Founding President of B-MRS is elected Fellow of the Microscopy Society of America (MSA).


Prof. Guillermo Solórzano
Prof. Guillermo Solórzano

Professor Guillermo Solórzano-Naranjo, one of the leaders in the creation of B-MRS and the first president of the society, was appointed fellow of the Microscopy Society of America (MSA) at the end of February of this year. Thus, Solórzano-Naranjo became the first academic in Latin America with a MSA fellowship status.

This title is intended for senior members of that scientific society who have contributed significantly to the advancement of microscopy and microanalysis. In the case of Professor Solórzano-Naranjo, he was chosen for his excellence in the application of microscopy to solve materials problems, as well as for the service rendered as ambassador for international cooperation through microscopy.

Guillermo Solórzano-Naranjo is a professor in the Department of Chemistry and Materials Engineering at PUC-Rio. He is a member of the board of the International Federation of Societies for Microscopy (IFSM), where he is also the only representative of Latin America. In addition to being founding president of B-MRS, he has served or was a member of executive committees of several scientific entities in the field of microscopy, such as the Brazilian Society of Microscopy and Microanalysis (SBMM), the Brazilian Society of Electronic Microscopy (SBME); Inter American Committee of Societies for Electron Microscopy (IACSEM); International Union of Microbeam Analysis Society (IUMAS). He was also chairman of the seventeenth edition of the International Conference of Microscopy, held in 2010 for the first time in South America.

Solorzano-Naranjo will be honored by MSA at the awards ceremony that will take place at the opening of the M&M2018 event on August 6 in Baltimore (United States).

SBPMat history – interviews with former presidents: Guillermo Solórzano (2001-2003).


Ivan Guillermo Solorzano-Naranjo chaired the first board of the Brazilian Materials Research Society (SBPMat), also composed by directors Fernando Lázaro Freire Júnior, José Arana Varela, Roberto Cerrini Villas Bôas, Elisa Maria Baggio Saitovich and Moni Behar.

This founding board was established during the General Assembly for the Constitution of SBPMat, on June 26, 2001, at the auditorium of RioDatacentro at the Pontifical Catholic University of Rio de Janeiro (PUC-Rio). They held office until 2003.

Born in Ecuador, Solórzano studied and developed his scientific career in many places all over the world. He studied Mechanical Engineering at Escuela Politecnica Nacional in Quito, Ecuador, Metallurgical Engineering at Université Catholique de Louvain, Belgium, and got a degree from PUC-Rio  in Brazil. He held his MSc in Metallurgical and Materials Engineering, also at PUC-Rio, and his PhD in Materials Science at McMaster University, in Canada. Developed postdoctoral research at Max-Planck Institute – Sttutgart campus, in Germany, and was a visiting professor at Institut National Polytechnique of Grenoble -France, Massachusetts Institute of Technology (MIT) and Stanford University (USA). He is a professor in the Department of Materials Engineering at PUC-Rio.

Along with Edgar Zanotto, he led the foundation of SBPMat. He also acted as president of the Inter American Committee of Societies for Electron Microscopy (CIASEM) and of the Brazilian Society of Microscopy and Microanalysis (SBMM), as well as chairman of the International Committee of the Materials Research Society (MRS). Member of several international executive committees, such as the International Federation of Societies for Microscopy (IFSM), as well as editorial boards of international journals, such as Materials Characterization (Elsevier), Journal of Materials Science (Springer), and Microscopy and Microanalysis (Cambridge University Press).

You can read below an interview with the former president of SBPMat, on the performance of the first board of our society.

1. List the main actions carried out over your time as president of SBPMat.

– Carried out successfully the inaugural congress (First SBPMat Meeting), as well as the II SBPMat meeting, the following year.

– Established a standard format for the annual event – based on symposia and unprecedented in the country –, which remains until now.

– Officially registered SBPMat.

– Arranged that SBPMat joined the International Union of Materials Research Societies (IUMRS).

– From the first meeting on, we gave start to collaboration with Materials Research Society (MRS), from the United States, and with E-MRS, from Europe, which has been growing steadier and stronger over time.

– Established the title of “founding members”, with more than 350 members who have received their certificates. We also started a membership campaign for SBPMat, for both professional and student members, reaching over 600 regular members in the second year. In the third meeting, under the chairmanship of Professor Elson Longo, in Foz do Iguaçu, there was a boom in the number of participants of the SBPMat Meeting, with over a thousand researchers and students.

