Bolsas FAPESP para doutorado direto.


Unidade / Instituição: Grupo de Materiais Ferroicos (http://www.gmf.ufscar.br/) / Departamento de Física / Universidade Federal de São Carlos / SP-Brasil

O projeto, financiado pela FAPESP – MATERIAIS MULTIFERRÓICOS E FERROELÉTRICOS PARA CONVERSÃO DE ENERGIA: Síntese, Propriedades, Fenomenologia e Aplicações (Processo FAPESP: 2017 / 13769-1), tem bolsas de Doutorado Direto para investigação em:

1) Síntese e Caracterização de Cerâmicas Ferroicas (Ferroelétricas e Multiferroicas) Nanoestruturadas Sinterizadas Via “Spark Plasma Sintering – SPS.

2) Efeito de Diferentes Fases Magnéticas nas Propriedades de Acoplamento Magnetoelétrico em Nanoestruturas de (K0.5Na0.5)NbO3/(CoFe2O4, NiFe2o4 ou BaFe12O19) obtidas por Deposição Física.

Da Bolsa: http://www.fapesp.br/bolsas/dd

As bolsas de Doutorado Direto destinam-se a alunos regularmente matriculados em programas de pós-graduação stricto sensu de instituições públicas de ensino superior ou privadas do Estado de São Paulo, graduados ou inscritos em programa de Mestrado, para o desenvolvimento do projeto de pesquisa que resulte em tese.

A FAPESP, na análise das solicitações de bolsa de doutorado, prioriza candidatos que tenham recém-concluído a graduação ou, excepcionalmente, iniciando o mestrado, dentro do prazo normal de sua duração do curso, com excelente histórico escolar e, preferencialmente, com experiência comprovada de estágio de iniciação científica.

Data limite para inscrições: 22/02/2019

Aplicação:

O pedido deve ser encaminhado para o Grupo de Materiais Ferroicos / Departamento de Física / Universidade Federal de São Carlos / SP-Brasil, referência “Candidato a Bolsa de Pós-Doutorado – SPS Nano ou Heteroestruturas Magnetoelétricas”, para o seguinte endereço: gmf@ufscar.br.

Os candidatos interessados devem enviar os seguintes documentos (como um único arquivo PDF):

  1. a) Histórico Escolar completo de graduação (incluindo reprovações, quando for o caso);
    b) Currículo Vitae (com link para o Currículo Lattes do CNPq, atualizado);
    c) Nome e e-mail de 3 (três) docentes que possam fornecer referências sobre o(a) candidato(a).

Observações: 

1) A(o) candidata(o) deverá estar inscrito ou no processo seletivo do Programa de Pós-Graduação em Física do DF/UFSCar ou no Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais do DEMa/UFSCar.
2) Para passar à condição de bolsista o(a) candidato(a) deverá ter sido aceito pelo Programa de Pós Graduação e sua indicação aceita pela FAPESP. O tempo necessário para a avaliação da proposta pela FAPESP é de cerca de 3 meses.

Oportunidade de bolsa de pós-doutorado (Fapesp) no IQSC da USP.


Resumo

O Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da Universidade de São Paulo (USP) está oferecendo uma bolsa de pós-doutorado vinculada ao Projeto Temático – FAPESP “Estudo e aplicação da tecnologia eletroquímica para a análise e a degradação de interferentes endócrinos: materiais, sensores, processos e divulgação científica” coordenado pelo Prof. Dr. Marcos Lanza (Processo 2017/10118-0).

Neste projeto de pesquisa pretende-se desenvolver, avaliar e aplicar novos materiais em processos eletroquímicos (e associados) para a degradação eletroquímica de compostos com atividade de interferência endócrina (interferentes endócrinos), avaliando-se a eficiência desses processos e a identificação de subprodutos de degradação. Além disso, o projeto prevê o desenvolvimento de sensores eletroquímicos de análise para este tipo de composto e a divulgação científica dos conhecimentos produzidos tanto no meio científico quanto para a sociedade em geral, com atenção especial para alunos de escolas públicas.

