Mais duas universidades participam do programa University Chapters da SBPMat.


Membros e tutor do UC da UFMS.
Membros e tutor do UC da UFMS.

A partir deste mês de março, com a incorporação de uma unidade de University Chapter (UC) na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), as cinco regiões do Brasil estão presentes no mapa dos UCs da SBPMat. Além disso, o mapa do programa ganha um novo ponto no estado de São Paulo, mediante a participação de uma equipe no campus São José dos Campos da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

O programa UCs, que agora conta com 11 unidades, congrega equipes de estudantes de graduação e pós-graduação de universidades brasileiras em torno de atividades complementares à formação acadêmica.

De acordo com o presidente do UC da UFMS, o mestrando Gustavo Sander Larios, a criação do UC foi motivada pelo desejo de aumentar a interação entre estudantes de diferentes laboratórios, departamentos e grupos de pesquisa. Nesse sentido, a equipe da UFMS, que é formada por estudantes de graduação, mestrado e doutorado das áreas de Ciência dos Materiais, Física e Química, vai estimular a organização de seminários e encontros científicos envolvendo membros do UC e pesquisadores da SBPMat. “Pretendemos promover atividades que estimulem o desenvolvimento do conhecimento científico, perante as tendências nacionais e internacionais de pesquisas, proporcionadas através da interação entre os membros do UC”, completa Larios. O tutor desta unidade é o professor Cícero Rafael Cena da Silva.

Membros e tutor do UC da UNIFESP - São José dos Campos.
Membros e tutor do UC da UNIFESP – São José dos Campos.

No UC da UNIFESP de São José dos Campos, o principal objetivo é disseminar a Engenharia e Ciência de Materiais entre universitários de toda a região do Vale do Paraíba e também na sociedade como um todo, contam a mestranda Verônica Ribeiro dos Santos, presidente da unidade, e o professor Manuel Henrique Lente, tutor do UC. A equipe pretende “desvendar o conceito de Engenharia de Materiais, uma vez que para muitos ainda é uma incógnita, visto a grande diversidade de áreas de atuação que o profissional desta esfera é capaz de exercer”. De acordo com a mestranda e o professor, o grupo aspira, no futuro, tornar o UC uma fonte extracurricular de conhecimento científico e tecnológico e ampliar o número de membros. Algumas das atividades que a equipe pretende promover são: ciclos de seminários envolvendo estudantes e pesquisadores da UNIFESP e outras instituições; palestras de representantes de agências de apoio à C&T, entidades de classe, setores industriais etc.; visitas técnicas a institutos de P&D, empresas e incubadoras; cursos de verão; palestras de divulgação em escolas de ensino médio. Para realizar as atividades, o UC conta com uma populosa equipe de 24 estudantes de graduação (Bacharelado em Ciência e Tecnologia e Engenharia de Materiais), três de mestrado e um de doutorado (Pós-graduação em Engenharia e Ciência de Materiais, PPGECM), todos da UNIFESP.

Conheça o Programa UCs da SBPMat e as onze unidades que possui até o momento nos estados de Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Sul e São Paulo: http://sbpmat.org.br/university-chapters/

Novo University Chapter da SBPMat é estabelecido na UFPE.


UC da UFPE: tutor, diretoria estudantil e alguns integrantes da unidade.
UC da UFPE: tutor, diretoria estudantil e alguns dos integrantes da unidade.

O programa University Chapters (UCs) da SBPMat inicia 2019 com um novo integrante, o UC da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Com a criação desta unidade, o programa passa a contar com nove UCs distribuídos nas regiões sul, sudeste, nordeste e norte do país.

A equipe interdisciplinar do novo UC reúne 15 estudantes (três de graduação, cinco de mestrado e sete de doutorado) de cursos de Química, Ciências Biológicas e Ciência dos Materiais da UFPE. O tutor da unidade é o professor Petrus d´Amorim Santa Cruz Oliveira.

“O que nos motivou a criar nosso UC foi a necessidade de explorar o mundo da Ciência de Materiais, reinventando novos caminhos para ampliar e aproximar pessoas de todas as partes, desta forma diversificando e fortalecendo a nossa formação cada vez mais”, diz Karolyne Santos da Silva, presidente do UC. “Nossa expectativa maior é despertar o jovem para a ciência, mostrando que há possibilidades de ser inovador e de ter a oportunidade de vivenciar novas experiências com outros pesquisadores”, completa a doutoranda em Ciência de Materiais.

