Pires Pinto, da Universidade de Minho (Portugal) falou sobre novos conceitos para aplicações biomédicas de compósitos de matriz metálica. Na sequência, a nanomedicina in situ foi tema do seminário da professora Tolou Shokuhfar, vinda da Universidade Tecnológica de Michigan (Estados Unidos).

“Os pesquisadores tiveram contato com o nosso grupo e tivemos grandes elogios por parte deles”, conta Diego Rafael Nespeque Correa, presidente do UCB e doutorando no programa de pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais da UNESP. “Conseguimos manter um ambiente de frutíferas discussões científicas e divulgação da sociedade”, completa.

Facebook do UCB: https://www.facebook.com/universitychapterbiomaterial

Sobre o Programa University Chapters da SBPMat: http://sbpmat.org.br/university-chapters/

Primeiro UC gaúcho na SBPMat.


Integrantes do novo UC na Universidade de Caxias do Sul (UCS), no Rio Grande do Sul.

O Programa University Chapters da SBPMat conta, desde final de outubro deste ano, com sua primeira unidade no Rio Grande do Sul. Sediado na Universidade de Caxias do Sul (UCS), este UC tem 14 participantes, ligados à própria UCS, à Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e à Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

“A possibilidade de gerar novas parcerias e agregar conhecimentos foi o que motivou, não só a mim, mas a todos que fazem parte do nosso UC”, conta Bruna Louise Perotti, estudante de Engenharia Mecânica e bolsista de iniciação científica ligada ao programa de pós-graduação em Engenharia e Ciência do Materiais da UCS, que preside o UC. O grupo tem planos para o próximo semestre: organizar palestras e seminários (inicialmente com professores locais e, posteriormente, com convidados externos) e realizar eventos científicos para promover a interação e colaboração entre os grupos de pesquisa envolvidos, gerar inovação nos trabalhos e ajudar a divulgá-los.

Conheça o Programa University Chapters da SBPMat: http://sbpmat.org.br/university-chapters/

Simpósios do XIII Encontro: minivídeos com depoimentos dos coordenadores.


Coordenadores nos contam, em cerca de um minuto, como foram seus simpósios.

A: Functional hybrid interfaces: from characterization to applications.  Welchy Leite Cavalcanti (IFAM – Alemanha).

B: Ceramic and metallic materials obtained by wet-chemical methods. Mary Alves (UEPB).

C: Magnetic Materials. Marcos Flavio de Campos (UFF).

D: Organic Electronics and hybrids: materials and devices. Ivan H. Bechtold (UFSC).

E: Sol-Gel Materials: From Fundamentals to Advanced Applications. Andrea S. de Camargo (USP São Carlos).

F: Anti-fouling Materials and Coatings. Mônica de Oliveira Penna (PETROBRAS).

G: Research Frontiers of Computer Simulations in Materials Science: Developments and Applications. Miguel San-Miguel (University of Sevilla, Espanha).

H: Luminescent Materials. Hermi F. Brito (USP).

J: IX Brazilian Electroceramics Symposium. Marcelo Ornaghi Orlandi (UNESP).

K: Structure-Properties Relationship of Advanced Metallic Materials. Leonardo Barbosa Godefroid (UFOP).

L: Current Research in Energy Storage Systems. Alexandre Urbano (UEL).

M: Nanomaterials for Nanomedicine. Carlos Jacinto da Silva (UFAL).

N: Surface Engineering – functional coatings and modified surfaces. Carlos Alejandro Figueroa (UCS e Plasmar Tecnologia).

O: Multifunctional materials derived from clay minerals. Maria Gardênnia da Fonseca (UFPB) e Maguy Jaber (Université Pierre et Marie Curie, França).

P: Advanced Carbon Nanostructures and Composites. Jilian Nei de Freitas e Talita Mazon (Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer)


Q: International Symposium on Cementitious Materials – ISCM2014. Sandro Torres (UFPB).


R: Innovation and Technology Transfer Symposium. Rodrigo Bianchi (UFOP).

Prêmio Bernhard Gross ao melhor pôster do XIII Encontro para André Luiz Maia Azevedo, à procura de inovações na análise de fármacos.


