Oswaldo Luiz Alves: nota de pesar.


A SBPMat expressa profundo pesar pelo falecimento de Oswaldo Luiz Alves, professor da UNICAMP, ocorrida no dia 10 de julho. Alves tinha 74 anos de idade.

O Professor Alves foi um dos primeiros pesquisadores a trabalhar com Química do Estado Sólido no Brasil, e, ao longo da sua carreira, fez importantes contribuições à área de Materiais, além de ter uma forte atuação na formação de recursos humanos e em divulgação científica.

Foi entrevistado em 2015 pelo Boletim da SBPMat. A entrevista pode ser lida em https://www.sbpmat.org.br/pt/gente-da-nossa-comunidade-entrevista-com-o-cientista-oswaldo-luiz-alves/.

Boletim da SBPMat. 106ª edição.


 

 

20Anos_260px

Boletim da
Sociedade Brasileira
de Pesquisa em Materiais

Edição nº 106. 30 de junho de 2021.

20 anos da SBPMat

No final da tarde de 25 de junho, a SBPMat comemorou seu 20º aniversário com uma live que reuniu fundadores, membros e ex-membros de diretoria e conselho, representantes dos University Chapters, equipe e parceiros. O evento contou com um bate-papo sobre a SBPMat e a pesquisa em Materiais no Brasil ontem, hoje e amanhã, além de um brinde virtual. Assista à gravação do evento no YouTube da SBPMat (e inscreva-se no canal).

20 anos

A SBPMat foi criada por um grupo de físicos, químicos e engenheiros que buscavam interação entre áreas do conhecimento; entre pesquisa básica, aplicada e tecnológica; entre comunidade nacional e internacional. Com esse espírito, nasceram a SBPMat e seus encontros anuais.

Alguns links para saber sobre a criação da SBPMat:

– Resumo da história, aqui.

– Reportagem “História da SBPMat: concepção e gestação”, aqui.

– Entrevista com Guillermo Solórzano, líder do processo de criação da SBPMat, aqui.

Artigo em destaque

Equipe da UNESP e colaboradores de Portugal desenvolveram um revestimento capaz de proteger da corrosão uma liga utilizada em aplicações aeroespaciais. Formado por um polímero de óleos vegetais e micropartículas de zinco, o revestimento recupera-se espontaneamente após sofrer riscos. Artigo foi publicado no Chemical Engineering Journal. Saiba mais.

artigo_news

Artigos sugeridos pela comunidade

Lithium disilicate glass produced at high pressure: Characterization of structural, thermal and mechanical properties. Leonardo Resende, Naira M. Balzaretti, Altair S. Pereira, Marcos A. Z. Vasconcellos, Silvio Buchner. Journal of the American Ceramic Society. https://doi.org/10.1111/jace.1770

Utilizando alta pressão, os autores, da UFRGS e UFR, propõem uma rota alternativa de produção de sistemas vítreos de alta densidade.

Você gostaria de sugerir a divulgação de um artigo da sua autoria, de alto impacto e feito no Brasil? Envie a referência e uma frase sobre o paper para comunicacao@sbpmat.org.br.

Novidades de sócios da SBPMat

Prof. Aldo Zarbin (UFPR) escreveu um artigo de revisão, a convite da Materials Horizons, sobre a rota interfacial líquido/líquido – técnica desenvolvida em seu grupo de pesquisa que permite sintetizar, processar e modificar filmes finos de todos os materiais de forma simples e barata. Em entrevista, o cientista fala sobre as possibilidades desta técnica “made in Brazil” e conta como aconteceu o desenvolvimento. Veja a entrevista.

socio_news

Profa. Mônica Cotta (UNICAMP), presidente da SBPMat, foi nomeada membro do comitê do VinFuture Prize, um prêmio internacional dedicado a pesquisas e inovações que tenham grande impacto na qualidade de vida humana e no desenvolvimento sustentável. Saiba mais.

monica_news

XIX B-MRS Meeting + IUMRS ICEM 2021 (virtual)

logo_560

– Programa. O programa geral do evento já está no site! Veja aqui.

– Orientações para apresentadores. Estão disponíveis as instruções para as apresentações orais e de pôster, bem como orientações gerais sobre o evento virtual. Veja aqui.

– Prêmios para estudantes de graduação e pós-graduação. A submissão de resumos estendidos para participar dos prêmios pode ser feita após a aprovação do resumo e até 19 de julho. Os Bernhard Gross Awards, da SBPMat, distinguirão o melhor pôster e melhor oral de cada simpósio. Os ACS Publications Prizes, da American Chemical Society, vão outorgar prêmios em dinheiro aos melhores trabalhos de todo o evento. O RSC Award, da Royal Society of Chemistry, premiará os 6 melhores pôsteres com vouchers para compra de livros. Saiba como concorrer aos prêmios, aqui.

– Plenárias e palestra memorial. Paula Vilarinho (Universidade de Aveiro) e Sergio Rezende (UFPE) se somam aos plenaristas do evento. Desta forma,10 cientistas de destaque internacional falarão sobre materiais bioinspirados, caracterização de materiais com alto grau de desordem estrutural, supercondutores, tecnologias microfluídicas, bioeletrônica, design inverso, semicondutores orgânicos, nanocompósitos plasmônicos e spintrônica. Veja nomes e bios, títulos e resumos, na página inicial do site.

– Outras atividades. Além das sessões dos simpósios e das plenárias, o evento contará com workshops e paineis de discussão sobre escrita e apresentação de trabalhos científicos; sub-representação de gênero, raça e distribuição geográfica na ciência; perovskitas e indústria fotovoltaica. Saiba mais.

– Inscrição – early registration. Desconto por early registration está disponível até 30 de julho. Confira os valores, aqui.

– Inscrição – desconto para sócios. A soma dos valores da anuidade de sócio + inscrição com desconto é menor que o valor da anuidade para não sócios. Anuidade pode ser paga junto à inscrição ou separadamente. Confira os valores, aqui.

– Inscrição – América Latina. Participantes de instituições latino-americanas pagam o mesmo valor na inscrição do que os participantes do Brasil. Confira os valores, aqui.

– Apoio e patrocínio. Esta edição virtual do evento oferece estandes virtuais e outras possibilidades para empresas e entidades interessadas em se conectar com a comunidade e exibir seus produtos e serviços. Interessados podem entrar em contato com Alexandre Alves no e-mail comercial@sbpmat.org.br.

