Palestra Magna na UFF do Prof. Sir J. Fraser Stoddart, laureado com o Prêmio Nobel de Química de 2016.


O Magnífico Reitor da Universidade Federal Fluminense, Antonio Claudio Lucas da Nóbrega, tem a honra de convidar a todos para a Palestra Magna “The Rise and Promise of Artificial Molecular Machines Based on the Mechanical Bond” com o ganhador do Prêmio Nobel de Química de 2016, Prof. Sir James Fraser Stoddart da Universidade Northwestern (Illinois), no dia 10/04/19 às 14:30h no Cine Arte UFF.

O Prof. Fraser Stoddart, juntamente com os professores Bernard Feringa e Jean-Pierre Sauvage foram agraciados com o Prêmio Nobel de Química pela “concepção, produção e funcionamento de máquinas moleculares artificiais ou nanomáquinas.”

Na Palestra Magna o Prof. Fraser Stoddart, além de explorar o universo da nanotecnologia, fará uma importante discussão sobre trajetória pessoal e sucesso acadêmico.

As inscrições podem ser feitas até o dia 20 de março de 2019 acessando o link: http://bit.ly/UFFAulaNobelQui

Para maiores informações entrar em contato com Profa. Célia M. Ronconi do Departamento de Química Inorgânica-UFF pelo e-mail cmronconi@id.uff.br

WIN Rising Star Award in Nanoscience and Nanotechnology nominations.


The nomination deadline is April 15, 2019 where the applicant needs to submit the following by email to skmitra@uwaterloo.ca :
 
(a) one-page write-up about the impact of applicant’s research in the field of Smart & Functional Materials;
(b) full curriculum vitae; 
(c) the names and contact details of three academic references.
 
See here information about the award.

Boletim da SBPMat. 78ª edição.


 

logo header 400

Boletim da
Sociedade Brasileira
de Pesquisa em Materiais

Edição nº 78. 28 de fevereiro de 2019.

Anuidades 2019 e novos sócios

Sócios da SBPMat já podem encontrar os boletos referentes à anuidade 2019 em suas áreas de sócios, inserindo login e senha no cabeçalho do site da SBPMat. Estudantes e profissionais que ainda não são sócios estão convidados a fazer parte. Mais informações.

Artigo em Destaque

Uma equipe de pesquisadores da UFPR desenvolveu um método simples, limpo e muito eficiente para produzir hidrogênio. Os cientistas utilizaram filmes finos de grafeno e nanopartículas metálicas como catalisadores de uma reação química espontânea que ocorre entre borohidreto e água. O trabalho foi reportado no Journal of Materials Chemistry A. Saiba mais.

hidrogenio_news

Cientista em Destaque

Entrevistamos Juliana Davoglio Estradioto. Esta jovem de 18 anos é detentora de uma coleção de prêmios nacionais e internacionais recebidos por trabalhos de pesquisa realizados durante o ensino médio no IFRS, nos quais desenvolveu materiais biodegradáveis a partir de resíduos agroindustriais e criou aplicações para eles. Veja nossa entrevista.

juliana news

Novidades dos Sócios SBPMat

– O sócio da SBPMat Sidney Ribeiro (IQ – UNESP Araraquara) foi nomeado editor associado da revista Frontiers in Chemistry- Inorganic Chemistry. Saiba mais.

Notícias da SBPMat

– O Programa University Chapters comemora o estabelecimento de sua 9ª unidade, formada por um grupo de 15 estudantes de diversas áreas da UFPE. Saiba mais.

banner evento

XVIII B-MRS Meeting/ Encontro da SBPMat
(Balneário Camboriú, SC, 22 a 26 de setembro de 2019)

Site do evento: www.sbpmat.org.br/18encontro/

Veja o convite à submissão de trabalhos, aqui.

Submissão de trabalhos. A submissão de resumos está aberta até 15 de abril. Notificações de aprovação, modificação ou rejeição serão enviadas até 31 de maio. Notificações finais para resumos que precisarem de modificação serão enviadas até 21 de junho. Veja as instruções para autores, aqui.

Simpósios. 23 simpósios propostos pela comunidade científica internacional compõem esta edição do evento. Veja a lista de simpósios, aqui.

Prêmios para estudantes. Para participar do Bernhard Gross Award, os autores deverão submeter um resumo estendido até 11 de julho, além do resumo convencional. Saiba mais, aqui.