– At the IUMRS meeting, we postulated SBPMat to host the forecoming International Congress on Advanced Materials (ICAM) in Rio de Janeiro. ICAM 2009 was successfully held in Rio de Janeiro, under my coordination.

– We left the society with funds summing up to about BRL 80,000.

2. List the main challenges you faced while directing SBPMat.

– Consolidating SBPMat was a challenge due to the lack of resources and infrastructure; I could rely only on my “part-time” secretary to help me with communication and administrative tasks as they arose, counting also with the help of my students (one of them made the first SBPMat website). However, it was also a time of great enthusiasm, in which I received full support from the Brazilian research community; we were all very driven to secure this endeavor. The funding agencies, CNPq, CAPES, FAPERJ, FAPESP, acknowledged the importance of the initiative and lent their support since the first meeting. I have nothing to complain about, and consider it a privilege to have had this experience of founding a national and interdisciplinary scientific society in Brazil…

3. What do you wish you have done, but could not get to it?

One of my proposals that never went beyond the project phase was the formation of executive committees for specific important activities for the consolidation and growth of the society, such as academic affairs committee; relationship with the industry committee; publications committee; international affairs committee; distinctions and awards committee… Each committee should have a director or coordinator (chairman), who would manage it for a certain time, reporting regularly (usually on the occasion of the meeting of SBPMat), and so on. Moreover, with Brazil being such a huge country, it would be necessary to have regional SBPMat sections with boards duly established and regulated by the statutes of SBPMat. The role of such branch offices would be basically to promote the general goals of SBPMat, but in a regional manner, always aligned with the guidelines of the society (through the Board and Council), thus contributing to strengthening its impact over the scientific community and Brazilian society.

All these ideas would grant more flexibility to the society, and also increase the participation of members of our community. It is important to increase the effective participation of members, particularly young people. We have a great generation of young talented people willing to take part, and they should be invited to do so.

4. What would you highlight about the two SBPMat meetings organized and held over your administration?

– The first SBPMat Meeting had the participation of the American and European MRS, and also of the International Union of Materials Societies (IUMRS). All the presidents of these bodies came to the meeting, which had about 400 participants and five symposia, counting with the presence of national authorities. From an international perspective, it had great representation and visibility.

– We established English as the official language in SBPMat Meetings. This has been increasing the participation of researchers from abroad.

– We reinforced the interdisciplinary nature of the society, reflected in the symposia, where each symposium would have co-chairs from different knowledge areas (i.e., Physics, Engineering, Chemistry, etc.), encouraging the presence of colleagues from abroad. We also established an organizing committee involving scientists from the academic sector, research centers and industry. This structure has been working successfully ever since.

– Both the first and second SBPMat meetings had distinguished international scientists as co-chairs of symposia, such as the President of MRS (Alex King, by that time) and the President of E-MRS (Giovanni Marletta, back then).

5. Would you like to leave a message for the readers about the election process in SBPMat? (importance of participating in elections, be it as voters or candidates, and so on)

I find it of importance, to establish and spread a clear process or program for president election at SBPMat, with two excellent candidates with a history of participation in SBPMat, identified by a search committee, to ensure that the community really takes part in the choice, in the election. The same goes for directors. We should not have only a single candidate for president, nor a single candidate group for the directory board, let alone the possibility of reelection, for these elements undermine the participation of the community. Regard the example given by MRS, where the term of office is of one year, with no reelection.

It should be established an election schedule that makes it possible to know the results of the voting for President, Board and Counselors by the occasion of the SBPMat meeting. This way, the participation of the already elected president at the meeting should facilitate the transition to the new board.

História da SBPMat: Guillermo Solórzano, líder do processo de criação da SBPMat, compartilha lembranças sobre esses primórdios.


Nascido no Equador, Ivan Guillermo Solórzano-Naranjo desenvolveu sua formação e carreira científica em vários lugares do mundo.  Cursou Engenharia Mecânica na Escuela Politecnica Nacional em Quito, Equador, Engenharia Metalúrgica na Université Catholique de Louvain, na Bélgica, e gradou-se pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) no Brasil. Realizou seu mestrado em Engenharia Metalúrgica e de Materiais também na PUC-Rio e doutorou-se em Ciência de Materiais pela McMaster University, no Canadá. Desenvolveu pesquisas de pós-doutorado no Max-Planck Institute – campus Sttutgart, na Alemanha, e foi professor visitante no Institut National Politechnique de Grenoble (França), no Massachusetts Institute of Technology (MIT) e na Stanford University (EUA). É professor no Departamento de Ciência de Materiais e Metalurgia da PUC-Rio.