Site do evento: https://www.sbpmat.org.br/19encontro/

Anuidades SBPMat 2021

Sócios da SBPMat podem encontrar os boletos referentes à anuidade 2021 em suas áreas de sócios, inserindo login e senha no cabeçalho do site. Estudantes e profissionais que ainda não são sócios estão convidados a fazer parte. Saiba mais.

banner socios newsletter

Oportunidades

– Curso online “Fundamentos de Microscopia Eletrônica de Transmissão Aplicada à Ciência dos Materiais” será ministrado pelo Prof Daniel Ugarte (UNICAMP). O curso é associado a uma disciplina de pós-graduação do IFGW-UNICAMP, mas é aberto a estudantes de todas as instituições. Saiba mais.

– XI Curso do Método Rietveld será realizado online de 5 a 26 de julho deste ano. Saiba mais.

– Vaga de pesquisador em Nanoeletrônica no LNNano-CNPEM. Saiba mais.

– Processo seletivo para mestrado e doutorado em Física e Química de Materiais na Universidade Federal de São João del-Rei. Inscrições até 30 de julho. Saiba mais.

Dicas de leitura

– Pesquisadores da UNESP propõem método para magnetizar material paramagnético sem aplicação de campo magnético externo (Scientific Reports). Saiba mais.

– Equipe com participação de pesquisadores da UFABC desenvolve fios de sutura capazes de liberar fármaco anti-inflamatório de forma controlada ao longo do tempo. Trabalho foi premiado como melhor paper do ano pelo Journal of Drug Delivery Science and Technology. Saiba mais.

– Pesquisadores da UFG desenvolvem nanopartícula magnética capaz de gerar e monitorar calor em terapias térmicas para tratamento localizado do câncer (ACS Applied Nano Materials). Saiba mais.

– Pesquisadores do IQSC-USP desenvolvem método computacional para selecionar materiais bidimensionais promissores para células solares de alto desempenho e fazem uma triagem entre 72 metais de transição dicalcogenados (ACS Applied Energy Materials). Saiba mais.

Agenda de eventos presenciais e online

– VIRTUAL. International Conference on Materials for Humanity (MH 21). 6 a 9 de julho de 2021. Site.

– WEBINAR: Electrochemistry at the Nanoscale: Application to Materials for Energy Storage. Palestrante: Patrice Simon (Université Paul Sabatier). Organização: CINE. 9 de julho de 2021. Site.

VIRTUAL. XIX B-MRS Meeting (Encontro da SBPMat) + IUMRS ICEM (International Conference on Electronic Materials). 30 de agosto a 3 de setembro de 2021. Site.

– 7th International Polysaccharide Conference (EPNOE 2021). Nantes (França). 11 a 15 de outubro de 2021. Site.

VIRTUAL. II Workshop Internacional da Pós Graduação em Engenharia Física da UFRPE. 19 e 20 de outubro de 2021. Site.

VIRTUAL. 1° Congresso Fronteiras da Nanociência e Nanotecnologia: avanços realizados por jovens cientistas brasileiros. 27 a 29 de outubro de 2021. Site.

7th Meeting on Self Assembly Structures in Solution and at Interfaces. Bento Gonçalves, RS (Brasil). 3 a 5 de novembro de 2021. Site.

4th Workshop on Coated Tools & Multifunctional Thin Films. Campinas, SP (Brasil). 29 de março a 1 de abril de 2022. Site.

XVIII International Small Angle Scattering Conference. Campinas, SP (Brasil). 11 a 16 setembro de 2022. Site.

11th International Conference of the African Materials Research Society (AMRS2022 ). Dakar (Senegal). 12 a 15 de dezembro de 2022. Site.

Siga-nos nas redes sociais

Você pode divulgar novidades, oportunidades, eventos ou dicas de leitura da área de Materiais, e sugerir papers, pessoas e temas para as seções do boletim. Escreva para comunicacao@sbpmat.org.br.

 

 

Sócio da SBPMat escreve artigo de revisão a convite da Materials Horizons sobre técnica desenvolvida em seu grupo de pesquisa para obtenção de filmes finos.


Prof Aldo Zarbin
Prof Aldo Zarbin

Em 2010, o professor Aldo José Gorgatti Zarbin e coautores publicavam o primeiro artigo sobre uma técnica, simples e barata, que permite obter filmes finos de alta qualidade na interface entre dois líquidos imiscíveis, como água e óleo. A rota consiste, basicamente, em dispersar o material que se deseja processar em um dos líquidos e agitar o sistema. Depois disso, se os parâmetros do processo são devidamente controlados, a natureza se encarrega de organizar o material na interface dos líquidos, gerando um filme sólido que pode ser facilmente depositado sobre outros materiais.

A descoberta parecia promissora, e, ao longo da década seguinte, o Grupo de Química de Materiais da Universidade Federal do Paraná (UFPR), liderado por Zarbin, continuou dedicando esforços a entender e dominar o processo, e a testá-lo com diversos materiais, substratos e aplicações. Os resultados foram além do esperado. A “rota interfacial líquido/líquido”, como foi denominada, permite não apenas processar praticamente todos os materiais em forma de filmes, mas também sintetizá-los e modificar sua superfície – tudo em uma mesma etapa, dentro do ambiente “mágico” da interface entre os líquidos.

Em 2020, dez anos depois do primeiro artigo, Aldo Zarbin foi convidado pela Materials Horizons, revista científica da Royal Society of Chemistry com fator de impacto 12,319, a escrever um artigo de revisão sobre esta técnica desenvolvida e otimizada no Brasil. O review foi publicado no início deste ano.

Nesta entrevista, o cientista Aldo Zarbin, que é sócio da SBPMat, fala um pouco sobre as características e possibilidades desta rota de obtenção de filmes finos – materiais cada vez mais demandados em áreas tão diversas como energia e saúde. De fato, a fina espessura e a grande área superficial dos filmes finos permitem controlar as propriedades de um sistema sem modifica-lo substancialmente e sem utilizar grandes quantidades de material.

Aldo Zarbin é professor titular do Departamento de Química da UFPR. É graduado (1990), mestre (1993) e doutor (1997) em Química pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). É fellow da Royal Society of Chemistry e membro titular da Academia Brasileira de Ciências (ABC). Foi presidente da Sociedade Brasileira de Química de 2016 a 2018 e atua como vice-coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Nanomateriais de Carbono. O cientista é autor de mais de 170 artigos científicos. Segundo o Google Scholar, seus trabalhos reúnem mais de 6.800 citações e seu índice h é de 47.