Inscrições. Já estão abertas as inscrições. Saiba mais, aqui.

Local do evento. O encontro será realizado no turístico Balneário Camboriú (SC), no Hotel Sibara Flat & Convenções, localizado no centro da cidade, próximo a hotéis, restaurantes e lojas, e a apenas 100 metros do mar. Saiba mais, aqui.

Palestra memorial. A tradicional Palestra Memorial Joaquim da Costa Ribeiro será proferida pela professora Yvonne Primerano Mascarenhas (IFSC – USP).

Palestras plenárias. Destacados cientistas de instituições da Alemanha, Espanha, Estados Unidos e Itália proferirão palestras plenárias sobre temas de fronteira no evento. Também haverá uma plenária do brasileiro Antônio José Roque da Silva, diretor do CNPEM e do projeto Sirius. Saiba mais sobre as plenárias, aqui.

Organização. O chair do evento é o professor Ivan Helmuth Bechtold (Departamento de Física da UFSC) e o co-chair é o professor Hugo Gallardo (Departamento de Química da UFSC). O comitê de programa é formado pelos professores Iêda dos Santos (UFPB), José Antônio Eiras (UFSCar), Marta Rosso Dotto (UFSC) e Mônica Cotta (Unicamp). Conheça todos os organizadores, aqui.

Expositores e patrocinadores. 29 empresas já confirmaram participação no evento e apoio/patrocínio. Empresas interessadas em participar podem entrar em contato com Alexandre no e-mail comercial@sbpmat.org.br.

Dicas de Leitura

– Ao encapsular grafeno em nitreto de boro, cientistas conseguem imprimir padrões com nanolitografia, abrindo possibilidades de uso do material em nanoeletrônica (paper da Nature Nanotechnology). Saiba mais.

– Cientistas melhoram atividade de nanocatalisadores de alumínio ao revesti-los com MOFs usando estratégia inspirada no processo de petrificação natural da madeira (paper da Science Advances). Saiba mais.

– Materiais quânticos: Cientistas confirmam experimentalmente que material topológico de espessura atômica conduz eletricidade nas bordas, abrindo possibilidade de uso em computadores quânticos (paper da Science Advances). Saiba mais.

Oportunidades

Invitation to organize the official International Sol-Gel Society Conference in 2021. Saiba mais.

– Concurso para professor do Instituto de Física da UFU. Saiba mais.

– Processo seletivo para ingresso ao mestrado em Ciência e Engenharia de Materiais do PPGCEM-UFABC. Saiba mais.

Eventos

International Workshop on Advanced Magnetic Oxides (IWAMO 2019). Aveiro (Portugal). 15 a 17 de abril de 2019. Site.

2019 E-MRS Spring Meeting e IUMRS – ICAM. Nice (França). 27 a 31 de maio de 2019. Site.

20th International Symposium on Intercalation Compounds (ISIC). Campinas, SP (Brasil). 2 a 6 de junho de 2019. Site.

10th International Conference on Materials for Advanced Technologies (ICMAT 2019). Cingapura. 23 a 28 de junho de 2019. Site.

20th International Sol-Gel Conference. São Petersburgo (Rússia). 25 a 30 de agosto de 2019. Site.

XVIII B-MRS Meeting. Balneário Camboriú, SC (Brasil). 22 a 26 de setembro de 2019. Site.

19th Brazilian Workshop on Semiconductor Physics. Fortaleza, CE (Brasil). 18 a 22 de novembro de 2019. Site.

Siga-nos nas redes sociais

Você pode divulgar novidades, oportunidades, eventos ou dicas de leitura da área de Materiais, e sugerir papers, pessoas e temas para as seções do boletim. Escreva para comunicacao@sbpmat.org.br.

 

 

Artigo em destaque: Filmes de grafeno e níquel, melhores catalisadores para a produção de hidrogênio.


O artigo científico de autoria de membros da comunidade brasileira de pesquisa em Materiais em destaque neste mês é: Nanocatalysts for hydrogen production from borohydride hydrolysis: graphene-derived thin films with Ag- and Ni-based nanoparticles. Leandro Hostert, Eduardo G. C. Neiva, Aldo J. G. Zarbin, Elisa S. Orth. J. Mater. Chem. A, 2018,6, 22226-22233. DOI 10.1039/C8TA05834B.