Entrevistado aqui por seu ter sido um dos principais participantes do processo de criação da SBPMat, Solórzano presidiu nossa sociedade enquanto presidente fundador de 2001 a 2003 e hoje é um de seus conselheiros titulares.  O pesquisador foi também presidente do Inter American Committee of Societies For Electron Microscopy (CIASEM) e da Sociedade Brasileira de Microscopia e Microanálise (SBMM). É chairman do International Committee da Materials Research Society (MRS) e membro de diversas comissões executivas internacionais, assim como de comitês editoriais de revistas científicas internacionais, como a Materials Characterization (Elsevier) Journal of Materials Science (Springer) e Microscopy and Microanalysis (Cambridge University Press).

Veja a seguir as lembranças de Guillermo Solórzano sobre os primórdios do processo de criação da SBPMat, complementando a matéria já publicada sobre o tema, da qual não pôde participar por problemas de agenda.

Boletim da SBPMat (B. SBPMat): – O que o levou, no início do ano 2000, a iniciar os esforços de organização para criar uma sociedade brasileira de pesquisa em Materiais?

Participantes do workshop panamericano, que foi um marco no processo que levou à fundação da SBPMat. (Foto do arquivo pessoal de Guillermo Solórzano)

Guillermo Solórzano (G.S.): – No ano 1999, havia no Brasil comunidades e/ou sociedades e/ou eventos setoriais ou monodisciplinares. Tinha a dos físicos, a dos químicos, a dos engenheiros. A Associação Brasileira de Metalurgia (ABM), por exemplo, que nos anos de 1990 acrescentou a seu nome “e de Materiais”, congregava engenheiros, principalmente metalúrgicos, mas tinha muito pouca participação de físicos, químicos e outros engenheiros, como os eletrônicos, por exemplo. Por outro lado, havia associações monodisciplinares, como a de polímeros e de materiais cerâmicos. Muitas sociedades têm o mérito de sua existência no fato de serem setoriais, mas a área de Materiais é abrangente, interdisciplinar e ampla. Isso já se notava nos anos 1980, e agora é muito evidente. Na época, era a MRS (Materials Research Society) nos EUA a entidade que reunia em seus eventos os últimos avanços da pesquisa em Materiais. Nos dois eventos anuais da sociedade, um em San Francisco e um em Boston, você sempre encontrava brasileiros.

Eu fiquei no MIT (Massachusetts Institute of Technology) alguns anos, em Boston. Pude participar desses eventos e achava muito importante implantar esse tipo de atividade aqui no Brasil. Eu já era professor da PUC-Rio e achava difícil me engajar numa iniciativa dessas que consome muito tempo e esforço. Mas houve uma ocasião em que a National Science Foundation propôs para o a MRS e o CNPq a realização no Brasil de um workshop pan-americano que seria dedicado aos avanços da pesquisa em Materiais. Via-se que, através da pesquisa em Materiais, ia se atingir vários setores estratégicos da sociedade, não apenas para o desenvolvimento econômico, mas também para o social, já que as transformações da sociedade dependem de energia, infraestrutura, comunicações – setores em que os materiais são fundamentais. Em 1995, tinha havido uma reunião desse tipo no México, reunindo os países da América do Norte, e em 1996, um workshop europeu. No Brasil aconteceria a terceira etapa desta iniciativa, a qual reuniria os países do continente americano.

Já tinha havido algumas missões da NSF no Brasil que tinham encontrado grupos de pesquisa em Campinas, Rio de Janeiro e São Paulo, notando que existia uma comunidade importante no Brasil. Então, ao ser contatado, o CNPq acolheu essa iniciativa importante e decidiu fazer esse workshop no Rio de Janeiro. Aí, naturalmente, surgiu a questão de contatar a sociedade de materiais do Brasil, mas… não tínhamos tal sociedade! Assim, para atingir toda essa comunidade, alguém teria que coordenar o esforço. O CNPq me pediu que eu coordenasse o evento e eu convidei o Edgar Dutra Zanotto.