Boletim da SBPMat: – Conte-nos um pouco da história do desenvolvimento da rota interfacial líquido/líquido.

Aldo Zarbin: – Nós vínhamos trabalhando com interfaces entre líquidos imiscíveis desde 2001, na síntese de nanopartículas de prata e ouro pelo chamado método de Brust. Inovamos na época na preparação de nanocompósitos com polianilina, fazendo a polimerização diretamente no sistema bifásico. Na dissertação de mestrado de Rodrigo V. Salvatierra (que se iniciou em 2008 sob minha orientação e teve a co-orientação da Profa. Marcela M. Oliveira, da UTFPR), a proposta era preparar nanocompósitos entre nanotubos de carbono e polianilina em sistema bifásico, e durante o desenvolvimento do trabalho notamos que em determinadas condições experimentais o produto se formava na interface entre os dois líquidos, na forma de uma película extremamente resistente. Descobrimos que esse filme interfacial se mantinha íntegro, e desenvolvemos um sistema simples para removê-lo sobre substratos sólidos, chegando à conclusão de que era possível realizar a deposição sobre qualquer tipo de substrato, e mantendo uma elevada qualidade óptica. Com base nessas evidências experimentais, começamos a trabalhar para compreender o fenômeno e explicar o mecanismo de formação, o que resultou no nosso primeiro trabalho publicado sobre o tema, na Chemistry of Materials da American Chemical Society em 2010. Demonstramos nesse trabalho,  a preparação de diferentes filmes transparentes entre polianilina e nanotubos de carbono, com diferentes proporções entre os componentes, com um forte trabalho de caracterização e a explicação do mecanismo de formação. A partir desse primeiro trabalho, naturalmente passamos a estudar a possibilidade de extensão da técnica para outros materiais, e também visando aplicações reais. A tese de doutorado do Rodrigo V. Salvatierra (que foi agraciada com o Prêmio Capes de tese de 2015 na área de Química) mostrou a primeira aplicação, como eletrodo transparente em uma célula solar orgânica. O trabalho foi publicado na Advanced Functional Materials (Wiley) em 2013, em colaboração com o grupo da Profa. Lucimara S. Roman, do DFIS-UFPR. Em paralelo, várias outros trabalhos de dissertação de mestrado e tese de doutorado foram sendo realizados, para otimizar o processo, para compreender o papel da interface, para ampliar o número de materiais, para demonstrar aplicações diferenciadas, fazendo com que chegássemos aos dias atuais com uma compreensão bem significativa de todo o processo, e demonstrações de aplicação em sensores, células solares, supercapacitores e baterias flexíveis e transparentes, eletrodos transparentes, catalisadores, materiais eletrocrômicos, dentre outras.

Boletim da SBPMat: – Como foi recebida a técnica pela comunidade científica ao longo do tempo?

Aldo Zarbin: – A técnica contou com uma aceitação muito grande na comunidade científica porque possui vários diferenciais. O principal deles é a possibilidade de aliar em um único sistema a preparação de materiais altamente sofisticados, conjuntamente com seu processamento como filme fino. Preparar material já processado é uma vantagem fantástica na área, visando aplicações em diferentes dispositivos e sistemas.  Assim, materiais multicomponentes impossíveis de serem depositados como filme pelas rotas conhecidas, principalmente filmes transparentes, puderam ser preparados a partir dessa técnica. Esse diferencial fez com que os trabalhos fossem aceitos e publicados em revistas de alto impacto, e nos possibilitou o convite para apresentar seminários em diferentes congressos e instituições no Brasil e no exterior, culminando com a publicação desse review a convite na Materials Horizons. Além disso, vários laboratórios mundo afora passaram a utilizar a técnica, e citar os trabalhos desenvolvidos aqui no GQM-UFPR.

Boletim da SBPMat: – Comente em que medida esta rota e os fenômenos a ela associados eram inéditos quando você e seus colaboradores desenvolveram a técnica.

Aldo Zarbin: – De forma resumida, a técnica tira vantagem da alta tensão interfacial entre dois líquidos imiscíveis, para estabilizar sólidos nessa interface visando minimizar essa tensão. Esse processo de estabilização de sólidos em interfaces entre líquidos imiscíveis já é conhecido há muito tempo, desde as chamadas emulsões de Pickering no início do século XX, e foi muito estudado pela comunidade científica nos anos recentes, o que facilitou muito o nosso trabalho. Também vários grupos vinham publicando resultados com a exploração de materiais estabilizados nessas interfaces, como nanopartículas de metais e semicondutores, nanotubos de carbono e diferentes polímeros. O nosso diferencial e ineditismo foi, em primeiro lugar, demonstrar que é possível estabilizar esse sólido de forma a conectar as unidades, dando um caráter de filme homogêneo e estável, e não simplesmente um “aglomerado” de sólido na interface. Isso é controlado por parâmetros experimentais que foram otimizados e descritos por nós; em segundo lugar, fomos os primeiros a demonstrar que esse filme poderia ser retirado da interface líquido/líquido para ser depositado sobre diferentes substratos, ou seja, usar esse fenômeno conhecido como uma técnica de deposição de filmes finos; e finalmente, fomos pioneiros na síntese de materiais multicomponentes diretamente no sistema líquido/liquido, em um processo one-pot e one-step, onde o material multicomponente já é sintetizado e processado na forma de filme.

Boletim da SBPMat: – Aproveite este espaço para divulgar a rota interfacial líquido/líquido, com as suas vantagens e limitações, na comunidade de Ciência e Tecnologia de Materiais, pensando nas pessoas que poderiam utilizá-la.

Aldo Zarbin: – Inicialmente vamos às vantagens da técnica, pensando somente na deposição de filmes, independente do material (ou seja, se partimos de um material já existente, ou se usamos a técnica para inicialmente sintetizar o material): i) extremamente barata; ii) extremamente segura; iii) não requer temperatura, nem pressão, nem aparato experimental sofisticado; iv) permite deposição sobre substratos de qualquer formato, e qualquer composição, plásticos incluídos; v) permite controle de espessura do filme; vi) produz filmes transparentes; vii) produz filmes de alguns materiais que não são possíveis de serem produzidos por técnicas convencionais, sendo especialmente indicado para materiais insolúveis e difíceis de serem tratados, como nanocompósitos por exemplo.
Qualquer aplicação industrial que necessite de recobrimento de peças ou substratos pode ser beneficiada pela técnica, utilizando o material correto para o fim desejado: aplicações anticorrosão; proteção contra ataques químicos; blindagem eletromagnética; dissipação estática; sensores de movimento, pressão, rachadura, gases; recobrimentos inteligentes; janelas eletrocrômicas; aplicações em energia, como células solares, baterias e supercapacitores; como catalisadores etc.