Filmes de grafeno e níquel: melhores catalisadores para a produção de hidrogênio

Milhares de veículos movidos a gás hidrogênio já circulam em algumas regiões do mundo soltando apenas água pelo escapamento. Enquanto combustível ou fonte de energia, o hidrogênio é, de fato, uma opção extremamente limpa (não gera emissões nocivas) e eficiente (pode produzir mais energia do que qualquer outro combustível). Entretanto, o hidrogênio em forma pura não existe na natureza no planeta Terra. Ele precisa ser produzido, e a maior parte dos métodos de geração de hidrogênio conhecidos até o momento pecam tanto no aspecto econômico quanto no ecológico.

Uma alternativa a esses métodos foi recentemente apresentada por uma equipe de pesquisadores da Universidade Federal do Paraná (UFPR), ligados ao programa de pós-graduação em Química. Esses cientistas brasileiros propuseram um método limpo, eficiente, simples e de baixo custo para produzir hidrogênio. A equipe desenvolveu novos catalisadores (compostos que modificam a velocidade de uma reação química sem ser consumidos nela), feitos de grafeno e nanopartículas metálicas, que tornaram viável a produção de hidrogênio por meio da hidrólise de borohidreto – uma reação química ainda pouco utilizada na geração de hidrogênio apesar do enorme potencial que apresenta por ser limpa e muito simples.

Fotografias e esquemas representativos da geração de H2 por hidrólise de borohidreto catalisada com filmes finos de grafeno e nanopartículas metálicas. Os filmes, de cerca de 500 nm de espessura, recobrem os dois lados de uma plaqueta de vidro, cobrindo 15 cm2, a qual fica imersa numa solução de borohidreto de sódio e água. Nas fotos podem ser vistas as bolhas de gás hidrogênio geradas na superfície do catalisador.
Fotografias e esquemas representativos da geração de H2 por hidrólise de borohidreto catalisada com filmes finos de grafeno e nanopartículas metálicas. Os filmes, de cerca de 500 nm de espessura, recobrem os dois lados de uma plaqueta de vidro, cobrindo 15 cm2, a qual fica imersa numa solução de borohidreto de sódio e água. Nas fotos podem ser vistas as bolhas de gás hidrogênio geradas na superfície do catalisador.

Nessa reação, que é realizada em temperatura ambiente, moléculas de borohidreto de sódio (NaBH4), reagem espontaneamente com moléculas de água gerando moléculas de hidrogênio (H2). O processo ocorre em apenas uma etapa, e é realizado com o auxílio de materiais catalisadores, que aceleram a velocidade da reação.

“O trabalho desenvolvido tem como principal contribuição a possibilidade de geração de H2 por meio de filmes finos de nanocompósitos de grafeno”, diz a professora Elisa Souza Orth, autora correspondente de um artigo sobre o trabalho, recentemente publicado no Journal of Materials Chemistry A (fator de impacto= 9,931). “Os nanocompósitos de materiais à base de carbono com nanopartículas metálicas têm mostrado muitas aplicações promissoras e mostramos que, para a hidrólise de borohidreto, menos explorada, eles também poderiam ser empregados com eficiência”, completa.

Dentre os filmes finos catalisadores produzidos pela equipe da UFPR, os que apresentaram melhor desempenho foram os de óxido de grafeno reduzido com nanopartículas de níquel (rGO/Ni). De fato, esse nanocompósito, produzido com um metal relativamente barato, o níquel, apresentou um desempenho superior ao da maior parte dos catalisadores já reportados na literatura científica, inclusive aqueles preparados com metais nobres, cujo custo é muito maior. Em linhas gerais, isso significa que pequenas quantidades de rGO/Ni (algumas dezenas de mg) geraram grandes volumes de hidrogênio (400 ml) em curtos prazos de tempo (5 horas).

Além disso, os filmes desenvolvidos pela equipe brasileira apresentaram mais uma característica importante para um catalisador: eles podem ser facilmente retirados do recipiente de reação, lavados e secados sem sofrer danos, possibilitando assim seu reuso. “Nesse trabalho, conseguimos reutilizar o mesmo nanocatalisador em 10 ciclos consecutivos, sem perder atividade”, conta a professora Orth.