No contexto do programa UCs da SBPMat, a equipe planeja, inicialmente, realizar uma série de eventos: um curso de férias, o I Encontro de Ciência e Engenharia de Materiais de Pernambuco e workshops anuais.

Conheça o Programa UCs da SBPMat e as nove unidades que possui até o momento nos estados de Minas Gerais, Pará, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Sul e São Paulo: http://sbpmat.org.br/university-chapters/

SBPMat anuncia novo coordenador do Programa University Chapters (UCs).


Prof. Newton Martins Barbosa Neto
Prof. Newton Martins Barbosa Neto

O professor Newton Martins Barbosa Neto, da Universidade Federal do Pará (UFPA) é o novo coordenador do Programa University Chapters (UCs) da SBPMat. Ele sucede nessa função ao professor Rodrigo F. Bianchi, que coordenou o programa desde sua criação em 2014.

O objetivo do programa UCs é congregar equipes de estudantes de pós-graduação e graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais e áreas afins, e incentivar e apoiar essas equipes para que realizem atividades complementares à sua formação universitária, como a organização de eventos e a interação com grupos similares do Brasil e do exterior. Oito unidades de UCs foram criadas dentro da SBPMat até o momento.

A diretoria da SBPMat deseja um bom trabalho ao professor Barbosa Neto e agradece ao professor Bianchi pelo trabalho realizado.

Palavras do novo coordenador (Newton Martins Barbosa Neto)

“Assumir a coordenação do programa de University Chapters (UCs) da SBPMat é para mim uma tarefa de grande responsabilidade. Os UCs são pontes necessárias e estratégicas entre a comunidade de materiais de hoje e a do amanhã pois proporcionam aos estudantes, dentro do espírito do aprender fazendo, a oportunidade para evoluir através da troca de experiência e da discussão sobre os problemas relacionados à pesquisa em materiais. Outro aspecto importante dos UCs é que estes dão aos estudantes a oportunidade de desenvolver habilidades de trabalho em equipe, aspecto mais que necessário aos líderes do amanhã em especial em uma área multidisciplinar como a de materiais. É com este espírito, e contando com a participação de nossa comunidade, no Brasil e ao redor do mundo, que acredito no desenvolvimento de um bom trabalho nos próximos anos que venha a dar continuidade ao que já foi feito.

Dentre os principais desafios que temos pela frente temos: 1) Continuar com a política de criação de novos UCs, 2) Promover o aumento de interação entre estes e 3) Organizar de forma efetiva os campos de ação dos UCs. O UCs tem grande potencial de ação em atividades tais como: divulgação científica, promoção de eventos, formação de futuros pesquisadores, dentre outros. Todas essas coisas precisam ser feitas de forma cada vez mais eficiente e sinergética, extraindo o maior número de resultados com o mínimo de recursos disponíveis. Em outras palavras, precisamos fazer o que já fazemos como cientistas de materiais em nossos laboratórios”.

Gente da comunidade: entrevista com Rodrigo Fernando Bianchi.


Rodrigo Fernando Bianchi.

No mês em que o programa University Chapters (UCs) da SBPMat completa 2 anos de existência, entrevistamos seu coordenador, o professor da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) Rodrigo Fernando Bianchi, diretor científico da SBPMat.

Curioso desde criança por compreender os fenômenos da natureza, Rodrigo Bianchi escolheu a Física como área de sua graduação, a qual cursou entre 1992 e 1995 na sua cidade nata, no Instituto de Física de São Carlos da Universidade de São Paulo (IFSC-USP). As oportunidades de pesquisa que foram surgindo o encaminharam para realizar mestrado e doutorado na área de Materiais, também no IFSC-USP, com orientação do professor Roberto Mendonça Faria. Defendeu o mestrado em 1997. No ano 2000, no meio do doutorado, passou seis meses nos Estados Unidos, na Universidade de Carolina do Norte em Chapel Hill, fazendo estágio de pesquisa (conhecido como “sanduíche de doutorado”). Em 2002, obteve o diploma de doutor pelo IFSC-USP.