Trabalho premiado: Sensor development exploiting graphite-epoxy composite as electrode material. André Luiz Maia Azevedo, Renato Soares de Oliveira, Eduardo Ariel Ponzio, Felipe Silva Semaan; Universidade Federal Fluminense

Representando André Azevedo, seu orientador Felipe Silva Semaan recebeu do presidente da SBPMat o certificado de melhor pôster do evento.

Graduado em Farmácia Industrial pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e farmacêutico num laboratório multinacional, André Luiz Maia Azevedo mergulhou na área de Materiais no seu mestrado em Química buscando diminuir os custos e superar limitações de técnicas usadas na análise de fármacos. “Durante minha vida profissional adquiri conhecimentos em técnicas analíticas que demandam gastos maiores tanto na aquisição quanto na manutenção e operação, como, por exemplo, CLAE, CG, AA – chama/forno de grafite”, relata o vencedor do prêmio. “Isso me motivou a iniciar o desenvolvimento de técnicas analíticas no campo da Eletroquímica”, completa.

O trabalho de mestrado de André, orientado pelo professor Felipe Silva Semaan e financiado pela FAPERJ, CNPq e UFF, foi realizado entre 2012 e 2014 no grupo G2E (Grupo de Eletroquímica e Eletroanalítica) do Instituto de Química da UFF, dentro da linha de pesquisa em compósitos iniciada no grupo em 2009. “O emprego de materiais compósitos visava minimizar ainda mais os custos para a pesquisa (pois não haveria necessidade de adquirir eletrodos de trabalho comerciais) e abria a possibilidade de desenvolvimento de modificações químicas e ajustes de modelos para aplicações específicas”, comenta o mestre.

André e o grupo de pesquisadores desenvolveram então compósitos de grafite e epóxi em diversas composições, os quais foram caracterizados por meio de análise termogravimétrica (TGA-DTA), microscopia de força atômica (AFM), difração de raios X (XDR) e voltametria cíclica. Uma dessas composições, com 64,4% de grafite, mostrou os melhores resultados quanto à estabilidade térmica e química, propriedades mecânicas e elétricas e desempenho eletroquímico. O compósito foi utilizado como eletrodo dentro de uma célula eletroquímica.

“A contribuição científica deste trabalho para a sociedade é a disponibilização de um material com valor agregado, cujo custo fica cerca de 300 vezes menor que o comercial (o eletrodo de carbono vítreo), sendo capaz de executar tarefas com qualidade equivalente”, afirma André, que se diz atraído pela atividade científica porque lhe oferece a possibilidade de empregar ferramentas que adquiriu na universidade para solucionar problemas da sociedade.

O trabalho, apresentado no Simpósio P sobre compósitos e nanoestruturas avançadas de carbono, mereceu o Prêmio Bernhard Gross ao melhor pôster do XIII Encontro da SBPMat, além do melhor pôster do Simpósio P. Resultados parciais da mesma pesquisa já tinham sido distinguidos no encontro da SBPMat do ano passado, onde André recebeu o Prêmio Bernhard Gross ao melhor trabalho do simpósio sobre ciência, engenharia e comercialização de dispositivos industriais, eletrônicos e biomédicos.

O mestrado de André finalizou com este destaque da SBPMat, mas o trabalho no grupo continua. Os pesquisadores estão preparando uma patente de modelo de utilidade e/ou patente de inovação. E os resultados do trabalho de André estão servindo como base para o desenvolvimento de eletrodos compósitos modificados com filmes de metais, filmes de acetato de celulose e quitosana modificada para encapsular nanopartículas, entre outras linhas.

“A premiação neste congresso internacional recompensa o esforço e dedicação de todos os envolvidos e norteia para maiores discussões, apontando para a viabilidade de obtenção dos produtos objetivados pelo grupo”, expressa André.

Veja o arquivo do pôster premiado:

Parceria da SBPMat com a IOP: publicação apresenta ao mundo um amplo panorama da área de Materiais no Brasil


Roberto Faria (SBPMat) e Susan Curtis (IOP): parceria para divulgar pelo mundo a Ciência de Materiais brasileira.