Requisitos

O(a) candidato(a) deverá atuar no desenvolvimento e aplicação de novos materiais eletródicos suportados sobre matriz de carbono (eletrocatalisadores) para a eletrogeração de H2O2 in situ, a partir da reação de redução de oxigênio, a serem aplicados em células e reatores eletroquímicos voltados para degradação de compostos orgânicos com atividade de interferência endócrina.

Os requisitos desejáveis para o(a) candidato(a) são: (1) conhecimento de técnicas de análise morfológico-estrutural e técnicas eletroquímicas para a  análise de eletrocatalisadores;  (2) conhecimento de processos eletroquímicos oxidativos avançados (PEOA) de degradação de compostos orgânicos, assim como noção de técnicas instrumentais de análise química.

O(a) candidato(a) deve ter disponibilidade imediata para residir em São Carlos/SP e ter concluído o doutorado há menos de 7 anos.

Caso seja selecionado, o candidato terá uma bolsa de pós-doutorado da FAPESP (http://www.fapesp.br/bolsas/pd) no valor mensal de R$ 7.174,80 por 24 meses, havendo a possibilidade de auxílio financeiro para o deslocamento e a instalação.

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo é uma das principais agências de fomento à pesquisa científica e tecnológica do país. Com autonomia garantida por lei, a FAPESP está ligada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação.

As inscrições deverão ser feitas através do e-mail marcoslanza@usp.br para o supervisor, Prof. Dr. Marcos Lanza, até o dia 05/12/2018. Devem ser anexados ao e-mail os seguintes documentos:

1) Curriculum Vitae contendo a formação acadêmica e publicações (máximo de 4 páginas). A experiência nas áreas de Química de Materiais (e áreas correlatas)  e Eletroquímica deve ser comprovada por meio de publicações em periódicos científicos internacionais.

2) Carta do(a) candidato(a) justificando o interesse sobre a vaga (máximo de 200 palavras).

3) Duas (2) cartas de recomendação de pesquisadores indicando o nome e o e-mail institucional .

4) Plano de trabalho descrevendo uma (1) proposta de pesquisa envolvendo o seguinte tópico: Produção e caracterização novos materiais eletrocatalisadores suportados em carbono para a eletrogeração de H2O2, a partir da reação de redução de oxigênio, visando a aplicação em Processos Eletroquímicos Oxidativos Avançados (PEOA) de degradação de compostos orgânicos com atividade de interferência endócrina.

Na proposta deverá constar uma breve introdução e a descrição das estratégias para a obtenção dos resultados, referências bibliográficas e periódicos internacionais de interesse para submissão (máximo de 10 páginas).

 

 

 

Oportunidade de bolsas de doutorado direto FAPESP em Eletroquímica Ambiental.


Resumo

A equipe de pesquisadores do Projeto Temático – FAPESP intitulado “Estudo e aplicação da tecnologia eletroquímica para a análise e a degradação de interferentes endócrinos: materiais, sensores, processos e divulgação científica” (Processo 2017/10118-0) está oferecendo 4 (quatro) bolsas de DoutoradoDireto da FAPESP. Neste projeto de pesquisa pretende-se desenvolver, avaliar e aplicar novos materiais em processos eletroquímicos (e associados) para a degradação eletroquímica de compostos com atividade de interferência endócrina (interferentes endócrinos), avaliando-se a eficiência desses processos e a identificação de subprodutos de degradação. Além disso, o projeto prevê o desenvolvimento de sensores eletroquímicos de análise para este tipo de composto e a divulgação científica dos conhecimentos produzidos tanto no meio científico quanto para a sociedade em geral, com atenção especial para alunos de escolas públicas.