Desde a época dos estudos de graduação, Bianchi complementava suas atividades acadêmicas com monitorias na USP, até que se tornou docente da instituição, do departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos, em 2004. Em 2006, tornou-se professor do Departamento de Física da UFOP. No mesmo ano, fundou o Laboratório de Polímeros e Propriedades Eletrônicas de Materiais (LAPPEM). De 2011 a 2013, foi pesquisador visitante do departamento de Engenharia Elétrica e Ciências da Computação da Universidade da California em Berkeley, EUA. Entre 2013 e 2014, desempenhou-se como coordenador do Núcleo de Inovação Tecnológica e Empreendedorismo da UFOP.

Desde a criação do LAPPEM, trabalhos de pesquisa e desenvolvimento realizados pelo grupo de pesquisa e colaboradores do laboratório vêm gerando artigos científicos, patentes e empreendimentos, e recebendo distinções em nível nacional. Por exemplo, em 2008, o grupo recebeu o 3º Prêmio Werner von Siemens de Inovação Tecnológica na modalidade “Saúde” e o Prêmio de Incentivo em Ciência e Tecnologia para o SUS, do Ministério da Saúde, pelo desenvolvimento dos neostickers. Criados para serem usados na fototerapia com luz azul com a qual se trata a icterícia neonatal, os neostickers são sensores baseados em material orgânico luminescente que indicam o ponto ótimo de acumulação de radiação azul para o tratamento.

Outro entre vários reconhecimentos ocorreu no início deste ano, quando um empreendimento de membros do LAPPEM criado para levar ao mercado desenvolvimentos do laboratório foi classificado no quarto lugar entre 1.500 startups do Brasil no ranking “100 Open Startups”. Neste caso, o produto destacado foi um adesivo, também baseado em material orgânico luminescente, que permite monitorar o nível de radiação ultravioleta (UV) solar que a pele humana absorve.

Atualmente, e desde 2014, Rodrigo Bianchi é diretor científico da SBPMat. Quando assumiu a diretoria, recebeu a atribuição de criar e liderar o programa University Chapters (UCs) da sociedade, que conta hoje com oito grupos participantes, sediados em universidades de cinco estados brasileiros. Bianchi também é pró-reitor de Planejamento e Desenvolvimento da UFOP e docente permanente dos programas de pós-graduação em Engenharia de Materiais e em Ciências: Física de Materiais.

Bolsista de produtividade do CNPq, nível 2, Bianchi é autor de 7 patentes depositadas e mais de 40 artigos publicados em periódicos indexados internacionaisO professor já orientou 19 dissertações de mestrado e 6 teses de doutorado.

Segue uma entrevista com o pesquisador.

Boletim da SBPMat: – Conte-nos o que levou a se tornar um cientista e a trabalhar na área de Materiais.

Rodrigo Bianchi: – Sempre fui uma criança curiosa na compreensão dos fenômenos da natureza. Essa “curiosidade” tem me acompanhado em toda minha formação como cientista, desde os ciclos básicos e secundários, passando pela graduação em Física pelo Instituto de Física de São Carlos, USP, e pós-graduação em Ciência e Engenharia de Materiais, também pela USP, até as linhas de pesquisa que coordeno na UFOP, em dispositivos eletrônicos poliméricos aplicados à área de saúde. As oportunidades de pesquisa em polímeros que tive desde a graduação me levaram a atuar mais próximo da área aplicada. Consequentemente, da Física migrei para Ciência e Engenharia de Materiais, e hoje me considero um “físico – engenheiro de materiais” com linhas de pesquisa voltadas tanto ao estudo fundamental dos fenômenos de transporte de cargas em dispositivos eletrônicos orgânicos, como também à idealização de sensores aplicados a neonatologia, à área de alimentos e ao monitoramento e controle de radiação.

Boletim da SBPMat: –  Quais são, na sua própria avaliação, as suas principais contribuições à área de Materiais? Não deixe de comentar os casos em que você participou da transformação de conhecimento científico em produtos.