Esses resultados foram possíveis graças à união das competências em fabricação de nanomateriais de carbono do Grupo de Química de Materiais, coordenado pelo professor Aldo José Gorgatti Zarbin com a expertise em processos de catálise do Grupo de Catálise e Cinética, liderado pela professora Orth. Esses dois grupos da UFPR têm um histórico de colaboração na aplicação de materiais de carbono; inicialmente, no estudo de pesticidas e, atualmente, no desenvolvimento de materiais multifuncionais com atividade catalítica extraordinária.

O doutorando Leandro Hostert em laboratório do programa de pós-graduação em Química da UFPR.
O doutorando Leandro Hostert em laboratório do programa de pós-graduação em Química da UFPR.

Além do desenvolvimento dos catalisadores e da sua aplicação na produção de hidrogênio, o trabalho publicado no Journal of Materials Chemistry A incluiu uma análise das diversas formas de se medir a atividade catalítica de um material. Os autores conseguiram uniformizar critérios e comparar diversos resultados obtidos no laboratório e encontrados na literatura científica. “Desenvolvemos um estudo cinético que complementa a discussão dessas reações complexas e pode ajudar a orientar para uma compreensão mais concisa da atividade catalítica”, explica Elisa Orth.

A pesquisa foi realizada dentro do doutorado em andamento de Leandro Hostert, orientado pela professora Orth, e contou com financiamento do CNPq, CAPES, Fundação Araucária, INCT Nanocarbono e L´Oréal–UNESCO-ABC por meio do Prêmio para Mulheres na Ciência (2015) e International Rising Talents (2016) recebidos por Elisa Orth.

Cientista em destaque: entrevista com Juliana Davoglio Estradioto.


Juliana Davoglio Estradioto
Juliana Davoglio Estradioto

Quando era pequena, Juliana Davoglio Estradioto sonhava em ser cantora. Hoje, com 18 anos, os projetos dela são outros: seguirá a carreira científica. Uma carreira que, na verdade, já começou. Quando tinha 15 anos, Juliana se deparou pela primeira vez com um artigo científico e conheceu um laboratório de pesquisa. A partir desse momento, em apenas três anos, ela conquistou dezenas de prêmios em competições e feiras de ciências (locais, regionais, nacionais e internacionais) para estudantes do ensino médio. Entre essas distinções, talvez a mais glamorosa seja a que a levará, em dezembro deste ano, a passar uma semana na Suécia junto a outros 24 jovens pesquisadores do mundo para participar da cerimônia de entrega dos Prêmios Nobel 2019 e das comemorações com os laureados, além visitar instituições e empresas da Suécia e apresentar seu trabalho a estudantes suecos, entre outras atividades.

Juliana nasceu e cresceu em Osório (RS), um município de 40 mil habitantes, localizado a 100 km de Porto Alegre, rodeado por lagoas, serras e mar. Ali, em 2015, depois de concluir o ensino fundamental em uma escola pública estadual, ela ingressou ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) –  campus Osório, que tinha sido inaugurado cinco anos atrás, para cursar o Curso Técnico em Administração Integrado ao Ensino Médio. Criados por lei sancionada em 2008, os Institutos Federais (IFs) são instituições públicas e gratuitas, ligadas ao governo federal, que se especializam na oferta de educação profissional e tecnológica desde o ensino médio até a pós-graduação. Atividades de extensão e pesquisa fazem parte da proposta dos IFs para todos os níveis.

Já em seu primeiro ano no IFRS, Juliana se entusiasmou com um projeto de extensão voltado à comunidade de agricultores familiares da região, com viés social e ambiental, coordenado pela professora Flávia Santos Twardowski Pinto. Inicialmente como voluntária e depois como bolsista do IFRS, Juliana acabou participando de três projetos envolvendo pesquisa e desenvolvimento ao longo dos três anos do ensino médio, sempre orientada pela professora Twardowski.

O primeiro trabalho de Juliana resultou não apenas no desenvolvimento de um plástico biodegradável feito com resíduos agrícolas disponíveis na região (casca de maracujá), mas também na criação de uma aplicação para esse material: uma embalagem para mudas que não necessita ser retirada antes do plantio. Por esse trabalho, Juliana recebeu várias distinções, como o 4º lugar em Engenharia Ambiental na maior competição de ciências do mundo para estudantes do ensino médio, a  Intel International Science and Engineering Fair (Intel ISEF), realizada em Los Angeles (EUA) em maio de 2017. Outro reconhecimento internacional importante foi a medalha de ouro obtida na Genius Olympiad, competição de projetos de ensino médio que abordam problemas ambientais e suas soluções, realizada em Oswego (EUA) em junho de 2018. Em nível nacional, a principal distinção recebida por Juliana pelo trabalho do plástico de maracujá foi o primeiro lugar da categoria Ensino Médio na 29 ª edição do Prêmio Jovem Cientista, outorgado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e entidades parceiras. O prêmio foi entregue no Palácio do Planalto em dezembro no ano passado, com a presença do Presidente da República e várias outras autoridades governamentais.