As limitações também estão destacadas no review. A principal delas é que ainda é um método de laboratório, não temos nenhuma experiência com escalonamento, ou seja, um processo que permita a produção em larga escala, o que é um requerimento básico para aplicações industriais.  Um outro problema é que ainda não temos experiência de recobrimento de grandes áreas, em escala de metros quadrados, por exemplo.  Ambas as limitações são problemas de engenharia que acredito que possam ser facilmente contornáveis, com investimento em pesquisa e desenvolvimento na técnica.

 Imagem publicada originalmente em Mater. Horiz., 2021,8, 1409-1432.
Imagem publicada originalmente em Mater. Horiz., 2021,8, 1409-1432.

Referência do artigo de revisão: Liquid–liquid interfaces: a unique and advantageous environment to prepare and process thin films of complex materials. Aldo J. G. Zarbin. Mater. Horiz., 2021,8, 1409-1432. Disponível em formato open access em https://doi.org/10.1039/D0MH01676D.


 

Presidente da SBPMat faz parte de comitê do VinFuture Prize.


Profa Mônica A. Cotta
Profa Mônica A. Cotta

A professora Mônica A. Cotta (UNICAMP), atual presidente da SBPMat, foi nomeada membro do comitê de triagem do VinFuture Prize, dedicado a pesquisas e inovações com grande impacto na qualidade de vida humana e no desenvolvimento sustentável.

Na sua primeira edição, este prêmio anual internacional da fundação VinFuture (Vietnã) outorgará um total de 4,5 milhões de dólares distribuídos em um prêmio principal e três distinções para trabalhos realizados em países em desenvolvimento, por mulheres e em áreas emergentes.

O comitê de triagem reúne doze cientistas de diversas áreas da ciência, tecnologia e indústria, responsáveis por revisar inicialmente as nomeações e preparar a lista de candidatos. A presidente da SBPMat é a única representante de uma instituição da América Latina nesse comitê.

Site do VinFuture Prize: https://vinfutureprize.org/

Artigo em destaque: Revestimento com dupla funcionalidade para proteção contra corrosão.


[Texto de divulgação elaborado por Jéssica Verger Nardeli, coautora da pesquisa, com pequenas edições do Boletim da SBPMat.]

Imagem de microscopia óptica (MO) e microscopia eletrônica de varredura (MEV) da superfície dos polímeros com dupla funcionalidade (à direita). (Fonte: Adaptado de Chemical Engineering Journal 2021, 404, 126478, DOI: 10.1016/j.cej.2020.126478).
Imagem de microscopia óptica (MO) e microscopia eletrônica de varredura (MEV) da superfície dos polímeros com dupla funcionalidade (à direita). (Fonte: Adaptado de Chemical Engineering Journal 2021, 404, 126478, DOI: 10.1016/j.cej.2020.126478).

Uma equipe científica do Instituto de Química da Universidade Estadual Paulista (IQAr-UNESP) desenvolveu um revestimento de base biológica (biobased) que oferece proteção contra a corrosão com dupla funcionalidade. O trabalho contou com a colaboração da professora Fátima Montemor para a realização de estudos nos laboratórios do Instituto Superior Técnico de Lisboa, em Portugal.

Para produzir os novos revestimentos, micro flocos de zinco (Zn) de cerca de 13 µm foram dispersos em uma matriz polimérica de poliuretano sintetizada a partir de óleos vegetais (base biológica). Os revestimentos foram aplicados na liga AA7475, material moderno e competitivo para aplicações aeroespaciais,  para testar a proteção contra corrosão.

Quando o revestimento com micropartículas de zinco apresenta algum defeito, expondo o substrato ao meio corrosivo, inicia-se a dupla funcionalidade de forma autônoma (sem intervenção externa). O efeito de inibição de corrosão do pigmento zinco  combina-se com o efeito de autocura (self-healing) induzido pela reposição/aumento de ligações de hidrogênio na matriz polimérica de poliuretano, criando uma dupla funcionalidade para proteção contra corrosão.

As imagens de microscopia que acompanham este texto representam uma redução drástica na corrosão de uma chapa de alumínio AA7475 recoberta com um revestimento modificado com zinco em comparação com um revestimento referência. Ambas as amostras foram artificialmente arranhadas e colocadas em cloreto de sódio (NaCl) a 0,005 mol/L por 48 horas. No revestimento modificado, o arranhão recuperou-se completamente, enquanto no revestimento referência, o arranhão permaneceu até o substrato.

“A principal contribuição do trabalho está relacionada à dupla funcionalidade do revestimento em uma única camada, ou seja, efeito self-healing atribuído à reposição/aumento de ligações de hidrogênio (matriz polimérica) e bloqueio da superfície (micro partículas de zinco) que aumenta o efeito barreira”, resume Jéssica Verger Nardeli, doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Química da UNESP. Jéssica é autora correspondente, junto ao professor Assis Vicente Benedetti (IQ-UNESP), do artigo que reporta a pesquisa, recentemente publicado no periódico Chemical Engineering Journal (fator de impacto 10,652). “Além do efeito self-healing da matriz polimérica e da proteção anódica (micro flocos de zinco), a inibição catódica adicional também é possível, principalmente em defeitos confinados no revestimento, devido ao bloqueio por produtos de corrosão, predominantemente, aqueles contendo zinco e alumínio. Os produtos de corrosão limitam o acesso do oxigênio aos locais ativos, desacelerando e, em última análise, inibindo a reação catódica”, conclui a doutora.

Assim, um mecanismo para a inibição catódica em defeitos confinados juntamente com o efeito self-healing foi proposto de acordo com esta representação esquemática:

Representação esquemática do mecanismo de proteção do revestimento de poliuretano com dupla funcionalidade. (Fonte: Adaptado de Chemical Engineering Journal 2021, 404, 126478, DOI: 10.1016/j.cej.2020.126478).
Representação esquemática do mecanismo de proteção do revestimento de poliuretano com dupla funcionalidade. (Fonte: Adaptado de Chemical Engineering Journal 2021, 404, 126478, DOI: 10.1016/j.cej.2020.126478).