Orientação Geral

As bolsas de doutorado direto destinam-se a alunos regularmente matriculados em programas de pós-graduação stricto sensu de instituições de ensino superior públicas ou privadas do Estado de São Paulo, sem o título de mestre, para o desenvolvimento de projeto de pesquisa que resulte em tese. Tendo em vista que as bolsas de pós-graduação visam principalmente a formação de novos quadros para o sistema de pesquisa do Estado, a FAPESP, na análise das solicitações de bolsa de doutorado direto, prioriza candidato que tenha recém-concluído a graduação, dentro do prazo normal de sua duração com excelente histórico escolar e, preferencialmente, estágio bem sucedido de iniciação científica. Referência: http://www.fapesp.br/bolsas/dd

São 4 (quatro) bolsas de doutorado direto vinculadas ao Projeto Temático, sendo oferecida uma (1) bolsa em cada um dos seguintes temas:

Tema I

Desenvolvimento de novos materiais eletrocalisadores para a aplicação em Processos Eletroquímicos Oxidativos Avançados (PEOA) de degradação de compostos orgânicos com atividade de interferência endócrina.

Orientador: Prof. Dr. Marcos R. V. Lanza

Instituição: Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da USP

Local: São Carlos / SP

Tema II

Avaliação e aplicação de eletrodos de misturas de óxidos e de diamante dopado com boro para a degradação de compostos orgânicos com atividade de interferência endócrina.

Orientador: Prof. Dr. Artur de Jesus Motheo

Instituição: Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da USP

Local: São Carlos / SP

Tema III

Síntese, avaliação e aplicação de eletrodos de filmes de diamante dopados com boro para a degradação de compostos orgânicos com atividade de interferência endócrina.

Orientadora: Profa. Dra. Neidenei Gomes Ferreira

Instituição: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) do MCTI

Local: São José dos Campos / SP

Tema IV

Preparação, caracterização e utilização de eletrodos a base de carbono modificado com materiais avançados para a geração eletroquímica de H2O2 a partir da reação de redução de oxigênio e a sua aplicação na degradação de interferentes endócrinos.

Orientador: Prof. Dr. Mauro Coelho dos Santos

Instituição: Universidade Federal do ABC (UFABC)

Local: Santo André / SP 3

 

Inscrições

Os(as) candidatos(as) deverão entrar em contato diretamente o pesquisador responsável por um dos temas apresentados até o dia 05/12/2018 declarando o interesse na vaga e enviando os documentos requeridos:

TEMA I Prof. Dr. Marcos R. V. Lanza (marcoslanza@usp.br):

1) Histórico Escolar completo de graduação;

2) Currículo Vitae (ou link para o Currículo Lattes do CNPq);

3) Nome e e-mail de 3 (três) docentes que possam fornecer referências sobre o(a) candidato(a);

4) Preencher o formulário disponível no link https://drive.google.com/open?id=1_sGk8bgWPtMgCpVSRe8psNY9eHbz5Wr , devendo o(a) candidato(a) perfazer no mínimo 10 pontos para o ingresso no Programa de Pós-Graduação em Química do IQSC/USP.

Observações:

a) Na modalidade Doutorado-Direto, com bolsa FAPESP e perfazendo no mínimo 10 pontos, o(a) candidato(a) será aceito(a) no Programa de PósGraduação em Química do IQSC/USP.

b) O(a) candidato(a) passará à condição de bolsista após sua indicação aceita pela FAPESP. Maiores informações poderão ser obtidas no site do Serviço de Pós-Graduação do IQSC: http://spgr.iqsc.usp.br

TEMA II Prof. Dr. Artur de Jesus Motheo (artur@iqsc.usp.br):

1) Histórico Escolar completo de graduação;

2) Currículo Vitae (ou link para o Currículo Lattes do CNPq);

3) Nome e e-mail de 3 (três) docentes que possam fornecer referências sobre o(a) candidato(a);

4) Preencher o formulário disponível no link https://drive.google.com/open?id=1_sGk8bgWPtMgCpVSRe8psNY9eHbz5Wr , devendo o(a) candidato(a) perfazer no mínimo 10 pontos para o ingresso no Programa de Pós-Graduação em Química do IQSC/USP.