No final do ano passado, quando Juliana concluiu o ensino médio no IFRS, ela já tinha uma opção concreta para a graduação: uma bolsa para estudar na University of Arizona (EUA), recebida como prêmio na Intel ISEF de 2018, da qual participou com um trabalho de desenvolvimento de materiais adsorventes a partir de resíduos agroindustriais para remoção de corantes em suspensão aquosa. Agora, ela tem, no mínimo, mais uma opção, pois foi aprovada no vestibular do curso de Engenharia Química da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Irá ficar na terra natal? Seja qual for a decisão, o histórico da moça faz pensar que saberá aproveitar as oportunidades.

Veja nossa entrevista com Juliana.

Boletim da SBPMat: – Você acabou de concluir o Ensino Médio Integrado ao Técnico em Administração. Quando você ingressou ao curso, pensava atuar na área de administração? O que a levou a participar de projetos de pesquisa científica?

Juliana Davoglio Estradioto: – Para ingressar no IFRS – campus Osório precisa fazer um processo seletivo, e já antes do processo eu precisava optar entre Administração e Informática. Foi muito difícil fazer essa decisão com 14 anos e acabei optando pela Administração. Nunca imaginei que fosse fazer pesquisa e muito menos que seria em temáticas tão diferentes do que eu via em sala de aula. Acho Administração uma área muito importante, mas não me vejo atuando na área; agora que sou Técnica em Administração, acabei me apaixonando pela pesquisa!

Assim que eu ingressei no curso me interessei muito por um projeto de extensão rural pois minha família é muito envolvida com a área de agronomia. A coordenadora era a professora Flávia e tinha que fazer um processo de seleção para entrar no projeto. Lembro da adolescente de 14 anos que estava morrendo de nervosismo, mas muito animada com a possibilidade de fazer algo diferente das aulas teóricas, uma vez que os IFs oferecem várias oportunidades. Logo em seguida já estava sendo orientada pela professora Flávia e admirando o trabalho que ela faz.

Boletim da SBPMat: – Complementando a pergunta anterior, como/quando surgiu e se desenvolveu em você a vontade de ser cientista? A participação nas amostras e competições foi importante nesse processo?

Juliana Davoglio Estradioto: – Quando eu era criança eu gostava de subir em árvores, observar insetos e ficar em contato com a natureza. Contudo, ao longo da infância aprendemos a ser mais contidos e nosso espírito investigativo diminui. Então eu nunca tive a vontade de ser cientista apesar de ser curiosa quando era criança, meu sonho de infância era ser cantora! E por isso digo que a ciência me escolheu e não o contrário, jamais imaginei que ia ser algo pelo qual eu ia ser tão apaixonada. Quando entrei no Instituto Federal, me envolvi em projetos e tive uma professora que realmente me incentivou a seguir nessa área. O contato com a ciência me ajudou a enfrentar um momento pessoal difícil, me fez querer ser uma pessoa melhor e mais determinada, além de persistente enquanto cientista. A participação em feiras de ciências foi mais importante na minha construção pessoal e auxiliou no desenvolvimento das minhas habilidades comunicativas e empatia, enquanto que o convívio no laboratório e a vontade de pesquisar me mostraram que eu quero fazer isso para o resto da vida.

Boletim da SBPMat: – Sobre o desenvolvimento do plástico biodegradável a partir de resíduos de maracujá, conte-nos brevemente o caminho percorrido, da ideia até a realização do material e da aplicação. Você consultou muitos artigos científicos? Trocou ideias com outros pesquisadores? Quais laboratórios usou?