O XIII Encontro da SBPMat foi o contexto escolhido para o lançamento de uma publicação sobre o panorama atual da pesquisa em Materiais no Brasil, elaborada pelo Institute of Physics (IOP) para a SBPMat. O documento foi distribuído a todos os participantes que retiraram seu material na secretaria no encontro – mais de 1.600. Além disso, no espaço dos expositores, um estande do IOP distribuiu exemplares durante todo o evento. Ainda, a SBPMat está cuidando de enviar a publicação para bibliotecas de universidades, agências de fomento e outras entidades do Brasil e do exterior. E a versão digital do documento está disponível na web.

Para produzir as matérias que compõem o documento, os físicos do Reino Unido Susan Curtis e Michael Blanks, que trabalham como jornalistas e editores em revistas do IOP, percorreram cerca de 20 instituições brasileiras. A dupla entrevistou mais de 50 cientistas, entre pesquisadores que estão trabalhando na área de Materiais, lideranças da política científica brasileira e coordenadores de laboratórios, centros de pesquisa, projetos e institutos.  Destaque especial tiveram dois importantes cientistas da área, do exterior, que falaram sobre o panorama brasileiro: os presidentes em 2013 das sociedades de pesquisa em Materiais da Europa (E-MRS) e dos Estados Unidos (MRS), o português Rodrigo Martins e o argentino Orlando Auciello, respectivamente.

O resultado foram as 14 reportagens e entrevistas que compõem, junto à introdução assinada pelo presidente da SBPMat, professor Roberto Mendonça Faria, o documento com formato de revista, intitulado “Science impact. A special report on materials science in Brazil”.

Brasil mostra que os materiais têm importância

A revista mostra uma evolução muito positiva na pesquisa em Materiais feita no Brasil, desde o início do século atual, resultante de crescentes investimentos públicos e de estratégias acertadas por parte de entidades federais e estaduais de apoio à pós-graduação, pesquisa e inovação, entre outros motivos.

Em suas 42 páginas, as reportagens abordam resultados recentes da pesquisa feita no Brasil em temas como nanomateriais de carbono, materiais com aplicação no campo da saúde, pesquisas que visam melhorar o desempenho de materiais usados em diversas indústrias, materiais para dispositivos e sistemas optoeletrônicos e fotônicos mais eficientes e baratos, materiais naturais otimizados por meio da pesquisa, e materiais para produzir e armazenar energia solar.

Além disso, Curtis e Blank mapearam os laboratórios multiusuário do Brasil na área de Materiais, os quais disponibilizam seus equipamentos para usuários do meio acadêmico e da indústria, do país e do exterior. E também reportaram, ao longo do documento, numerosos casos de transferência de conhecimento e tecnologia da universidade para a indústria por meio da criação de empreendimentos spinoff e de projetos com grandes empresas, como a Camargo Correa, Embraco, Petrobras e Vale. Completam a publicação interessantes pitadas sobre história da Ciência de Materiais no Brasil e alguns de seus protagonistas.

Sobre os físicos-jornalistas

Michael Blanks é editor de notícias da revista Physics World do IOP. Durante sua graduação em Física na Loughborough University fez um estágio de um ano no Max Planck Institute for Solid State Research em Stuttgart (Alemanha). Começou a trabalhar no IOP em 2007, após finalizar seu doutorado em Física experimental da matéria condensada.

Susan Curtis tem cerca de duas décadas de experiência de publicação e edição de revistas e sites de ciência no IOP. É formada em Física pela University of Surrey e já foi pesquisadora na empresa BP.

Link para a versão digital do documento: http://mag.digitalpc.co.uk/fvx/iop/scienceimpact/BMRS2014/

Boletim SBPMat – edição 25 – setembro 2014 – especial XIII Encontro da SBPMat.


Edição nº 25 – Setembro de 2014

Especial XIII Encontro da SBPMat – João Pessoa, 28 de setembro a 2 de outubro

Saudações, .

Últimos preparativos para o encontro de João Pessoa!

– Veja a mensagem dos coordenadores do evento, que neste ano conta com 2.141 trabalhos aceitos e cerca de 2.000 inscrições de 28 países até o momento. Na mensagem, os professores Ieda Garcia e Severino de Lima apontam os destaques da programação do encontro deste ano! Aqui.