Esse workshop visou avançar a colaboração pan- americana criando mesas de discussão de alto nível em tópicos que na época eram, e ainda são, chave: energia, infraestrutura, transporte, comunicação e educação. Juntamos os experts dos EUA, Brasil, Argentina, Chile, Venezuela e Colômbia. Além de ser um sucesso e dar lugar a programas pan-americanos de pesquisa que existem até agora, esse workshop, que ocorreu em junho de 1998, serviu para perceber que deveríamos ter uma sociedade brasileira de pesquisa em Materiais.

O segundo a partir da esquerda na fila da frente é o professor Solórzano, um dos coordenadores do evento. (Foto do arquivo pessoal de Guillermo Solórzano)

B. SBPMat: – Nesse momento você tinha em mente quais seriam os próximos passos para a criação da sociedade? Como prosseguiu a história?

G.S.: – Em primeiro lugar, eu queria identificar a comunidade representativa de Materiais no Brasil. Para isso, contatei o CNPq e pedi uma lista dos pesquisadores que estavam nos conselhos e comitês assessores e dos bolsistas de produtividade das áreas de Materiais, Física e Química. A lista tinha uns 300 nomes. A eles enviei uma carta assinada junto a Zanotto propondo uma discussão para criar uma sociedade. Só duas pessoas questionaram; todos os outros foram muito entusiastas. Além disso, sabendo que todo ano tinha 40 a 50 brasileiros no congresso de Boston da MRS, solicitei ao presidente da MRS em 1999 que me mandasse a lista dos brasileiros que participavam do congresso e pedi se podia fazer uma reunião lá em Boston durante o evento.  A MRS me enviou a lista e cedeu uma sala, cafezinho, e toda a infraestrutura para que eu pudesse receber esses brasileiros. Fizemos a reunião em Boston, num clima de muito entusiasmo. Com esse feedback, quando voltei de Boston convidei o Zanotto a dar corda à iniciativa e fizemos uma carta convidando toda a comunidade a fazer parte da discussão. Além disso, eu fiquei um ano fazendo reuniões em diversas cidades. Pagava por conta própria, aproveitando as oportunidades. Onde tinha um congresso que eu pudesse aproveitar, eu ia.  Um exemplo foi o Encontro de Física da Matéria Condensada em São Lourenço, que reuniu cerca de 2 mil físicos. Quem me apresentou foi o Sergio Rezende, que era o chairman. Nas minhas viagens sempre tinha alguém influente daquele lugar que chamava todo mundo a participar. Como não tinha financiamento, não pude ir até Recife, mas pedi ao Sergio Rezende que fizesse a reunião. Ele a fez e me disse que a ideia tinha sido muito bem recebida.

Ai, para dar uma consistência maior à questão, eu propus a criação de uma comissão interdisciplinar de Materiais que congregava personalidades científicas reconhecidas no país, oriundas da Física, Química e Engenharia, como Aldo Craievich e Evandro Mirra, entre vários outros. Juntos fizemos visitas a eventos importantes.

Nesse momento, como não tínhamos nem um tostão, surgiu a ideia de estabelecer a possibilidade de ser sócio fundador.  Esses sócios fundadores pagariam uma soma pequena, uma primeira anuidade, algo em torno de 40 reais, e os membros da comissão interdisciplinar algo assim como o dobro, e com isso teríamos uma caixinha para dar início a algumas atividades. Houve uns 400 sócios fundadores, todos receberam um diplominha. Dessa maneira conseguimos os primeiros recursos financeiros da SBPMat.

História da pesquisa em Materiais: O I Encontro da SBPMat.


De 7 a 10 de julho de 2002, no hotel Pestana Rio Atlântida, frente à praia de Copacabana (Rio de Janeiro), ocorria o encontro inaugural da recém-fundada Sociedade Brasileira de Pesquisa em Materiais, o I Encontro da SBPMat. O evento reuniu cerca de 400 cientistas – um número muito positivo para um primeiro evento, como destaca o professor Guillermo Solórzano (PUC-Rio), então presidente da SBPMat e líder da organização do encontro.

Além do mérito de reunir uma quantidade significativa de participantes, o I Encontro da SBPMat conseguiu transmitir o espírito da SBPMat, já presente na gênese da sociedade, por meio de suas duas características principais, a internacionalização e a interdisciplinaridade.