Observações:

a) Na modalidade Doutorado-Direto, com bolsa FAPESP e perfazendo no mínimo 10 pontos, o(a) candidato(a) será aceito(a) no Programa de PósGraduação em Química do IQSC/USP.

b) O(a) candidato(a) passará à condição de bolsista após sua indicação aceita pela FAPESP. Maiores informações poderão ser obtidas no site do Serviço de Pós-Graduação do IQSC: http://spgr.iqsc.usp.br

TEMA III Profa. Dra. Neidenei Gomes Ferreira (neidenei.ferreira@inpe.br):

1) Histórico Escolar completo de graduação;

2) Currículo Vitae (ou link para o Currículo Lattes do CNPq);

3) Nome e e-mail de 3 (três) docentes que possam fornecer referências sobre o(a) candidato(a);

4) O primeiro passo para a inscrição é realizar um cadastro no site do INPE. Para isso, basta acessar o link “Inscrição para Pós-Graduação” disponível http://www3.inpe.br/pos_graduacao/. Escolher o curso de Engenharia e Tecnologia Espaciais com área de concentração em Ciência e Tecnologia de Materiais e Sensores (ETE/CMS);

Observações:

a) Na modalidade Doutorado-Direto, com bolsa FAPESP e (a) candidato(a) será aceito(a) após análise e decisão do conselho geral do curso, no Programa de Pós-Graduação em ETE/CMS;

b) O(a) candidato(a) passará à condição de bolsista após sua indicação aceita pela FAPESP. De acordo com o item V, artigo 12 do Regimento ETE/CMS, os alunos aceitos para Doutorado Direto deverão obter 48 créditos, no mínimo, de acordo com os itens II, III e IV. http://www3.inpe.br/pos_graduacao/cursos/ete/arquivos/regimento_ cms_2018.pdf. Maiores informações poderão ser obtidas no site do Serviço de Pós-Graduação do INPE: http://www3.inpe.br/pos_graduacao/

TEMA IV Prof. Dr. Mauro Coelho dos Santos (drmcsa@gmail.com):

1) Histórico Escolar completo de graduação;

2) Currículo Vitae (ou link para o Currículo Lattes do CNPq);

3) Nome e e-mail de 3 (três) docentes que possam fornecer referências sobre o(a) candidato(a);

Observações:

a) Depois de aprovado o candidato e tendo sua bolsa aceita pela Fapesp, o mesmo passará pelos trâmites legais do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia / Química – UFABC para ser aluno regularmente matriculado.

b) O(a) candidato(a) passará à condição de bolsista após sua indicação aceita pela FAPESP.

História da pesquisa em Materiais: 30 aos do LIEC – UFSCar.


O Laboratório Interdisciplinar de Eletroquímica e Cerâmica (LIEC) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) está completando 30 anos de atuação em pesquisa cientifica, desenvolvimento de produtos e processos inovadores, formação de cientistas e atividades de extensão.

A ideia de criar um laboratório interdisciplinar surgiu em 1988, a partir de discussões envolvendo três professores pesquisadores, dois da UFSCar e o terceiro da UNESP – Araraquara, com formações nas áreas de Química, Física e Físico-Química. Tratava-se de Elson Longo da Silva, Luís Otávio de Sousa Bulhões e José Arana Varela (falecido em 2016). “A ideia surgiu porque tínhamos conseguido equipamentos, resultantes de auxílios de agências financiadoras, mas não havia espaço suficiente em nossos respectivos departamentos para aloca-los”, relatou Elson Longo, agora professor emérito da UFSCar, no evento comemorativo ao aniversário do LIEC, realizado no dia 23 de março.

A ideia pôde ser realizada graças a uma parceria com a Companhia Brasileira de Metais e Metalurgia (CBMM) para financiar a construção do prédio que albergaria os equipamentos. A empresa, contou Longo, tinha interesse em que o futuro laboratório desenvolvesse alguns produtos. “Desta sorte, logramos seu apoio para a construção do prédio na UFSCar”, disse Longo.