Rodrigo Bianchi: – Sem dúvida, na minha avaliação, a principal contribuição foi utilizar fenômenos que inviabilizavam o mercado dos dispositivos eletrônicos orgânicos, tais como os processos de fotodegradação, que levavam à baixa durabilidade e fraco desempenho de diodos emissores de luz orgânicos (OLEDS), para desenvolver sensores inovadores. Algo como conhecer os princípios de funcionamento e de limitação de dispositivos que ainda estavam em fase de maturação para criar novos sensores com aplicações distintas. Um exemplo dessa estratégia foi o uso da alteração de cor dos OLEDs, gerada pela exposição de oxigênio e luz, que inviabilizava muitas das aplicações comerciais desses sistemas, para desenvolver sensores colorimétricos de radiação na forma de nanofibras, filmes e géis. Ou seja, desenvolver sensores em escala 1, 2 e 3D para uso em diferentes áreas da saúde: do controle da fototerapia para icterícia neonatal ao monitoramento de radiação UV para banhistas e trabalhadores civis e rurais, até o monitoramento dos processos de cobaltoterapia, radioterapia e radiação de alimentos. Assim, estimulados por essas pesquisas, parcerias e orientações, atualmente há, além do nosso grupo na UFOP, outros grupos de pesquisa trabalhando na área, no Brasil e no exterior. Além disso, hoje nosso grupo é composto por físicos, químicos, engenheiros de alimentos, farmacêuticos e diversos estudantes e profissionais focados no desenvolvimento de pesquisas multidisciplinares na área de eletrônica orgânica. O grupo já gerou dezenas de artigos, patentes e orientações, cujo foco sempre foi a compreensão de fenômenos fundamentais para o desenvolvimento de dispositivos orgânicos inovadores. Por essa característica, membros da nossa equipe já foram contemplados com prêmios de inovação importantes, como, por exemplo, os do Ministério da Saúde, da Empresa Siemens e do Governo do Estado de Minas Gerais.

Do ponto de vista tecnológico, a startup As31 criada pelos estudantes para comercializar esses produtos foi classificada recentemente em quarto lugar no ranking das 100 Open Startups brasileiras, e tem se reunido periodicamente com grandes empresas para estabelecer parcerias B2B (business-to-business) para lançar produtos no mercado. Essa foi a segunda startup criada por membros do nosso grupo de pesquisa. Como lição tiramos que as dificuldades encontradas para geração de produtos tecnológicos e inovadores são imensas. Logo, ter uma equipe bem formada e competente do ponto de vista científico e tecnológico é o primeiro passo para se lançar uma startup. Não obstante, ter a coragem de mudar e alterar o rumo da empresa é fundamental. Por exemplo, a As31 tem hoje duas etiquetas inteligentes como carro chefe de produtos: uma para indicar ao consumidor possíveis processos de contaminação de carne in natura, causada por variações de temperatura em prateleira, e outra, por sua vez, para indicar quando os banhistas, sobretudo crianças, devem reaplicar o filtro solar. Ou seja, duas aplicações que surgiram da observação dos problemas dos OLEDs há mais de dez anos e que hoje são atualíssimas.

Boletim da SBPMat: – O programa University Chapters (UCs) da SBPMat, que você coordena desde o início, comemora dois anos de existência neste mês. Compartilhe conosco sua avaliação pessoal dos resultados conseguidos até o momento e conte-nos quais são seus planos para o programa daqui para frente.

Rodrigo Bianchi: – Sobre o programa UC da SBPMat, digo que foi um enorme prazer participar dessa criação e empreitada. Estabelecer uma rotina de trabalho e de envolvimento de estudantes que serão o futuro da área de Materiais no país não é um desafio simples e fácil. Ao contrário, hoje temos grupos de Materiais espalhados e concentrados em todas as regiões do país, de norte a sul, de leste a oeste. Logo, unir esses estudantes numa causa única e, consequentemente, propiciar a eles seu valor na sociedade é de grande importância. Como fazer isso? Nossa estratégia foi estimular os estudantes a formarem seus grupos, e para isso foram inúmeras palestras e divulgações dos UCs por todo o país. Uma vez criada o programa UC, o mais importante foi estimular os estudantes a organizarem um simpósio no encontro anual da SBPMat, no qual os estudantes passassem a ter o papel de protagonistas na sociedade, envolvendo-se tanto na escolha da programação, como também na organização do evento. Uma inovação, pois desconheço outra entidade de Materiais que tenha propiciado tal oportunidade até este momento. Isso aconteceu no Rio de Janeiro em 2015 e foi evidente o sucesso da ação e do envolvimento dos estudantes. Foram palestras científicas de altíssimo nível envolvendo não apenas temas de Materiais e de ciência, mas também ética e escrita científica, por exemplo. Ou seja, temas de interesse direto dos estudantes que serão o futuro da área de Materiais do país. Para o próximo encontro, em Campinas, os estudantes já se organizaram para coordenar novamente este simpósio. Como futuro? A resposta é estimular a formação de novos grupos, a interação entre os estudantes e consolidar a participação de todos na SBPMat.

