Gente da comunidade: entrevista com o presidente reeleito da SBPMat, Osvaldo Novais de Oliveira Junior.


Osvaldo Novais de Oliveira Jr
Osvaldo Novais de Oliveira Junior em encontro anual da SBPMat.

Reeleito em janeiro deste ano, o professor Osvaldo Novais de Oliveira Junior (IFSC-USP) inicia neste mês de fevereiro seu segundo mandato consecutivo como presidente da SBPMat, junto a uma diretoria parcialmente renovada, formada pelo professor Rubem Luis Sommer (CBPF) no setor de administração, finanças e patrimônio, e, como diretores científicos, os professores Antonio Eduardo Martinelli (UFRN), Daniel Eduardo Weibel (UFRGS), Glaura Goulart Silva (UFMG), Iêda Maria Garcia dos Santos (UFPB) e Mônica Alonso Cotta (Unicamp). Esta diretoria administrará a sociedade por dois anos, até o final de 2019.

Atualmente, o professor Novais de Oliveira Junior (ou “Chu”, como é conhecido) é professor titular do Instituto de Física de São Carlos – Universidade de São Paulo (IFSC-USP) e editor associado da revista ACS Applied Materials & Interfaces. Dono de um índice H de 58, seu nome se encontra entre os dos 100 cientistas do Brasil de todas as áreas com índice H mais alto. É autor de cerca de 500 artigos e seus trabalhos contam com cerca de 15.500 citações (dados do Google Scholar).

Neste entrevista, o presidente reeleito fala um pouco sobre seu primeiro mandato na SBPMat, os planos para a gestão que inicia e suas atividades científicas atuais.

Boletim da SBPMat: – Você acaba de concluir seu primeiro mandato como presidente da SBPMat. Compartilhe com nossos leitores um comentário a respeito dos resultados conseguidos pela diretoria que você presidiu.

Osvaldo Novais de Oliveira Junior: – No mandato que se encerrou a prioridade da diretoria foi a de manter os Encontros Anuais em alto nível, a despeito da crise financeira por que passa o sistema de ciência, tecnologia e inovação no Brasil. Além dessa prioridade, continuamos os esforços de diretorias anteriores na internacionalização da SBPMat, com parcerias com sociedades científicas de outros países.

Boletim da SBPMat: – Você acaba de assumir um novo mandato, de dois anos, como presidente da SBPMat. Comente seus planos e expectativas.

Osvaldo Novais de Oliveira Junior: – A expectativa da diretoria é a de poder dar continuidade às atividades que fizeram da SBPMat uma das sociedades científicas mais atuantes e prestigiosas no Brasil. Como planos principais, destacaria a busca por maior inserção na sociedade, com um trabalho de disseminação das contribuições da ciência e tecnologia para o país, e um aumento no número de associados da SBPMat.

Boletim da SBPMat: – Sobre seu trabalho de pesquisa científica, conte-nos um pouquinho o que está fazendo.

Osvaldo Novais de Oliveira Junior: – A pesquisa de meu grupo, em parceria com outros no Brasil e no exterior, se concentra em duas áreas: i) no estudo e uso de materiais para biologia e medicina, por exemplo com biossensores para diagnóstico precoce de câncer e determinação de mecanismos em nível molecular de fármacos para combater bactérias super-resistentes. ii) uso de metodologias de física estatística e redes complexas para análise de textos, como na identificação de autoria de livros e verificação de multidisciplinaridade na literatura científica.

Boletim da SBPMat: – Se quiser, utilize este espaço para deixar uma mensagem para os sócios da SBPMat e para a comunidade que acompanha as novidades do boletim.

Osvaldo Novais de Oliveira Junior: – Eu e a nova diretoria esperamos contar com o apoio entusiasmado da comunidade, como tem ocorrido nos últimos anos.

 

Sócios da SBPMat nomeados editores de periódicos científicos internacionais.


Prof. Novais de Oliveira Jr (esquerda), editor associado da ACS Appl. Mater. Interfaces, com o editor-chefe, Prof. Schanze no XVI B-MRS Meeting.
Prof. Novais de Oliveira Jr (esquerda), editor associado da ACS Appl. Mater. Interfaces, com o editor-chefe, Prof. Schanze no XVI B-MRS Meeting.