De acordo com o prof. Dr. Assis Vicente Benedetti, o objetivo inicial do trabalho era encontrar um inibidor natural e eficiente na proteção contra corrosão de ligas de alumínio, juntamente com uma matriz polimérica eficiente na barreira contra permeação de eletrólitos. Dessa forma, durante seu doutorado, Jéssica Verger Nardeli realizou vários experimentos a partir de uma série de medidas eletroquímicas convencionais e localizadas, complementadas com cálculos computacionais. “Dessa forma, tivemos suporte para elaboração de um revestimento com dupla funcionalidade em uma única camada”, diz a doutora Jéssica.

Novidade do trabalho

É bem conhecido que existe abundante literatura abordando o tema de revestimentos para proteção contra corrosão de ligas de alumínio, mas ainda são escassos os estudos focando a proteção contra corrosão da liga AA7475, uma liga de alumínio relativamente moderna. Assim, os revestimentos para proteção contra corrosão da liga AA7475 são um importante assunto de pesquisa, e melhor ainda se esses revestimentos apresentarem dupla ação de proteção: autocura e inibição da corrosão. O revestimento de base biológica modificado com micro flocos de zinco desenvolvido e aplicado na liga AA7475 tem ambas as propriedades mencionadas

O trabalho recebeu financiamento da agência brasileira Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). A tese de doutorado de Jéssica Verger Nardeli foi indicada para o Prêmio CAPES de Tese 2021.

Autores do artigo. A partir da esquerda: Jéssica Verger Nardeli, Cecílio Sadao Fugivara, Maryna Taryba, Fátima Montemor, Assis Vicente Benedetti.
Autores do artigo. A partir da esquerda: Jéssica Verger Nardeli, Cecílio Sadao Fugivara, Maryna Taryba, Fátima Montemor e Assis Vicente Benedetti.

Referência do artigo científico: Biobased self-healing polyurethane coating with Zn micro-flakes for corrosion protection of AA7475. Jéssica Verger Nardeli, Cecílio Sadao Fugivara, Maryna Taryba, Fátima Montemor, Assis Vicente Benedetti, Chemical Engineering Journal, 404, 2021, 126478, https://doi.org/10.1016/j.cej.2020.126478.

Contato de autora correspondente: Jéssica Nardeli – jeh.nardeli@gmail.com


 

Aniversário da SBPMat: 20 anos!


Nesta sexta-feira, dia 25 de junho, das 18h30 às 20h00, a Sociedade Brasileira de Pesquisa em Materiais (SBPMat) comemora seus 20 primeiros anos de existência com uma live. 

O evento inclui um bate-papo sobre passado, presente e futuro da pesquisa em Materiais no Brasil com ex-presidentes da SBPMat: Osvaldo Novais de Oliveira Junior (IFSC-USP), Roberto Mendonça Faria (IFSC-USP), Fernando Lázaro Freire Junior (PUC-Rio), Elson Longo (UFSCar) e Guillermo Solórzano (PUC-Rio).

O evento será transmitido no YouTube da Sociedade, que será relançado na ocasião. 


20Anos_560pxAniversário da SBPMat – 20 anos!

Quando: Sexta-feira, dia 25, das 18h30 às 20h00.

Onde: No YouTube da SBPMat.

Programação:

18h30 – 18h40 – Boas-vindas.
18h40 – 19h50 – Bate-papo com ex-presidentes da SBPMat: “Pesquisa em Materiais no Brasil – ontem, hoje e amanhã”.
19h50 – 20h00 – Encerramento: Palavras da Profa Monica Cotta, atual presidente da SBPMat.
20h00 – Brinde à SBPMat.


Sobre a criação da SBPMat

A SBPMat foi fundada em assembleia geral de constituição no dia 26 de junho de 2001. A sua criação foi conduzida por um grupo de físicos, químicos e engenheiros. Esses pesquisadores almejavam uma entidade que representasse todas as áreas do conhecimento, todas as famílias de materiais (metais, polímeros, cerâmicas) e todos os tipos de pesquisa (básica, aplicada e tecnológica) envolvidos na Ciência e Tecnologia de Materiais. O grupo de fundadores também buscava aumentar a interação entre as comunidades nacional e internacional de pesquisa em materiais, e encontrou apoio em ambas para criar a Sociedade Brasileira de Pesquisa em Materiais.

Para saber mais sobre esse processo, leia estas matérias, produzidas em 2013:

  • Resumo da história. Aqui.
  • Reportagem “História da SBPMat: concepção e gestação”, elaborada com base em documentos e entrevistas com alguns dos fundadores. Aqui.
  • Entrevista com Guillermo Solórzano, líder do processo de criação da SBPMat. Aqui.

Compartilhe lembranças e mensagens

Você tem fotos ou histórias que gostaria de compartilhar? Envie para comunicacao@sbpmat.org.br, compartilhe nas redes sociais usando a hashtag #sbpmat20anos, ou deixe a sua mensagem aqui mesmo, nos comentários.

Boletim da SBPMat. 105ª edição.


 

logo header 400

Boletim da
Sociedade Brasileira
de Pesquisa em Materiais

Edição nº 105. 31 de maio de 2021.

Artigo em Destaque

Uma equipe científica brasileira produziu nanocompósitos de óxido de grafeno e pontos quânticos ultrapequenos cuja resposta elétrica pode ser facilmente ajustada. Descoberta abre possibilidades de desenvolvimento de dispositivos mais sensíveis na área de energia e saúde. Trabalho foi reportado em The Journal of Physical Chemistry C. Saiba mais.

imagem news

XIX B-MRS Meeting + IUMRS ICEM 2021 (virtual)

logo_560

– Submissões. O XIX B-MRS Meeting recebeu mais de 1.100 resumos de 31 países da América, Europa, Ásia e África, e de todas as regiões do Brasil!

– Datas importantes. As notificações de aprovação, modificação ou rejeição serão enviadas aos autores até 8 de junho. Resumos corrigidos poderão ser ressubmetidos até 21 de junho. A notificação final para esses autores será enviada até 28 de junho.

– Simpósios. Veja a lista de simpósios, aqui.