Boletim da SBPMat: – Sempre convidamos os entrevistados desta seção do boletim a deixarem uma mensagem para os leitores que estão iniciando suas carreiras científicas. Gostaria de falar algo em particular para esses futuros cientistas/ cientistas juniores?

Rodrigo Bianchi: – Como mensagem final aos leitores, sobretudo aos mais jovens: “a área de Materiais é riquíssima e nos dá a oportunidade de interagir com profissionais e temas das mais diversas áreas do conhecimento. Portanto, usufrua dessa importante característica. Junte-se a pessoas competentes e motivadoras, e tenham a coragem de inovar e trazer suas ideias ao mercado. O Brasil precisa disso e você pode fazer a diferença!”

Notícias da SBPMat: Interações internacionais em reuniões em San Francisco.


“Golden Gate Bridge, SF (cropped)” by Bernard Gagnon – Own work. Licensed under CC BY-SA 3.0 via Wikimedia Commons.

Entre 6 e 10 de abril deste ano, o professor Roberto Mendonça Faria, presidente da nossa SBPMat, esteve em San Francisco (Califórnia, Estados Unidos), participando do “2015 MRS Spring Meeting”, um dos dois encontros anuais da Materials Research Society (MRS). Na ocasião, representando a SBPMat, o professor Faria realizou uma série de reuniões.

Numa delas, participaram o presidente, a vice-presidente e o diretor executivo da MRS, respectivamente, Oliver Kraft, Kristi S. Anseth e Todd M. Osman. Nessa reunião, os diretivos das duas sociedades acordaram a continuidade do contrato que disponibiliza as publicações da MRS aos sócios da SBPMat e discutiram formas de estabelecer colaborações entre os programas University Chapters de ambas as sociedades. Além disso, o presidente da SBPMat convidou os três diretivos da MRS a participarem do décimo quarto encontro da sociedade.

Em outra reunião, participaram, além do professor Faria, o professor Robert Chang, secretário geral da International Union of Materials Research Societies (IUMRS), e o professor José Alberto Giacometti, membro do Conselho da SBPMat. Os três professores definiram que serão coorganizadores do “simpósio U” do XIV Encontro da SBPMat, intitulado “Importance of social implications of nanotechnologies in Science popularization“. O simpósio já conta com dois palestrantes convidados: Guillermo Foladori (Universidad Autónoma de Zacatecas, México) e Noela Invernizzi (Universidade Federal do Paraná, Brasil). Na reunião, o professor Chang, que foi plenary speaker no XIII Encontro da SBPMat, confirmou sua presença no encontro deste ano.

Numa terceira reunião, o presidente da SBPMat conversou com representantes do Institute of Physics (IOP), e ambas as partes manifestaram o desejo de levar adiante o projeto da publicação “Science Impact”, a qual, de acordo com o professor Faria, está tendo uma excelente repercussão.

Primeiro University Chapter da SBPMat na região Norte do país.


A equipe do University Chapter de Belém do Pará.

O Programa University Chapters (UCs) da SBPMat conta agora com uma unidade na região Norte do Brasil, mais precisamente na cidade de Belém (PA), na Universidade Federal do Pará (UFPA). Participam desse UC dezessete estudantes de graduação e pós-graduação envolvidos em trabalhos de pesquisa relacionados à Ciência dos Materiais, além de dois professores tutores.

“Ao tomarmos conhecimento do que é o programa University Chapter vimos que a nossa participação seria uma oportunidade singular de termos contato com outros estudantes da área e com isso aumentarmos nossa troca de experiências com alunos de outras instituições que, assim como nós, atuam na área de Materiais”, diz o presidente do UC, o doutorando Gregório Barbosa Corrêa Júnior. De acordo com ele, a partir deste ano, o UC vai organizar eventos como workshops e escolas. “Esperamos também obter uma visão global do que vem a ser nosso ramo de atuação científica e com isso ter uma ideia sólida das oportunidades e das perspectivas profissionais oferecidas pela área”, completa.

Conheça o Programa University Chapters da SBPMat  e as seis unidades que possui até o momento nos estados de Minas Gerais, Pará, Piauí, Rio Grande do Sul e São Paulo: http://sbpmat.org.br/university-chapters/

Biomateriais em pauta em evento realizado pelo UC de Bauru.