O presidente da SBPMat, Osvaldo Novais de Oliveira Junior, é o mais novo editor associado da ACS Applied Materials and Interfaces, periódico da ACS Publications com fator de impacto de 7,504. O professor titular do IFSC – USP (Instituto de Física de São Carlos da Universidade de São Paulo) assumiu a função no início de setembro. Na SBPMat, Oliveira Junior já foi diretor administrativo e conselheiro, e preside a sociedade desde início de 2016.

A revista Solar Energy (fator de impacto 4,018) também incorporou recentemente um membro da SBPMat entre seus editores. Trata-se de Carlos Frederico de Oliveira Graeff, professor titular e pró-reitor de pesquisa da Unesp (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho). Graeff foi nomeado editor associado na área de Fotovoltaicos nesse periódico da editora Elsevier. Sócio da SBPMat desde sua fundação, Graeff foi diretor científico da sociedade e atuou no comitê científico do Boletim da SBPMat.

Finalmente, Carlos José Leopoldo Constantino, também professor da Unesp e membro da comunidade da SBPMat, assumiu em julho deste ano como editor associado na área de Nanomateriais do periódico Journal of Nanoscience and Nanotechnology (fator de impacto 1,483), da American Scientific Publishers.

Prof. Graeff (esquerda) e Constantino, nomeados editores associados de revistas internacionais.
Prof. Graeff (esquerda) e Constantino, nomeados editores associados de revistas internacionais.

Boletim da SBPMat – edição 41.


 

Saudações %primeiro_nome%!

Edição nº 41 – 29 de janeiro de 2016 

Notícias da SBPMat: XV Encontro - Campinas (SP), 25-29/09/2016 

Simpósios: A organização do evento está recebendo, até o dia 03/02, propostas de simpósios em temas de Ciência e Tecnologia de Materiais. A submissão de propostas é aberta à comunidade científica. Saiba mais.

Local do evento: Veja, no site no evento, o vídeo sobre a cidade de Campinas e o folder sobre o centro de convenções Expo D. Pedro. 

Organizadores: Coordenam esta edição do evento as professoras da Unicamp Ana Flávia Nogueira (Instituto de Química) e Mônica Alonso Cotta (Instituto de Física “Gleb Wataghin”). Saiba quem são os membros da comissão local, aqui.

Artigo em destaque 

O desempenho de células solares orgânicas, dispositivos capazes de gerar eletricidade a partir da luz do sol, pode ser analisado de maneira mais precisa a partir de um estudo totalmente desenvolvido no Instituto de Física de São Carlos, da USP. O trabalho incluiu uma série de experimentos e a elaboração de um modelo analítico, e gerou um artigo publicado no periódico Solar Energy Materials and Solar CellsVeja nossa matéria de divulgação.