Caráter internacional e interdisciplinar

Vários aspectos contribuíam ao caráter internacional do evento. Os 400 cientistas participantes eram originários de 18 países diferentes. A comissão organizadora de programa incluía os presidentes das sociedades de pesquisa em Materiais dos Estados Unidos (MRS) e da Europa (E-MRS), respectivamente Alexander King (MRS) e Giovanni Marletta (E-MRS). A programação também enfatizava a cooperação internacional por meio de sessões plenárias sobre ferramentas de colaboração e instrumentos de financiamento de projetos de colaboração internacional, com apresentações de representantes da união internacional de sociedades de pesquisa em Materiais (IUMRS, na sigla em inglês); da National Science Foundation (NSF, a agência estadunidense de incentivo à pesquisa), e do CNPq. A repercussão do evento na comunidade científica mundial da área também foi importante, como atesta o relatório escrito por Alexander King e publicado no MRS Bulletin de outubro desse ano.

Nesse texto, o presidente da MRS destacava a “programação fortemente interdisciplinar, que provocou discussões formais durante as sessões e também informais”. De fato, os temas dos simpósios que constituíram o eixo do evento iam muito além da clássica divisão do conhecimento em Física, Química, Engenharias etc. Os cinco simpósios do encontro inaugural da SBPMat trataram sobre materiais e sistemas nanoestruturados; biomateriais; materiais e dispositivos semicondutores; eletrocerâmicos, e modificação superficial de filmes e materiais poliméricos.

Além de destacar o espírito internacional e interdisciplinar do evento, comentários enviados à diretoria da SBPMat por cientistas e autoridades de entidades do Brasil e do exterior elogiavam o nível científico dos trabalhos apresentados e o profissionalismo da organização, entre outras questões.

Um formato de evento bem-sucedido

O evento estabeleceu o formato, similar ao da MRS, que seria usado até a atualidade nos encontros da SBPMat: simpósios com apresentação de trabalhos da comunidade por meio de orais e pôsteres, palestras plenárias e estandes de empresas, principalmente fabricantes e representantes de equipamentos para pesquisa. Na ocasião, foram apresentados mais de 400 trabalhos nos simpósios. O encontro também contou com um workshop sobre “powder materials”.

A forma de organização dos simpósios, comenta o professor Solórzano, foi inovadora para o Brasil, como por exemplo no incentivo a que cada simpósio tivesse organizadores do país e do exterior. Um exemplo foi o simpósio sobre materiais e sistemas nanoestruturados, que contou com os presidentes da MRS e da E-MRS como organizadores do exterior e com os professores Celso Pinto de Melo (da UFPE e na época diretor do CNPq), Fernando Lázaro Freire Jr. (da PUC-Rio e membro da diretoria fundadora da SBPMat) e o próprio Solórzano como organizadores nacionais. Além disso, os simpósios tinham que ter, desde o início, uma comissão científica explicitada no site do evento, à qual pertenciam os revisores dos trabalhos que seriam submetidos. “Isso não acontecia em outros congressos nacionais”, compara Solórzano. “Naquela época, você mandava um trabalho para um congresso no Brasil e não sabia onde ia parar”.

Periodicidade

A organização do encontro inaugural da SBPMat foi uma das primeiras ações da gestão de Guillermo Solórzano enquanto presidente da diretoria fundadora da SBPMat (2001 -2003). Além de superar suas expectativas quanto ao número de participantes, o I Encontro trouxe mais uma surpresa para o presidente da sociedade. “Eu tinha imaginado que teríamos encontros bienais, mas, na sessão de encerramento do primeiro encontro, que foi como uma assembleia, avaliou-se muito bem o evento e se decidiu que devia ser anual!”, comenta o professor. Assim, logo após a finalização do encontro inaugural, começaram as providências para a organização do II Encontro da SBPMat, o qual seria realizado em outubro de 2003, também no Rio de Janeiro, ainda com Solórzano a frente da SBPMat. A periodicidade anual dos eventos da sociedade se mantém até a atualidade.

———————-

Se você participou do encontro inaugural da SBPMat, compartilhe conosco as suas lembranças e, se tiver, fotografias ou documentos, usando o campo para comentários abaixo ou enviando e-mail para comunicacao@sbpmat.org.br.