– Depois do almoço a antes das plenárias da tarde, você poderá assistir em João Pessoa às palestras técnicas de patrocinadores do encontro: a Shimadzu falará sobre MEV com feixe de íons e detector TOF SIMS, e a FEI abordará DualBeam TEM. Saiba mais.
João Pessoa, a “porta do sol”. Saiba mais sobre a cidade, uma das mais antigas do Brasil, e suas atrações naturais e culturais. E prepare-se para mergulhar em águas verdes a 28° C! Leia sobre João Pessoa.
– O que levar na mala? Acompanhe a previsão do tempo, cujas temperaturas devem ficar entre os 22° C e os 30° C. Mas atenção, a organização adverte que, no Centro de Convenções, o ar condicionado deixará o ambiente friozinho… Link para clima em João Pessoa.
Inscrições para participar do evento: aqui.
– Panorama geral da programação: aqui.
– Busca de horários e locais das apresentações dos simpósios: aqui.

–  Algumas opções de hospedagem, locação de carros, transporte desde aeroportos da região, transporte hotéis-centro de convenções e passeios: veja na página inicial do site do evento. Aqui.

– E a festa? Neste ano, será realizada na noite da quarta-feira no Espaço da Caixa Econômica Federal no Cabo Branco. Os ingressos poderão ser comprados na secretaria a partir da segunda-feira às 13h00.

Entrevistas com plenaristas (em português)

Entrevistamos Robert Chang, professor do primeiro departamento de Ciência de Materiais do mundo, na Northwestern University. Além de possuir uma notória carreira como pesquisador (seu índice H é de 56), “Bob” tem se dedicado, nos últimos 20 anos, a conduzir o desenvolvimento do programa Materials World Modules, que desenvolve material educativo de caráter interativo e lúdico (por exemplo, jogos de cartas) sobre Materiais e Nanotecnologia para estudantes do Ensino Básico e seus professores. Na sua palestra plenária no XIII Encontro da SBPMat, o professor Chang tentará mobilizar cidadãos do mundo a solucionar problemas globais, juntos. Veja nossa entrevista com o cientista.

Também falamos com o professor Colin Humphreys, professor da University of Cambridge.  Entre outras honrarias, o cientista recebeu da Rainha de Inglaterra o título de “Sir”, por seus serviços prestados à ciência. Além de ser autor de mais de 600 publicações, o professor desenvolveu materiais para a indústria que hoje voam em motores de aviões e criou LEDs de baixo custo baseados em nitreto de gálio, material no qual é especialista. Em João Pessoa, mostrará, entre outras questões, como o nitreto de gálio poderia reduzir o consumo de eletricidade do mundo em 25%. Veja nossa entrevista com Colin Humphreys.
Entrevistamos o físico alemão Karl Leo, especialista em semicondutores orgânicos. Além de ser autor de mais de 550 papers com mais de 23.000 citações e de 50 famílias de patentes, o cientista já participou da criação de 8 empresas spinoff. Na sua palestra plenária no XIII Encontro da SBPMat, Karl Leo falará sobre dispositivos orgânicos de alta eficiência, como OLEDs e células solares. Veja nossa entrevista com Karl Leo.
Também falamos com o físico português Luís António Ferreira Martins Dias Carlos, da Universidade de Aveiro, que dará uma palestra plenária em nosso encontro de João Pessoa sobre luminescência aplicada à nanomedicina. Na entrevista, o professor compartilhou conosco seus trabalhos mais destacados na área de Materiais. Ele também nos falou sobre alguns desafios da área de luminescência para aplicações médicas, tanto no diagnóstico por imagens quanto no mapeamento da temperatura intracelular, e citou exemplos de aplicações de materiais luminescentes que estão no mercado e já são utilizadas no diagnóstico e tratamentos de diversas doenças. Veja nossa entrevista com Luís Dias Carlos.
Conversamos com o cientista francês Jean-Marie Dubois, especialista em quasicristais (estruturas ordenadas mas não periódicas de materiais sólidos) e pioneiro no patenteamento de aplicações dos quasicristais. Ele nos contou um pouco quais são suas principais contribuições à área de Materiais e adiantou o tema da sua plenária, na qual falará sobre essa ordem não periódica que está presente em ligas metálicas, polímeros, óxidos e nanoestruturas artificiais e que gera propriedades sem precedentes. Na foto, Jean-Marie Dubois (esquerda) e Dan Shechtman, quem recebeu um Prêmio Nobel em 2011 pelos quasicristais, usando gravatas iguais, decoradas com um mosaico de Penrose – um exemplo típico de aperiodicidade. Veja nossa entrevista com Jean-Marie Dubois.
Também entrevistamos o químico italiano Roberto Dovesi, um dos criadores de CRYSTAL, ferramenta computacional para cálculos quânticos ab initio usados no estudo de diversas propriedades de materiais sólidos. O código CRYSTAL hoje é utilizado em mais de 350 laboratórios no mundo. Na sua palestra plenária, Dovesi tentará demonstrar que, atualmente, simulações quânticas podem ser ferramentas muito úteis para complementar os experimentos. Veja nossa entrevista com Roberto Dovesi.
Entrevistamos o professor Alberto Salleo, da Universidade de Stanford, que falará no XIII Encontro da SBPMat sobre dispositivos eletrônicos orgânicos. Jovem, porém dono de uma carreira que já se destaca internacionalmente, Salleo nos contou sobre os trabalhos de seu grupo, que tem se aprofundado no estudo do papel exercido pelas imperfeições no transporte de cargas em semicondutores orgânicos. Ele também compartilhou conosco seus papers mais destacados, publicados na Nature Materials. Finalmente, Salleo falou sobre os próximos desafios e aplicações da eletrônica orgânica e adiantou o que pretende abordar na sua plenária, que promete ser informativa e amena para um amplo público. Veja nossa entrevista com Alberto Salleo.
Nosso perfil no TwitterNossa página no Facebook
Para divulgar novidades, oportunidades, eventos ou dicas de leitura da área de Materiais, escreva para comunicacao@sbpmat.org.br.
Descadastre-se caso não queira receber mais e-mails.