Logo mais, o laboratório começou a receber estudantes interessados em participar das pesquisas. Os primeiros, lembra Longo, foram Edson Roberto Leite (hoje professor da UFSCar), Carlos Alberto Paskocimas (atualmente na UFRN) Ernesto Chaves Pereira (UFSCar) e Maria Aparecida Zaghete (UNESP). “Pode-se dizer que, ao longo desses 30 anos, foram centenas de estudantes que realizaram seus estudos no LIEC”, disse Longo. Além de estudantes de vários cursos da UFSCar, o LIEC recebeu jovens de outras instituições do Brasil e do exterior para aulas, cursos e trabalhos de pesquisa em todos os níveis de formação.

Parcerias com o setor industrial marcariam a história do LIEC nos anos seguintes. “Os vários temas de pesquisa foram se desenvolvendo e também mudando a partir das reflexões teóricas, dos contatos com várias empresas”, contou Longo. “Friso que não se tratou da produção de um conhecimento reflexo das necessidades empresarias; ao contrário, tais necessidades suscitaram novos modelos interpretativos e diálogos com outras teorias”, esclareceu o professor.

Um dos parceiros industriais de mais longa data é a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), com a qual o laboratório continua trabalhando. Inicialmente, o LIEC ajudou a empresa a eliminar a corrosão que sofria o queimador cerâmico. “A solução desse problema colocou a equipe pesquisando e resolvendo problemas do alto forno, canal de corrida, carro torpedo, conversor etc.”, lembrou Longo.

Outro dos exemplos citados por Longo é o da parceria com a 3M do Brasil. O LIEC colaborou com a empresa na implantação de uma fábrica de varistor em Ribeirão Preto, a uns 100 km de São Carlos. “Essa colaboração nos permitiu abrir outra subárea de pesquisa, por meio da qual, produzimos o primeiro varistor à base de óxido de estanho”, contou o professor emérito.

Paralelamente aos projetos com empresas, o LIEC realizava, desde o início, pesquisas em cerâmica estrutural à base de óxido de zircônia estabilizado com terras raras e metais alcalinos terrosos. Nesse contexto, iniciou-se a colaboração do laboratório com o químico teórico Juan Andrés, professor da Universitat Jaume I (Espanha) – cooperação que já leva 29 anos de existência.

Quanto às atividades de extensão, o LIEC também tem exemplos bem-sucedidos, como o projeto por meio do qual levou conhecimento técnico a artesãos de cerâmica artística de 9 estados brasileiros.

No século XXI, de laboratório multidisciplinar a centro de desenvolvimento de materiais

O ano 2000 foi um ponto de inflexão na trajetória científica do LIEC. O laboratório foi aprovado na chamada de projetos CEPID da FAPESP, passando a se denominar Centro Multidisciplinar para o Desenvolvimento de Materiais Cerâmicos (CMDMC), e tendo garantia de financiamento contínuo por 11 anos. Nesse contexto, foi criada a área de difusão do conhecimento, multiplicaram-se as colaborações internacionais (abrangendo mais de uma dúzia de países), e deu-se apoio à geração de empresas spin-off. Desse ambiente surgiram a Nanox, especializada em nanopartículas bactericidas e a CosmoScience, dedicada à caracterização de cosméticos.

“O LIEC nesse momento iniciou uma profunda modificação nas pesquisas de semicondutores cerâmicos, utilizando o método Pechini”, contou Longo. “Houve um crescimento significativo nas pesquisas em materiais piezoelétricos, sensores, partículas nanométricas e filmes finos para utilização em memórias não voláteis”, disse o fundador do LIEC.

Em 2013, o LIEC foi novamente contemplado com o projeto CEPID da FAPESP, passando a ser denominado Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF). Nesta fase, que se prolonga até a atualidade, a difusão do conhecimento cresceu notoriamente por meio do uso das redes sociais e da elaboração de vídeos, jogos educativos e programas de rádio e televisão. Além disso, pesquisadores do LIEC estabeleceram duas spinoffs, a NChemi Nanomaterials, de nanomateriais, e a Katléia, especializada em diagnóstico capilar. Nas atividades de pesquisa científica, o laboratório tem concentrado esforços na obtenção de nanopartículas semicondutoras com rígido controle da cinética da reação e da morfologia.