A sétima reunião do UCB contou com a participação de pesquisadoras do exterior.

Uma das cinco unidades atuais do Programa University Chapters da SBPMat, o University Chapter Biomaterials (UCB), sediado na cidade de Bauru (SP), realizou sua sétima reunião mensal na manhã de 19 de novembro no campus da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Na ocasião, duas pesquisadoras estrangeiras que estavam na cidade proferiram seminários, convidadas pelos participantes do UC.

A professora Ana Maria Pires Pinto, da Universidade de Minho (Portugal) falou sobre novos conceitos para aplicações biomédicas de compósitos de matriz metálica. Na sequência, a nanomedicina in situ foi tema do seminário da professora Tolou Shokuhfar, vinda da Universidade Tecnológica de Michigan (Estados Unidos).

“Os pesquisadores tiveram contato com o nosso grupo e tivemos grandes elogios por parte deles”, conta Diego Rafael Nespeque Correa, presidente do UCB e doutorando no programa de pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais da UNESP. “Conseguimos manter um ambiente de frutíferas discussões científicas e divulgação da sociedade”, completa.

Facebook do UCB: https://www.facebook.com/universitychapterbiomaterial

Sobre o Programa University Chapters da SBPMat: http://sbpmat.org.br/university-chapters/

Primeiro UC gaúcho na SBPMat.


Integrantes do novo UC na Universidade de Caxias do Sul (UCS), no Rio Grande do Sul.

O Programa University Chapters da SBPMat conta, desde final de outubro deste ano, com sua primeira unidade no Rio Grande do Sul. Sediado na Universidade de Caxias do Sul (UCS), este UC tem 14 participantes, ligados à própria UCS, à Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e à Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

“A possibilidade de gerar novas parcerias e agregar conhecimentos foi o que motivou, não só a mim, mas a todos que fazem parte do nosso UC”, conta Bruna Louise Perotti, estudante de Engenharia Mecânica e bolsista de iniciação científica ligada ao programa de pós-graduação em Engenharia e Ciência do Materiais da UCS, que preside o UC. O grupo tem planos para o próximo semestre: organizar palestras e seminários (inicialmente com professores locais e, posteriormente, com convidados externos) e realizar eventos científicos para promover a interação e colaboração entre os grupos de pesquisa envolvidos, gerar inovação nos trabalhos e ajudar a divulgá-los.

Conheça o Programa University Chapters da SBPMat: http://sbpmat.org.br/university-chapters/

Primeira reunião dos University Chapters da SBPMat: participação, autonomia, crescimento e muitas outras possibilidades para os jovens dos Materiais.


O presidente da SBPMat abriu a primeira reunião do Programa University Chapters.

“Quero que percebam a importância do trabalho de vocês para o desenvolvimento do nosso país”, disse o presidente da SBPMat, professor Roberto Mendonça Faria (IFSC – USP), aos cerca de 30 estudantes de graduação e pós-graduação presentes no Centro de Convenções de João Pessoa para participar da primeira reunião do Programa University Chapters (UCs) da SBPMat. Realizada na tarde de 29 de setembro de 2014, a reunião contou com representantes dos UCs já criados e interessados em formar parte do programa.

O programa UCs tem por objetivo principal congregar estudantes que atuam na área de Materiais em equipes organizadas e formalmente vinculadas à SBPMat, e auxiliar esses grupos, inclusive financeiramente, a realizar atividades complementares a sua formação acadêmica.  Lançado no início de 2014, o programa já começou a desenhar o mapa que pretende conectar grupos das diversas e distantes regiões do Brasil – o 5º maior país do mundo, vale lembrar. Até o momento do evento, quatro chapters tinham sido criados nos estados de Minas Gerais, Piauí e São Paulo.

Encarregado de abrir a reunião, o professor Faria destacou que o Brasil é um país muito rico em matéria-prima, mas que não consegue agregar muito conhecimento em cima dela. “Porém, é esse valor econômico, social e intelectual que eleva o padrão de vida da sociedade”, frisou, lembrando ainda o grande impacto que a área de Materiais, em particular, pode ter no desenvolvimento de uma nação. Para finalizar, o presidente da SBPMat afirmou que, atuando nos university chapters, os jovens se sentirão mais ativos e participativos, não apenas na SBPMat, mas na sociedade brasileira em geral.