Gente da nossa comunidade 
Entrevistamos Osvaldo Novais de Oliveira Junior, professor da USP no Instituto de Física de São Carlos, que assume hoje a presidência da SBPMat. Conversamos com ele sobre sua história, carreira e planos para a SBPMat. Osvaldo Novais não pertence ao grupo de pessoas que descobre cedo uma vocação profissional, mas isso não o impediu de desenvolver uma carreira científica com ótimos resultados, como um índice H de 53. Apaixonado pelo conhecimento, ele fez contribuições importantes na área de Materiais, em particular no estudo e aplicação de filmes de Langmuir e no desenvolvimento de línguas eletrônicas, além de participar da criação do primeiro software para revisão gramatical do português e de estudar e divulgar como escrever bons papers em inglês. Em uma mensagem aos mais jovens, o cientista frisou a importância do domínio das linguagens (português, inglês, matemática) como base para uma aprendizagem contínua. Veja nossa entrevista.
Edgar D. Zanotto e Victor C. Pandolfelli, ambos professores titulares do Departamento de Engenharia de Materiais da UFSCar, receberam homenagem especial do Magnífico Reitor, professor Targino de Araújo Filho, na cerimônia de encerramento das festividades dos 45 anos da UFSCar. Saiba mais.
Dicas de leitura
  • Foi fabricado pela primeira vez o borofeno: material bidimensional metálico, condutor, feito de átomos de boro (divulgação de artigo da Science). Aqui.
  • Estranho, mas real: estruturas que se expandem volumetricamente tanto ao ser esticadas quando ao ser comprimidas (divulgação de artigo da Nature Materials, seçao “News and views”, coassinado por pesquisador da Unicamp). Aqui.
  • Materiais para saúde: respondendo ao estímulo de luz UV, cápsulas de hidrogel podem liberar RNA sob medida (divulgação de artigo da Advanced Healthcare Materials). Aqui.
Oportunidades
  • Concurso para professor do Departamento de Química Orgânica do Instituto de Química da Unicamp (SP). Aqui.
  • Seleção de professor no Departamento de Física da PUC-Rio (RJ). Aqui.
  • Concurso para professor em várias áreas de Engenharia na Universidade Federal de Lavras (MG). Aqui.
  • Concurso para professor do IQ – Unicamp (área de Ensino de Química): inscrições prorrogadas. Aqui.
  • Concursos para docentes em Engenharia de Materiais na UFABC (SP). Aqui.
  • Postdoctoral fellowship in confocal microscopy and cell membrane modelsAqui.
  • Processo de seleção para mestrado e doutorado em Química do PGQu – IQ – UFRJ. Aqui.
  • Processo de seleção para o doutorado em Ciências Exatas (Materiais) da UFG-Catalão. Aqui.
Próximos eventos da área
  • 5th International Conference on Surface Metrology. Póznan (Polônia). 4 a 7 de abril de 2016.  Site.
  • 9th Brazilian-German Workshop on Applied Surface Science. Maresias, SP (Brasil). 10 a 15 de abril de 2016. Site.
  • 43rd International Conference on Metallurgical Coatings and Thin Films (ICMCTF). San Diego (EUA). 25 a 29 de abril de 2016. Site.
  • 40th WOCSDICE ‐ Workshop on Compound Semiconductor Devices and Integrated Circuits held in Europe & 13th EXMATEC ‐ Expert Evaluation and Control of Compound Semiconductor Materials and Technologies. Aveiro (Portugal). 6 a 10 de junho de 2016. Site.
  • Photonic Colloidal Nanostructures: Synthesis, Properties, and Applications (PCNSPA Conference 2016). São Petersburgo (Rússia). 27 de junho a 1 de julho de 2016.  Site.
  • XXV International Conference on Raman Spectroscopy (ICORS2016). Fortaleza, CE (Brasil). 14 a 19 de agosto de 2016.  Site.
  • XV Encontro da SBPMat. Campinas, SP (Brasil). 25 a 29 de setembro de 2016. Site.
  • Aerospace Technology 2016. Estocolomo, Suécia. 11 a 12 de outubro de 2016. Site.
      
Você pode divulgar novidades, oportunidades, eventos ou dicas de leitura da área de Materiais, e sugerir papers, pessoas e temas para as seções do boletim. Escreva para comunicacao@sbpmat.org.br.
Descadastre-se caso não queira receber mais e-mails.

 

Gente da nossa comunidade: entrevista com o pesquisador Osvaldo Novais de Oliveira Junior.


Hoje, 29 de janeiro de 2016, ocorre em Campinas a posse da nova diretoria executiva da SBPMat, presidida por Osvaldo Novais de Oliveira Junior, professor do Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da Universidade de São Paulo (USP) e pesquisador da área de Materiais há 35 anos, período no qual gerou mais de 460 artigos publicados em periódicos indexados, 7 patentes e 16 capítulos de livros, entre outras publicações. No total, a produção científica do professor Osvaldo recebeu, até o momento, mais de 8.500 citações segundo a Web of Science (índice h = 46) e 12.100 (h = 53) conforme o Google Scholar.

Osvaldo Novais de Oliveira Jr. nasceu em 13 de agosto de 1960 em Barretos, uma cidade do norte do Estado de São Paulo que, na época, tinha em torno de 60 mil habitantes. Ganhou ainda adolescente o apelido de Chu, que o acompanha até hoje, inclusive fazendo parte de seu endereço eletrônico profissional.