 

XIII Encontro da SBPMat: inscritos, destaques do programa e agradecimentos em mensagem dos coordenadores.


Caros leitores,

Esperamos vê-los no XIII Encontro da Sociedade Brasileira de Pesquisa em Materiais, a ser realizado de 28 de setembro a 02 de outubro de 2014, em João Pessoa, PB, Brasil. Este ano, o encontro aceitou 2.141 resumos e, até o momento, conta com cerca de 2.000 inscrições, vindas do Brasil e de outros 27 países.

O XIII Encontro será formado por 19 simpósios, seguindo o modelo empregado em encontros tradicionalmente organizados por Sociedades de Pesquisa em Materiais, tratando de tópicos como a síntese de novos materiais, simulações computacionais, propriedades ópticas, magnéticas e eletrônicas, materiais tradicionais como argilas e cimentos, metais avançados, nanoestruturas de carbono e grafeno, nanomateriais para nanoestruturas, sistemas de armazenamento de energia, compósitos, engenharia de superfícies e outros. Uma novidade será um simpósio dedicado à inovação e à transferência de tecnologia na pesquisa em materiais. O programa também inclui 7 palestras plenárias, apresentadas por pesquisadores de renome internacional.

Neste ano, a SBPMat fará apresentações sobre os resultados de duas importantes ações de nossa sociedade. A primeira será a reunião da diretoria da SBPMat com os grupos do programa University Chapters (UCs) já estabelecidos e com estudantes interessados em estabelecer novos UCs. A segunda é o lançamento de uma publicação do Institute of Physics IOP em nome da SBPMat, intitulada Materials Science Impact, relatando os avanços da pesquisa em Materiais no Brasil.

A cerimônia de abertura será seguida pela Palestra Memorial “Joaquim Costa Ribeiro” sobre a evolução da pesquisa em materiais no Brasil, apresentada pelo Professor José Arana Varela. Durante a cerimônia de encerramento, os coordenadores dos simpósios irão entregar o “Prêmio Bernhard Gross” aos estudantes pelo melhor pôster e pela melhor apresentação oral de cada simpósio.

Em nome do comitê organizador, gostaríamos de agradecer aos funcionários e à direção da SBPMat, além de suas agências contratadas, aos coordenadores de simpósio e membros dos comitês de programa, local e nacional, por sua dedicação e pelos grandes esforços empregados para que este encontro seja possível.

Esperamos que os participantes aproveitem um encontro muito agradável, marcado pela troca estimulante de informações científicas e pela criação de novas colaborações.

Ieda M. Garcia dos Santos e Severino Jackson Guedes de Lima

Coordenadores do Encontro