Rodrigo Bianchi, responsável pelo programa, coordenou a reunião.

Em seguida, o professor Rodrigo Bianchi (UFOP), diretor científico da SBPMat encarregado do Programa UCs, deu alguns exemplos de atividades que poderiam ser realizadas pelos chapters: um curso de escrita científica para estudantes de Materiais, uma palestra de um cientista de renome internacional numa universidade brasileira, um programa de estágios junto a uma empresa, visitas a outras unidades do programa, intercâmbios com membros de UCs de outros países, simpósios para promover as colaborações científicas entre os UCs… , entre muitas outras iniciativas.

Bianchi também comentou com os presentes algumas interações iniciadas com os programas de university chapters das sociedades de pesquisa em Materiais do México, onde o programa ainda é incipiente, como no Brasil, e dos Estados Unidos (a MRS), que, 15 anos após a criação do programa, possui mais de 80 chapters. “Vários ex-membros de university chapters são hoje lideranças na área de Materiais nos Estados Unidos”, destacou o coordenador.

A palavra, com os jovens

Na segunda parte da reunião, cada um dos UCs da SBPMat foi apresentado por seu presidente ou por algum representante. Larissa Arruda, secretária do UC de Biomateriais, que congrega estudantes da pós-graduação em Materiais da UNESP- Bauru e da Faculdade de Odontologia da USP, apresentou um grupo bem ativo, que tem realizado uma reunião por mês desde sua criação em abril deste ano.

Presidente do UC de Ouro Preto (MG), Mariane Murase destacou a composição multidisciplinar de seu grupo, composto por estudantes de graduação e pós-graduação em Física, Química e Engenharia. “Vejo o programa como uma oportunidade de crescer pessoal e profissionalmente e de interagir com a sociedade”, disse Mariane, que manifestou interesse em desenvolver ações de divulgação científica nas escolas.

Outra cidade mineira, Juiz de Fora, também já tem seu UC da SBPMat, presidido por Jefferson Martins. O grupo está interessado em realizar palestras, seminários e workshops na universidade. Jefferson acredita que a experiência do UC levará amadurecimento a seus membros e lhes permitirá compreender melhor como funcionam os processos dentro das instituições.

Vinda da cidade de Teresina (PI), Layane de Almeida contou que o UC que preside, chamado UNICHAPI, já realizou seu primeiro encontro e tem um site web em construção. Layane enxerga no UC uma possibilidade de estreitar as relações entre a indústria e a universidade – uma missão que considera de especial importância na região onde mora. Entre os pontos positivos do programa, a moça destacou a autonomia que os estudantes ganham para realizar as atividades ao receberem as verbas diretamente da SBPMat.

Os participantes da reunião histórica.

Programa de seções universitárias da SBPMat: oportunidades para estudantes.


Foi aprovada por unanimidade pela Diretoria e o Conselho da SBPMat a criação do Programa de Seções Universitárias da sociedade. As seções universitárias, usualmente chamadas de “university chapters” em idioma inglês, são organizações criadas e administradas por estudantes universitários e vinculadas, tipicamente, a sociedades de pesquisa. Um exemplo é o programa da Materials Research Society (MRS).

Na SBPMat, estudantes de programas de pós-graduação vinculados a institutos e departamentos de Materiais, Engenharias, Física ou Química poderão fazer parte do programa. “Por iniciativa própria, os estudantes podem criar organizações com presidente, secretário, tesoureiro etc. e designar um professor tutor”, explica o professor Roberto Mendonça Faria, presidente da nossa SBPMat. Essas organizações ficariam vinculadas à SBPMat e receberiam um orçamento da sociedade para promover eventos na área de Materiais, como palestras e workshops. Os estudantes ligados às seções universitárias da SBPMat teriam acesso a facilidades adicionais para participar dos eventos da SBPMat.

O programa conta com a parceria da MRS. Assim, estudantes das seções universitárias da MRS poderiam receber auxílios para participar dos eventos da SBPMat e vice-versa.

De acordo com o professor Faria, o programa deve ter início no final deste ano ou no início de 2014.

As novidades do programa serão divulgadas em nosso boletim, Twitter e Facebook. Interessados em receber mais informações também podem contatar a secretaria da SBPMat, pelo e-mail secretaria@sbpmat.org.br.