– Orientações para apresentadores. Já estão disponíveis as instruções para as apresentações orais e de pôster, bem como orientações gerais sobre o evento virtual. Veja aqui.

– Prêmios para estudantes de graduação e pós-graduação. A submissão de resumos estendidos para participar dos prêmios pode ser feita após a aprovação do resumo e até 19 de julho. Os Bernhard Gross Awards, da SBPMat, distinguirão o melhor pôster e melhor oral de cada simpósio. Os ACS Publications Prizes, da American Chemical Society, vão outorgar prêmios em dinheiro aos melhores trabalhos de todo o evento. O RSC Award, da Royal Society of Chemistry, premiará os 6 melhores pôsteres com vouchers para compra de livros. Saiba como concorrer aos prêmios, aqui.

– Plenárias e palestra memorial. 8 cientistas de destaque internacional falarão sobre materiais bioinspirados, caracterização de materiais com alto grau de desordem estrutural, supercondutores, tecnologias microfluídicas, bioeletrônica, design inverso, semicondutores orgânicos e nanocompósitos plasmônicos. Veja nomes e bios, títulos e resumos, na página inicial do site.

– Outras atividades. Além das sessões dos simpósios e das plenárias, o evento contará com workshops e paineis de discussão sobre escrita e apresentação de trabalhos científicos; sub-representação de gênero, raça e distribuição geográfica na ciência; perovskitas e indústria fotovoltaica. Saiba mais.

– Inscrição – early registration. Desconto por early registration está disponível até 30 de julho. Confira os valores, aqui.

– Inscrição – desconto para sócios. A soma dos valores da anuidade de sócio + inscrição com desconto é menor que o valor da anuidade para não sócios. Anuidade pode ser paga junto à inscrição ou separadamente. Confira os valores, aqui.

– Inscrição – América Latina. Participantes de instituições latino-americanas pagam o mesmo valor na inscrição do que os participantes do Brasil. Confira os valores, aqui.

– Apoio e patrocínio. Esta edição virtual do evento oferece estandes virtuais e outras possibilidades para empresas e entidades interessadas em se conectar com a comunidade e exibir seus produtos e serviços. Interessados podem entrar em contato com Alexandre Alves no e-mail comercial@sbpmat.org.br.

Site do evento: https://www.sbpmat.org.br/19encontro/

Novidades de Sócios da SBPMat

Prof. Hellmut Eckert (IFSC-USP), sócio da SBPMat, foi homenageado no início de maio com uma edição especial do periódico The Journal of Physical Chemistry C, que rende tributo ao conjunto da sua obra científica na área de ressonância magnética nuclear aplicada a materiais. Saiba mais.

Eckert

Anuidades SBPMat 2021

Sócios da SBPMat podem encontrar os boletos referentes à anuidade 2021 em suas áreas de sócios, inserindo login e senha no cabeçalho do site. Estudantes e profissionais que ainda não são sócios estão convidados a fazer parte. Saiba mais.

banner socios newsletter

Ações da SBPMat

– SBPMat subscreveu a carta ao Ministro de CTI, elaborada por entidades que compõem a ICTP.br, solicitando uma série de medidas para a liberação dos recursos do FNDCT. Veja a carta.

– SBPMat e dezenas de entidades endossaram carta da ICTP.Br ao ministro da Economia Paulo Guedes solicitando informações sobre os R$ 5 bilhões adicionais ao orçamento que, segundo ele, foram recebidos pelo MCTI. Saiba mais.

– SBPMat esteve presente no Fórum das Sociedades Científicas Afiliadas à SBPC, que reuniu virtualmente representantes de 120 sociedades científicas para discutir ações e estratégias para 2021. Representaram a SBPMat a presidente Mônica Cotta e a diretora científica Andrea de Camargo. Veja a notícia.

Oportunidades

– Chamada de projetos colaborativos transnacionais na área de materiais, lançada pela Fapesp e a rede europeia M-ERA NET. Envio de pré-propostas até 15 de junho. Saiba mais.

– Abertas até 10 de junho as inscrições ao prêmio Para Mulheres na Ciência 2021, realizado pela L’Oréal Brasil, Academia Brasileira de Ciências e Unesco. Regulamento foi ajustado nesta edição para permitir maior participação de cientistas que são mães. Saiba mais.

– Inscrições abertas até 30 de junho para mestrado e doutorado em Engenharia Química, de Materiais e Processos Ambientais na PUC Rio. Saiba mais.

– Processo seletivo para mestrado e doutorado em Física na UFRN. Inscrições abertas até 13 de junho. Saiba mais.

– Inscrições abertas até 4 de julho para processo seletivo do mestrado em Física da UDESC. Saiba mais.

– Inscrições abertas até 3 de julho para o processo seletivo do mestrado em Nanociência, Processos e Materiais Avançados da UFSC – Campus Blumenau. Saiba mais.

– Seleção de bolsistas de iniciação científica (alunos de graduação) para atuar no CNPEM (Campinas, SP). Há muitos projetos na área de materiais. Inscrições abertas até 15 de junho. Saiba mais.

Dicas de leitura

Cientistas sintetizam pela primeira vez folhas bidimensionais de bifenileno, uma rede plana de átomos de carbono com propriedades eletrônicas diferentes das do grafeno (Science). Saiba mais.

– Cientistas batem recorde de resolução na visualização de átomos ao resolverem limitações de técnica desenvolvida em 2018. Solução permite localizar átomos individuais nas 3 dimensões de uma amostra (Science). Saiba mais.

– Materiais contra a escassez de água: cientistas criam microestruturas de hidrogel inspiradas em espinhos de cactos, que coletam água do ar 24 horas por dia (Nature Communications). Saiba mais.

– Cientistas conseguem “ligar” e “desligar” o antiferromagnetismo de um material, abrindo possibilidades de desenvolvimento de memórias mais rápidas, compactas e seguras do que as atuais para armazenamento de dados (Physical Review Letters). Saiba mais.

– Pesquisadores do Brasil desenvolvem biossensor de baixo custo baseado em estrutura metalorgânica que permite monitorar a interação entre proteínas, abrindo possibilidades de detecção precisa do câncer e outras doenças (Chemistry of Materials). Saiba mais.

– A Assembleia Geral das Nações Unidas anunciou nesta semana que 2022 será o Ano Internacional do Vidro. A iniciativa visa celebrar a importância social, tecnológica, científica, econômica e artística desse material. Saiba mais.