No evento do dia 23, o professor Longo agradeceu a todos que construíram e constroem a história do LIEC, à UFSCar e aos órgãos financiadores CAPES, CNPq, FAPESP e FINEP. Finalmente, Longo expressou algumas palavras para as novas gerações de pesquisadores, que darão continuidade ao trabalho. A eles, o professor emérito recomendou que plantem novas sementes para obterem outras colheitas, que criem seus próprios modelos e se reinventem.

A fala do professor emérito finalizou com uma convocatória: “Nestes momentos de crise moral e ética que atravessam o nosso país, aliados a um projeto silencioso de desmonte da pesquisa e do ensino público em todos os níveis, é imprescindível que reunamos energias para muitos enfrentamentos presentes e futuros”.

Na primeira linha, a partir da esqueda, professores Lúcia Mascaro, Ernesto C. Pereira, Edson R. Leite, Elson Longo, Flávio L. Souza, junto com alunos de pós-doutorado, doutorado, mestrado, e iniciação científica e funcionários do LIEC. Foto tirada em 2004, no Departamento de Química da UFSCar
Na primeira linha, a partir da esquerda, professores Lúcia Mascaro, Ernesto C. Pereira, Edson R. Leite, Elson Longo, Flávio L. Souza, junto com funcionários e alunos de pós-doutorado, doutorado, mestrado e iniciação científica do LIEC. Foto tirada em 2004, no Departamento de Química da UFSCar

FAPESP financiará diárias e transporte de pesquisadores para participação no XVI B-MRS Meeting.


Cento e noventa e seis pesquisadores de instituições do estado de São Paulo receberão apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) para participarem do próximo encontro da Sociedade Brasileira de Pesquisa em Materiais (SBPMat), o XVI B-MRS Meeting, que será realizado de 10 a 14 de setembro em Gramado (RS).

A fundação paulista pagará diárias e despesas de transporte a pesquisadores que participaram da solicitação de auxílio coletivo, amplamente divulgada pela SBPMat e os organizadores do evento em abril deste ano. O pagamento será realizado em forma de reembolso, depois da finalização do evento.

Os beneficiados serão contatados até o final deste mês por e-mail com mais informações e instruções. Mais informações: http://sbpmat.org.br/16encontro/fapesp/

A FAPESP é uma das instituições patrocinadoras do XVI B-MRS Meeting. Além disso, apoiam o encontro a CAPES, CNPq, FAPEMIG, UFRGS, periódicos da editora da American Chemical Society (ACS), o Convention & Visitors Bureau da Região das Hortênsias, e vinte e três empresas patrocinadoras, as quais terão estandes na exibição industrial do evento.

 

FAPESP busca empresas parceiras para criar centro de pesquisa em manufatura avançada.


A FAPESP receberá propostas de empresas ou consórcio de empresas interessadas em celebrar acordos de cooperação para constituição do Centro até o dia 8 de agosto de 2017

A FAPESP busca empresas – ou consórcios de empresas – para, juntos, criarem um Centro de Pesquisa em Engenharia na área de Manufatura Avançada, a ser sediado em universidades e/ou instituto de pesquisa de São Paulo.

O Centro terá como objetivo desenvolver tecnologias que viabilizam não só a otimização de plantas fabris como também a extensão de aplicações integradas em toda a cadeia de valor e ciclo de vida do produto, em uma área fundamental para a competitividade da indústria.

As atividades do Centro serão financiadas com recursos da FAPESP, da empresa ou consórcio de empresas e das universidades e institutos participantes. A empresa parceira participará da gestão do Centro de Pesquisa em Engenharia e, junto com a FAPESP, avaliará periodicamente as suas atividades de pesquisa e desenvolvimento.

A FAPESP está recebendo propostas de empresas ou consórcio de empresas interessadas em participar da criação do Centro até o dia 8 de agosto de 2017.