Iniciou seus estudos universitários na Fundação Educacional de Barretos. Em 1980, enquanto cursava ali a Licenciatura em Física, fez transferência para o Bacharelado em Física na USP de São Carlos (IFSC/USP),  e começou a desenvolver trabalhos de pesquisa no “Grupo de Eletretos”, hoje chamado “Grupo de Polímeros Bernhard Gross”. No contexto desse grupo iniciou seu mestrado em 1983, com orientação do professor Guilherme Fontes Leal Ferreira, obtendo em 1984 o título de mestre em Física Aplicada. No ano seguinte começou a dar aulas no Bacharelado em Física da USP de São Carlos e continuou desenvolvendo atividades de pesquisa no Grupo de Polímeros

De São Carlos mudou-se, em 1986, para a cidade galesa de Bangor, no Reino Unido, para fazer doutorado na Universidade do País de Gales – hoje Universidade de Bangor. Em 1990 obteve o título de doutor em Engenharia Eletrônica ao defender sua tese sobre propriedades elétricas de filmes de Langmuir, orientada pelo professor David Martin Taylor.

De volta ao Brasil em 1991, agregou a suas atividades docentes na USP de São Carlos, aulas nos cursos de pós-graduação em Física Aplicada. Em 1993, foi nomeado professor associado na USP.

No mesmo ano, iniciou suas primeiras pesquisas acadêmicas em processamento de línguas naturais, área que lida, basicamente, com problemas relacionados à geração e compreensão automática de textos por meio de computadores. O professor Osvaldo Novais foi parte da equipe fundadora do Núcleo Interinstitucional de Linguística Computacional (NILC) e participou do desenvolvimento do primeiro software para revisão gramatical do português brasileiro, o qual foi chamado “ReGra”. O revisor fez parte de várias versões do processador de texto Microsfot Word a partir de 1999. Do trabalho no NILC e de cursos de escrita científica, resultou o livro produzido pelo professor Osvaldo e outros sete autores sobre escrita científica em inglês (Writing Scientific Papers in English Successfully: Your Complete Roadmap).

Osvaldo Novais foi pesquisador visitante na Universidade de Massachusetts, Lowell (UMass Lowell), nos Estados Unidos, entre 2000 e 2001, e professor visitante da Universidade de Aveiro (Portugal) em 2006. Também nesse ano, recebeu o Prêmio Scopus, outorgado pela Elsevier do Brasil e a Capes, como um dos 16 pesquisadores brasileiros com maior produção científica, com base no número de publicações, citações e orientações (hoje são 40 trabalhos de mestrado e doutorado concluídos).

Em 2008, tornou-se professor titular da USP, após ser aprovado em concurso.

Atualmente, além de suas atividades de professor e pesquisador no IFSC-USP, o professor Osvaldo Novais é membro da coordenação de Física na FAPESP, editor regional para América do Sul do periódico científico “Display and Imaging” e editor associado do “Journal of Nanoscience and Nanotechnology”.

Segue uma entrevista com o pesquisador.

Boletim da SBPMat: – Conte-nos o que o levou a se tornar um pesquisador e a trabalhar na área de Materiais.

Osvaldo Novais: – Minhas escolhas profissionais ocorreram quase sempre sem planejamento, e sem uma motivação específica. Iniciei o curso de Licenciatura em Ciências na Fundação Educacional de Barretos, pois não havia conseguido passar no vestibular de Engenharia Eletrônica, que eu imaginava ser a profissão de que eu gostaria. Após ter decidido mudar de área ao final do primeiro ano, e passar em vestibulares de Filosofia e Psicologia, por razões financeiras e familiares acabei continuando o curso de Ciências e optei por Licenciatura em Física no terceiro ano. Uma transformação importante ocorreu com a transferência para o Bacharelado em Física na USP de São Carlos, e já na Iniciação Científica tinha me decidido ser um professor e pesquisador. Minha escolha pela área de polímeros aconteceu por indicação de uma amiga, que tinha grande admiração pelos docentes do então Grupo de Eletretos. Pois iniciei um trabalho de iniciação nesse Grupo, hoje denominado Grupo de Polímeros Bernhard Gross, e aqui estou há 35 anos.

A despeito de não ter escolhido carreira e nem área de pesquisa por vocação ou convicção, tive muita sorte porque considero o estudo de Materiais ao mesmo tempo fascinante e essencial para a sociedade. Pesquisadores em Materiais podem se divertir com os desafios, e contribuírem para fazer deste um mundo melhor. A formação de pesquisador também permitiu que eu possa atuar em diferentes áreas, importante para quem é apaixonado por conhecimento, como sou.