Agenda de eventos presenciais e online

VIRTUAL. 4th International Conference on Applied Surface Science. 29 a 30 de junho de 2021. Site.

– VIRTUAL. International Conference on Materials for Humanity (MH 21). 6 a 9 de julho de 2021. Site.

VIRTUAL. XIX B-MRS Meeting (Encontro da SBPMat) + IUMRS ICEM (International Conference on Electronic Materials). 30 de agosto a 3 de setembro de 2021. Site.

– 7th International Polysaccharide Conference (EPNOE 2021). Nantes (França). 11 a 15 de outubro de 2021. Site.

– 7th Meeting on Self Assembly Structures in Solution and at Interfaces. Bento Gonçalves, RS (Brasil). 3 a 5 de novembro de 2021. Site.

– 4th Workshop on Coated Tools & Multifunctional Thin Films. Campinas, SP (Brasil). 29 de março a 1 de abril de 2022. Site.

– XVIII International Small Angle Scattering Conference. Campinas, SP (Brasil). 11 a 16 setembro de 2022. Site.

Siga-nos nas redes sociais

Você pode divulgar novidades, oportunidades, eventos ou dicas de leitura da área de Materiais, e sugerir papers, pessoas e temas para as seções do boletim. Escreva para comunicacao@sbpmat.org.br.
 

Texto de ex-presidente da SBPMat na ocasião do falecimento de Sergio Mascarenhas.


[Texto do professor Roberto Mendonça Faria (IFSC-USP), ex-presidente da SBPMat.]

Prof Sergio Mascarenhas em 2012.
Prof Sergio Mascarenhas em 2012.

A Sociedade Brasileira de Pesquisa em Materiais (SBPMat) solicitou a mim a incumbência de escrever sobre um acontecimento que ninguém gostaria de ler: o falecimento do professor e cientista Sérgio Mascarenhas de Oliveira.

Sérgio Mascarenhas nasceu na cidade do Rio de Janeiro, no dia 2 de maio de 1928, onde formou-se bacharel em química pela Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil, em 1951, e em física pela Universidade do Rio de Janeiro, em 1952.

Em 1956, ele, junto com sua esposa a profa. Yvonne Primerano Mascarenhas, decidiu enfrentar o grande desafio de introduzir pesquisa longe dos grandes centros, como São Paulo e Rio de Janeiro. Em São Carlos eles deram início às suas brilhantes carreiras como professores e cientistas na Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo. Com competência e muito trabalho, o Prof. Mascarenhas criou os primeiros laboratórios na área de Física da Matéria Condensada, segmento importante das Ciências dos Materiais, seguindo a formação que trouxe do Rio de Janeiro onde trabalhou com os mestres Joaquim Costa Ribeiro e Armando Dias Tavares, sob a inspiração do professor Bernhard Gross.

Foi criador do Instituto de Física e Química de São Carlos (do qual foi professor emérito), da unidade da Embrapa Instrumentação (CNPDIA) em São Carlos, e foi um dos responsáveis pela fundação da Universidade Federal de São Carlos. Foi professor visitante nas Universidades de Princeton, Harvard, MIT (EUA), da Universidade Nacional Autonoma e do Centro de Estudios Avanzados (México), do Institute of Physical and Chemical Research (Japan), da London University (Inglaterra), do International Center for Theoretical Physics de Trieste e Universidade de Roma (Itália). Foi diretor da Fundação de Pesquisas Adib Jatene (Instituto Cardiologia Dante Pazzanese SP), coordenou projetos do Instituto de Estudos Avançados da USP, e foi membro da Academia Brasileira de Ciências e da Academia de Ciências do Estado de São Paulo. Foi condecorado Pesquisador Emérito do CNPq, e recebeu inúmeras láureas: Comendador da Ordem Nacional do Mérito Científico da Presidência da República, Gugemheim Award (EUA), Fullbright Award (EUA), Yamada Foundation Award (Japão), prêmio de Mérito Científico na classe de Grã-Cruz, entre outras distinções honoríficas.

Deixa uma legião de estudantes e ex-estudantes que continuam sua obra em prol do desenvolvimento científico do Brasil.

Prof. Roberto Mendonça Faria.

Sergio Mascarenhas Oliveira: nota de pesar.


A SBPMat expressa profundo pesar pelo falecimento de Sérgio Mascarenhas Oliveira, professor (aposentado) da Universidade de São Paulo (USP), que faleceu no dia 31 de maio, aos 93 anos de idade.

Ele foi distinguido pela SBPMat em 2012 por meio da “Palestra memorial Joaquim da Costa Ribeiro” pelo seu impacto na comunidade brasileira de pesquisa em Materiais.

Neste momento, a Diretoria da SBPMat gostaria de lembrá-lo como um grande cientista e como um incentivador de novos talentos, que acreditava no trabalho colaborativo e na capacidade empreendedora e criativa do povo brasileiro.

Artigo em destaque: Sinergia entre óxido de grafeno e pontos quânticos para dispositivos mais sensíveis.


Frente ao interesse por dispositivos cada vez menores e de desempenho cada vez melhor, novos materiais funcionais de baixíssimas dimensões são bem-vindos. Ainda mais se as suas propriedades podem ser afinadas para atender às necessidades de cada aplicação.

Uma equipe científica brasileira desenvolveu um nanocompósito formado por folhas bidimensionais de óxido de grafeno reduzido (rGO) e pontos quânticos ultrapequenos, e encontrou a forma de ajustar as suas propriedades elétricas e ópticas, aproveitando a sinergia entre ambos os componentes. A descoberta abre possibilidades de uso desse nanomaterial no desenvolvimento de dispositivos mais sensíveis e com novas funcionalidades, para áreas como energia e saúde.

“Com os resultados surpreendentes e inovadores deste trabalho abre-se uma vertente de desenvolvimento de novos nanocompósitos visando à formação de recursos humanos e aplicações tecnológicas de ampla aplicabilidade”, afirma o professor Noelio Oliveira Dantas (UFAL e UFU), autor correspondente do artigo que reporta a descoberta em The Journal of Physical Chemistry C.

 De Minas a Alagoas

A pesquisa começou em 2016 em Minas Gerais, na Universidade Federal de Uberlândia (UFU), dentro do doutorado de Rosinildo Fideles do Nascimento, sob orientação dos professores Noelio Dantas e Anielle Christine Almeida Silva, pesquisadores com bastante experiência em novos materiais nanoestruturados, incluindo relevantes contribuições à síntese de pontos quânticos.