O parceiro selecionado firmará um Acordo de Cooperação Científica e Tecnológica com a FAPESP, qualificando-se para lançar, junto com a Fundação, chamada pública para seleção das instituições interessadas em integrar o Centro de Pesquisa em Engenharia em Manufatura Avançada.

Para mais informações, acesse o Comunicado da FAPESP disponível no endereço: www.fapesp.br/10988

Áreas prioritárias de pesquisa do futuro Centro de Pesquisa em Engenharia em Manufatura Avançada

  1. Manufatura Aditiva (impressão 3D, manufatura híbrida, etc.);
  2. Sistemas ciber-físicos (tecnologias de informação e comunicação, sistemas mecatrônicos para monitorar processos industriais em toda a cadeia de valor);
  3. Redes de Comunicações e segurança cibernética (tecnologias de comunicação entre equipamentos, produtos, sistemas e pessoas);
  4. Sensores e Rastreadores: dispositivos de sensoriamento e rastreabilidade (a exemplo de IoT, RFID e nanosensores);
  5. Virtualização, Modelagem e Simulação (tecnologias que permitem a virtualização da concepção de produtos e processos e sua otimização);
  6. Digitalização (hardware e software para levantamento de dados na cadeia produtiva e sua posterior utilização em processos industriais e empresariais);
  7. Tecnologias de apoio (para apoiar os processos, operações, pessoas e equipamentos, incluindo a realidade aumentada, nanotecnologia e wearables);
  8. Inteligência Artificial, Computação ubíqua, Analytics e Big Data (tecnologias que permitem a automação considerável de processos, incluindo robôs e algoritmos avançados para controlar e processar informações);
  9. Novos Materiais e Materiais inteligentes (incluindo compósitos, ligas leves, biomateriais, nano materiais e materiais para dispositivos portáteis);
  10. Fotônica: ótica avançada, lasers, displays, optoeletrônica e eletrônica flexível.

Centros de Pesquisa em Engenharia já constituídos pela FAPESP

  • Centro de Pesquisas em Engenharia sobre Motores a Biocombustível, em parceria com a Peugeot-Citroën, sediado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) – Mais informações em http://agencia.fapesp.br/20169/.
  • Centro de Pesquisa em Engenharia sobre Química Verde, em parceria com a GSK, com sede na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) – Mais informações em http://agencia.fapesp.br/22274/.
  • Centro de Pesquisa em Engenharia sobre Descoberta de Moléculas para Fármacos, também em parceria com a GSK, no Instituto Butantan – Mais informações em http://agencia.fapesp.br/22274/.
  • Centro de Pesquisa em Gás Natural, em parceria com a BG/Shell, na Universidade de São Paulo (USP) – Mais informações em http://www.rcgi.poli.usp.br/pt-br/
  • Centro de Pesquisa Aplicada sobre Bem-Estar Humano, em parceria com a Natura, na USP – Mais informações em http://agencia.fapesp.br/23447/ e http://www.naturacampus.com.br/cs/naturacampus/post/2016-07/centro-bem-estar-perguntas-respostas

Nota Pública da Sociedade Brasileira de Pesquisa em Materiais (SBPMat).


A diretoria e o conselho da Sociedade Brasileira de Pesquisa em Materiais (SBPMat) conclamam a Assembleia Legislativa de São Paulo e o governador Geraldo Alckmin a reverterem o corte no repasse de recursos para a FAPESP, de 1% para 0,89% da arrecadação do Estado, realizado ao final de 2016 para o orçamento de 2017.

O corte é extremamente preocupante por ao menos dois motivos:

i) trata-se de uma decisão grave e lesiva ao desenvolvimento científico e tecnológico do Brasil. Além disso, esse precedente abre as portas para que novas alterações venham a ocorrer no futuro, dificultando à FAPESP o planejamento de seus investimentos em pesquisas básica e aplicada.  No médio prazo, isso enfraquece a instituição que hoje tem uma estrutura sólida e que serve de modelo a outras similares no país. A admirada FAPESP, no país e no exterior, foi fruto do esforço de todos os paulistas com o apoio dos governantes do estado desde 1960. Graças ao apoio da FAPESP, o Estado de São Paulo é hoje responsável por cerca de metade de toda a produção científica do Brasil, e tem indicadores de desempenho que se aproximam dos países desenvolvidos.

ii) a diminuição em cerca de 10% no orçamento da FAPESP trará prejuízos a centenas de projetos de pesquisa e inovação, assim como à formação de recursos humanos em ciência e tecnologia. O enfraquecimento da atividade de pesquisa, com certeza, acarretará impactos negativos ao desenvolvimento econômico e social do Estado de São Paulo e do Brasil, no médio e longo prazos.