Boletim da SBPMat: – Quais são, na sua própria avaliação, as suas principais contribuições à área de Materiais?

Osvaldo Novais: – Acho que minha maior contribuição seja a de ter participado da construção de uma rede de pesquisas em Materiais, principalmente em filmes orgânicos nanoestruturados. Essa rede tem hoje pesquisadores em várias regiões do Brasil, incluindo conexões internacionais também. No que concerne a contribuições científicas específicas, eu talvez pudesse destacar o estudo de propriedades elétricas de filmes de Langmuir e uso desses filmes como modelos de membrana celular. Outro destaque poderia ser dado a sensores (como as línguas eletrônicas) e biossensores produzidos com filmes nanoestruturados, com a ressalva de que os protagonistas dessas contribuições tenham sido alunos e pós-doutorandos de meu grupo de pesquisa.

Boletim da SBPMat: – Em paralelo a sua atuação na pesquisa em Materiais, você desenvolve estudos sobre processamento de línguas naturais dentro do NILC, núcleo do qual você é membro fundador. Fale-nos um pouquinho sobre essa atividade.

Osvaldo Novais: – Por necessidade, acabei me interessando por escrita científica em inglês, num trabalho inicialmente informal que deu origem a projetos de ferramentas de software de auxílio à escrita. Com o convite para compor a equipe que desenvolveu o primeiro revisor gramatical para o português nos anos 1990, formou-se o NILC, que é hoje referência no mundo todo para o processamento automático de português. Digo isso sem constrangimento, pois os méritos dessa conquista são todos de uma equipe de cientistas da computação e de linguistas, de várias universidades do Brasil, que há anos realizam pesquisa e desenvolvimento do mais alto nível. Minha participação só foi importante no início.

Por duas décadas minhas pesquisas em processamento de línguas naturais (PLN) junto ao NILC eram totalmente desconectadas da área de Física, mas nos últimos anos temos empregado metodologias de Física Estatística para o tratamento de textos. Com o novo paradigma de pesquisa baseado em uso intensivo de dados (chamado “Big Data”), há agora a possibilidade de juntar nanotecnologia – área eminentemente de materiais – com PLN e inteligência artificial, por exemplo nos sistemas de diagnóstico apoiados por computador. Este é um tópico fascinante que permite exercitar a convergência de tecnologias, que dará a tônica da pesquisa e desenvolvimento no século XXI.

Boletim da SBPMat: – Conte-nos, de modo muito resumido, quais são seus planos para a SBPMat enquanto presidente da sociedade no período 2016-2018.

Osvaldo Novais: – Acho que o plano mais relevante é dar continuidade ao excelente trabalho que as diretorias anteriores realizaram, que fez da SBPMat uma das sociedades científicas mais pujantes no Brasil. Isso inclui manter o excelente nível de nossos encontros anuais, e fortalecer a inserção internacional que a SBPMat tem logrado. Outras metas da nova diretoria são a de incrementar a interação de pesquisadores em materiais com as indústrias instaladas no Brasil, incentivar a participação de jovens pesquisadores na sociedade, e promover programas de divulgação científica e tecnológica, enfatizando o papel central da pesquisa em Materiais para o desenvolvimento tecnológico e social.

Boletim da SBPMat: – Sempre convidamos os entrevistados desta seção do boletim a deixarem uma mensagem para os leitores que estão iniciando suas carreiras científicas. Gostaria de falar algo em particular para esses futuros cientistas/ cientistas juniores?

Osvaldo Novais: – Minha mensagem é a de que se dediquem com afinco para obter uma formação científica sólida, com ênfase no domínio das linguagens do conhecimento, quais sejam as línguas naturais (português e inglês no nosso caso) e as linguagens dos formalismos matemáticos. É essa formação sólida que permitirá a nossos jovens cientistas aprenderem continuamente, o que é essencial numa sociedade de transformações tão rápidas. E que possam perseguir sonhos com a solução de problemas científicos e tecnológicos, que é uma das atividades mais divertidas e renovadoras.

20º aniversário da criação do Instituto de Física de São Carlos, e seis décadas participando da história da pesquisa em Materiais no Brasil.