No Instituto de Física da UFU, mais precisamente no Laboratório de Novos Materiais Isolantes e Semicondutores, foram sintetizados e caracterizados o óxido de grafeno reduzido (derivado do grafeno que vem sendo amplamente utilizado dentro e fora do meio acadêmico) e os pontos quânticos ultrapequenos (partículas de menos de 5 nm com propriedades ópticas e eletrônicas únicas, devidas aos fenômenos quânticos que ocorrem nessa escala dimensional). Bom condutor da eletricidade, o rGO não tem, porém, comportamento semicondutor. Em compensação, a grande área superficial das folhas bidimensionais de rGO consegue acomodar de forma homogênea boas quantidades de partículas semicondutoras, como os pontos quânticos.

Mas, voltando à história deste trabalho, os pesquisadores prepararam pontos quânticos compostos por um núcleo de seleneto de cádmio (CdSe) de cerca de 1,5 nm e uma casca de sulfeto de cádmio (CdS) de menos de 1 nm. O passo seguinte foi realizado em Alagoas. De fato, em 2018, os professores Noelio e Anielle foram transferidos por meio de um processo de redistribuição de vagas para a universidade federal desse estado, a UFAL, onde criaram o Laboratório de Novos Materiais Nanoestruturados e Funcionais. Ali, Rosinildo e seus orientadores utilizaram os nanomateriais preparados na UFU para desenvolver o nanocompósito.

Com o objetivo de investigar o efeito da concentração dos pontos quânticos nas propriedades ópticas e elétricas do nanocompósito, eles produziram e caracterizaram quatro versões do material, cada uma com uma determinada proporção de rGO e pontos quânticos. Os nanocompósitos foram obtidos utilizando um método que ativa grupos de átomos presentes no rGO (carboxilas) e os predispõe a interagir com grupos presentes nas cascas dos pontos quânticos (hidroxilas). No final do processo, os dois componentes ficam fortemente ligados por meio do compartilhamento de pares de elétrons (união covalente), formando o nanocompósito.

À esquerda, a figura representa a estrutura do nanocompósito, com os pontos quânticos ultra pequenos (em amarelo e vermelho) intercalados na estrutura do óxido de grafeno reduzido (azul), À direita, gráficos que mostram a resposta elétrica das amostras.
À esquerda, a figura representa a estrutura do nanocompósito, com os pontos quânticos ultra pequenos (em amarelo e vermelho) intercalados na estrutura do óxido de grafeno reduzido (azul), À direita, gráficos que mostram a resposta elétrica das amostras.

Sinergia entre nanomateriais

Depois de sintetizar os materiais, os cientistas se valeram da infraestrutura disponível em três laboratórios do Instituto de Física da UFAL para investigar experimentalmente a influência da concentração de pontos quânticos nas propriedades dos nanocompósitos. Esta parte do trabalho envolveu a colaboração de professores, doutorandos e um pós-doc de quatro grupos de pesquisa da universidade.

A partir dos resultados desse estudo colaborativo, Rosinildo e seus orientadores confirmaram que, no nanocompósito, os pontos quânticos transferem portadores de carga (elétrons e buracos) para o rGO. Entretanto, a principal contribuição do trabalho foi demonstrar que a taxa dessa transferência de portadores de carga pode ser ajustada ao aumentar ou diminuir a concentração de pontos quânticos no material.

“Com a concentração de pontos quânticos apropriada temos uma maior resposta elétrica do nanocompósito, possibilitando o desenvolvimento de novos dispositivos mais sensíveis e funcionais”, destaca a professora Anielle, também autora correspondente do trabalho.

Aplicações

Ao iluminar o nanocompósito com a radiação adequada, os pontos quânticos absorvem a luz, a qual excita e mobiliza seus portadores de carga, que são transferidos para o rGO. O efeito se detém quando a iluminação é retirada. Com essas características, uma das aplicações mais evidentes do nanocompósito é em células solares de pontos quânticos. Nesses dispositivos ainda experimentais, mas cuja eficiência vem aumentando anualmente, são usados pontos quânticos que absorvem radiação na faixa da luz solar. A alta transferência de cargas para o rGO seria, neste caso, um diferencial.

Contudo, outros usos são também promissores. O grupo dos professores Noelio e Anielle conta com a colaboração de pesquisadores especializados no desenvolvimento de sensores e aplicações biomédicas. “Estamos finalizando novos trabalhos em que demonstramos o excelente potencial desses nanocompósitos na melhoria da resposta elétrica em sensores, bem como a sua biocompatibilidade e desenvolvimento de novas ferramentas teranósticas”, revela a professora Anielle. Plataformas teranósticas são sistemas, geralmente nanométricos, capazes de diagnosticar, tratar e monitorar problemas de saúde.

“O uso desses nanocompósitos é vasto, de aplicações tecnológicas (energia solar, sensores) a nanobiotecnológicas (sensores biológicos, ferramentas teranósticas)”, diz o professor Noelio. “O Brasil precisa investir em pesquisa que contribua diretamente com o desenvolvimento de tecnologia, bem como também criar programas que aproximem e incentivem parcerias entre empresas e pesquisadores”, manifesta o cientista.

Autores principais do artigo. A partir da esquerda: Noelio Dantas, Anielle Almeida e Rosinildo do Nascimento.
Autores principais do artigo. A partir da esquerda: Noelio Dantas, Anielle Almeida e Rosinildo do Nascimento.

Referência do artigo científico: Tuning the Optical and Electrical Properties of rGO-CdSe/CdS Ultrasmall Quantum Dot Nanocomposites. Rosinildo Fideles do Nascimento, Anielle Christine Almeida Silva, Tasso O. Sales, Artur F. Sonsin, Eduardo Jorge da Silva Fonseca, Samuel T. Souza, Ygor M. de Oliveira, Fabiane C. de Abreu, and Noelio Oliveira Dantas. The Journal of Physical Chemistry C 2021 125 (12), 6805-6811. https://doi.org/10.1021/acs.jpcc.0c09813

Contato dos autores correspondentes: Profa Anielle Christine Almeida Silva – acalmeida@fis.ufal.br. Prof. Noelio Oliveira Dantas – noelio@fis.ufal.br.