Na expectativa de que o corte possa ser rapidamente revertido, ressaltamos que só o conhecimento pode gerar o desenvolvimento para construir uma sociedade igualitária. Especialmente em momentos de crise, isso somente será obtido investindo-se em educação, ciência, tecnologia e inovação.

A SBPMat se coloca à disposição para apresentar os impactos diretos da FAPESP nas pesquisas em materiais desenvolvidas no Estado de São Paulo, bem como apresentar os efeitos diretos na economia e inclusão social do Estado.

Diretoria e Conselho da SBPMat

Abaixo-assinado pelo repasse de 1% da arrecadação de São Paulo para a FAPESP.


A diretoria e o conselho da Sociedade Brasileira de Pesquisa em Materiais (SBPMat) apoiam o abaixo-assinado da Academia de Ciências do Estado de São Paulo (ACIESP) pelo repasse de 1% da arrecadação de São Paulo para a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). 
 

Pós-doutorado no IPEN em eletrocerâmicas com bolsa FAPESP.


Uma oportunidade de Pós-Doutorado com Bolsa da FAPESP está disponível no Centro de Ciência e Tecnologia de Materiais do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN) da Universidade de São Paulo (USP), que faz parte de um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais – CDMF) apoiado pela FAPESP.

O candidato selecionado integrará a investigação “Estudos de sinterização assistida por campo elétrico em eletrocerâmicas”. A bolsa tem duração de 24 meses, podendo ser prorrogada por mais 12 meses.

Entre as atividades previstas estão experimentos de sinterização por flash, análise de fases estruturais por difração de raios X, análise microestrutural por microscopia eletrônica de varredura e microscopia de varredura por sonda, e análise de fenômenos de transporte por espectroscopia de impedância eletroquímica.

Os experimentos de sinterização por flash serão feitos em dispositivo montado nos laboratórios do IPEN (R. Muccillo e E.N.S. Muccillo, J. Eur. Ceram. Soc. 33,2014, p.515-520).

Os experimentos visam coletar dados para a modelagem e proposição de mecanismos para explicar o fenômeno de sinterização por flash, que possibilita obter corpos cerâmicos densos com tamanho de grão nanométrico, a temperaturas menores que as aplicadas em sinterização convencional.

Interessados devem enviar curriculum vitae destacando habilidades na operação e interpretação de resultados em espectroscopia de impedância eletroquímica de sólidos e sinterização, com no máximo cinco páginas, e duas cartas de recomendação de ex-supervisores por e-mail para Prof. Reginaldo Muccillo (muccillo@usp.br). Mais informações podem ser solicitadas por meio desse endereço de e-mail. Prazo: 15 de Novembro de 2016.

Caso o bolsista resida em domicílio diferente e precise se mudar para S. Paulo, poderá ter direito a um Auxílio-Instalação.

Mais informações sobre a bolsa de Pós-Doutorado da FAPESP estão disponíveis em fapesp.br/bolsas/pd.

José Arana Varela: nota de pesar.


É com profundo pesar que a SBPMat comunica o falecimento do Prof. José Arana Varela, do Instituto de Química da Unesp de Araraquara, no dia 17/05/2016. O Prof. Varela foi um dos fundadores da SBPMat, e seu presidente no período de 2010 a 2011.

A SBPMat se solidariza com a família do Prof. Varela, num dia triste em que a ciência brasileira fica sem um de seus expoentes.

Diretoria da SBPMat


Links relacionados :