O ano de 2014 é de comemorações para uma das instituições protagonistas da história da pesquisa em Materiais no Brasil. O Instituto de Física de São Carlos (IFSC), da Universidade de São Paulo (USP), celebra seu 20º aniversário.

Entretanto, as origens do IFSC e de suas contribuições à Ciência e Engenharia de Materiais brasileira remontam a uns 60 anos atrás. “Desde a sua origem o IFSC teve um papel central no desenvolvimento da Ciência e Engenharia de Materiais, uma vez que a pesquisa em materiais esteve presente com os pioneiros do IFSC”, afirma o professor Antonio Carlos Hernandes, diretor do IFSC de 2010 a 2014 e pesquisador na área de Materiais.

O início da história pode ser fixado em 1953, quando a USP, que tinha sido fundada em 1934, inaugurou uma unidade de ensino e pesquisa na então pacata cidade de São Carlos, no interior do estado de São Paulo. Tratava-se da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), que existe até a atualidade. Na época, o diretor da escola, Theodoreto Souto, incumbido de formar a equipe de docentes-pesquisadores, levou até São Carlos professores recrutados, principalmente, na USP de São Paulo, no Rio de Janeiro e no exterior do país, mas não conseguiu que eles se assentassem na cidade por muito tempo.

Sergio Mascarenhas chegou a São Carlos em 1956 e protagonizou a história da pesquisa em Materiais na região. Crédito: SBPMat. Foto de 2012.

Do Rio de Janeiro, o primeiro a integrar a equipe de docentes da EESC foi o físico Armando Dias Tavares, assistente de Joaquim da Costa Ribeiro nos laboratórios de Física da Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Rio de Janeiro (hoje Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ). Em seguida, colaboradores e alunos de Dias Tavares, formados sob a influência de Costa Ribeiro e Bernhard Gross (principais pioneiros da pesquisa em Materiais no Brasil) saíram da “cidade maravilhosa” para o interior paulista, a convite de Souto. Entre eles, chegaram a São Carlos em 1956 os recém- formados em Física e Química e recém-casados Sergio Mascarenhas Oliveira e Yvonne Primerano Mascarenhas – um casal que deixaria um importante legado na história da Ciência e Engenharia de Materiais na região e no país.

Num momento em que, no mundo e no Brasil, a maior parte dos recursos humanos e materiais para pesquisa em Física se destinavam à Física nuclear e de altas energias, o casal Mascarenhas optou por iniciar estudos em Física da Matéria Condensada, área na qual tinham trabalhado junto a Costa Ribeiro no Rio de Janeiro. Documentos elaborados pelo IFSC comentam que Sergio e Yvonne enxergaram nessa área duas possibilidades para o grupo de São Carlos: a de se destacar internacionalmente num campo onde existia menos concorrência, e a de gerar aplicações que tivessem um impacto positivo na economia da região e na qualidade de vida da sua população.

Assim, na década de 1960, Sergio Mascarenhas criou o Grupo de Física da Matéria Condensada. “Graças a um intercâmbio muito forte entre a USP em São Carlos, e as universidades de Princeton e Carnegie Mellon nos Estados Unidos, e também grupos da Inglaterra e da Alemanha, principalmente de Stuttgart, nós conseguimos estabelecer um programa de formação de pesquisadores bastante intenso, o qual dura até hoje”, comentou Mascarenhas em entrevista concedida em 2013 ao Boletim da SBPMat. Entre os trabalhos com maior impacto realizados naquela época pelo grupo de São Carlos, é possível citar as pesquisas ligadas a defeitos em cristais, como cristais iônicos com centro de cor, os quais foram usados posteriormente para memórias ópticas.

No final da década de 1960, uma nova instituição de ensino e pesquisa, a Universidade Federal de São Carlos (USFCar), era criada na cidade, com participação efetiva de professores do grupo da EESC. Em particular, Sergio Mascarenhas, que foi o primeiro reitor (pro tempore) da universidade, propôs a criação na instituição do primeiro curso de graduação na América Latina em Engenharia de Materiais, buscando construir uma ponte entre a Ciência de Materiais e a geração de produtos, processos e serviços. O curso iniciou suas atividades em 1970.

Em mais uma iniciativa pioneira na área de Materiais, o grupo de São Carlos, com Sergio Mascarenhas à frente da organização, recebeu na cidade a comunidade brasileira de físicos de estado sólido (na época formada por cerca de 50 pesquisadores) para realizar o “1º Simpósio Nacional de Física do Estado Sólido e Ciência dos Materiais” num pequeno galpão batizado graciosamente de Rancho das Marocas.

Prédio do Instituto de Física e Química de São Carlos em 1970, pouco antes da criação formal do IFQSC. Crédito: IFSC/USP.

Como conseqüência do caminho de crescimento, institucionalização e ganho de autonomia trilhado por Mascarenhas e seus colaboradores do grupo de São Carlos, em 1971 foi criado o Instituto de Física e Química de São Carlos (IFQSC), cujo primeiro diretor foi o próprio Mascarenhas. O IFQSC contou desde o início com um Departamento de Física e Ciência dos Materiais, além do Departamento de Química e Física Molecular. Mais um passo foi dado em 1994, quando o IFSC foi desmembrado, dando lugar ao Instituto de Química de São Carlos (IQSC) e ao IFSC, cuja primeira diretora foi Yvonne Primerano Mascarenhas.

Outro marco da participação do IFSC na história da pesquisa em Materiais no Brasil foi a criação, em 1993, do programa interunidades em Ciência e Engenharia de Materiais da USP em São Carlos. Administrado pelo IFSC, o programa reúne docentes desse instituto, do IQSC e da EESC, além de pesquisadores de outras instituições da região.

Atuação com impacto acadêmico e social

Além de participar do programa interunidades, o IFSC possui um dos programas de pós-graduação em Física mais conhecidos e disputados do país, o qual tem obtido nota máxima nas avaliações da CAPES desde sua criação. Dentro de seu mestrado e doutorado, é possível pesquisar uma ampla variedade de temas, que inclui diversas possibilidades na área de Materiais, desde pesquisas fundamentais em Física da Matéria Condensada até estudos sobre materiais semicondutores, polímeros, cerâmicas e vidros. Ainda na área de Materiais, o IFSC atualmente possui grupos de pesquisa consolidados, como, por exemplo, o Grupo de Polímeros “Professor Bernhard Gross”, e abriga projetos de grande porte, como Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs) e Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CePIDs).

Entretanto, o impacto acadêmico da atuação na área de Materiais do grupo de São Carlos que gerou o IFSC tem ultrapassado os limites do município de São Carlos. De acordo com o professor Antonio Carlos Hernandes, a primeira consequência dessa atuação foi a formação de doutores que passaram a atuar na área em outras instituições de ensino superior. “Com isso muitos centros universitários e de pesquisa que atuam em Materiais nos dias de hoje tem em seu DNA a formação no IFSC”, diz Hernandes.

“O IFSC reúne o que é essencial para a pesquisa de qualidade em materiais, com infraestrutura de equipamentos e pessoal com experiência em diversos tipos de materiais”, afirma o professor Osvaldo Novais de Oliveira Junior, vice-diretor do IFSC para o período 2012-2016. Contando com esses recursos, acrescenta Novais, formaram-se centenas de mestres e doutores em Materiais, muitos dos quais se tornaram líderes de grupos de pesquisa em todas as regiões do Brasil. “Esses líderes de várias instituições, assim como outros que fazem parte do IFSC, têm hoje papel relevante na organização da comunidade de Materiais no país, com atuação na SBPMat, realização de eventos e programas de cooperação nacional e internacional, e formulação de políticas públicas”, completa.

Mas o impacto da atuação do IFSC na área de Materiais vai além do ambiente acadêmico. O professor Hernandes destaca, entre outros exemplos, a criação de empresas de base tecnológica instaladas na cidade de São Carlos. “Essas empresas de alta tecnologia nasceram do trabalho de pesquisadores do IFSC, quase sempre envolvendo pesquisa em Materiais”, acrescenta o professor Novais, que também traz à tona outro tipo de contribuição social realizada pelos professores e pesquisadores do instituto, o “incansável trabalho de popularização da ciência, com programas diversos de extensão universitária, voltados para alunos do ensino médio e fundamental, assim como para o público em geral”.

Para saber mais.