Juliana Davoglio Estradioto: – O projeto do plástico biodegradável a partir da casca de maracujá surgiu a partir de um problema que eu observei na minha região a partir do projeto de extensão rural que eu participei no primeiro ano do ensino médio: que a indústria de processamento de frutos gera resíduos, sendo que no maracujá os resíduos correspondem a 70% do fruto. Eu queria trazer uma utilização para essa casca e a professora Flávia foi essencial no papel de me motivar e instigar a ir atrás de uma solução. Conversamos sobre ideias para o aproveitamento da casca e então eu descobri o que eram os artigos científicos. Foi um susto pois eu tinha 15 anos e não havia tido contato com artigos até então. Os artigos são um meio de comunicação mais acadêmico e eu tinha que descobrir muitas coisas antes de conseguir ler eles, pois minhas aulas no ensino médio eram básicas e as técnicas voltadas para a administração. Precisei aprender muito sobre Química e Biologia antes de conseguir entender os artigos, conversei com outros pesquisadores e muito consultei minha orientadora. No meio do desenvolvimento do projeto (quando estava tudo dando errado ahahahaha), descobrimos por coincidência que a primeira orientadora da professora Flávia estava trabalhando com filmes plásticos biodegradáveis, a professora Simone Hickmann Flôres. Assim foi possível fazer um intermédio e utilizar alguns laboratórios do Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul para fazer análises mais complexas, enquanto eu continuei fazendo a pesquisa no laboratório de panificação do IFRS – campus Osório (o único que tinha na época). Quando eu tive boas amostras de plástico, comecei a me questionar sobre a aplicação que poderia dar ao material. E foi aí que eu me lembrei justamente das visitas aos agricultores, em que eu tinha visto mudas envolvidas por um plástico preto (o polietileno de baixa densidade). Queria substituir esse material pelo meu plástico biodegradável e foi bem difícil até conseguir chegar em uma embalagem recipiente para mudas. O mais legal dessa aplicação é que a embalagem pode ser plantada junto com a muda, evitando a geração de lixo.

Boletim da SBPMat: – Em 2018 você começou a trabalhar em outro projeto ligado ao desenvolvimento de um material a partir de resíduos agrícolas, também coordenado pela professora Flávia. Poderia nos resumir do que trata esse trabalho e qual o status de desenvolvimento?

Juliana Davoglio Estradioto: – O projeto surgiu a partir da demanda de uma das maiores agroexportadoras da noz macadâmia aqui no Brasil, sendo que a noz está em ascensão no mercado mundial. O processamento do fruto para obter a noz que é comercializada gera um resíduo agroindustrial que é a casca de noz macadâmia. Essa casca normalmente é destinada a aterros sanitários ou para a combustão e produção de energia. O que eu queria fazer era uma aplicação biotecnológica, então minha hipótese foi se seria possível a utilização do resíduo agroindustrial da noz macadâmia na síntese de uma biomembrana polimérica. O projeto ainda está sendo desenvolvido e aprimorado, já consegui comprovar minha hipótese de forma positiva e estou buscando melhorar o aspecto das biomembranas.

Boletim da SBPMat: – A quais fatores e competências você atribui o sucesso que seus trabalhos tiveram em premiações nacionais e internacionais?

Juliana Davoglio Estradioto: – Acredito que minha vida seria completamente diferente se eu não tivesse estudado no Instituto Federal do Rio Grande do Sul, pois ele proporciona diversas oportunidades que infelizmente ainda não são ofertadas em outras escolas de ensino básico. Ter sido aluna do IF e orientada da professora Flávia fez com que minha visão sobre a educação e ciência mudassem, sou muito grata por entender o papel transformador que elas desempenharam na minha vida e em muitas outras realidades brasileiras.

Boletim da SBPMat: – A sua carreira em pesquisa científica começou com muitíssimo destaque. O que você pretende, do ponto de vista profissional, para os próximos anos ou para as próximas décadas da sua vida?

Juliana Davoglio Estradioto: – Pretendo continuar pesquisando nas áreas que sou apaixonada e ser uma cientista, gosto muito de ciências da natureza e acredito que nunca vá conseguir abandonar isso. Quero trabalhar com temáticas voltadas principalmente para a sustentabilidade, pois precisamos encontrar alternativas para o impacto que estamos causando em todos os ecossistemas. Contudo, além de ser uma pesquisadora, pretendo trabalhar com educação e divulgação científica.

Boletim da SBPMat: – Ao colocar seu nome no Google, a gente adivinha que a sua vida tem mudado bastante nos últimos tempos. São muitas entrevistas em todos os tipos de mídia, viagens, apresentações, premiações, formalidades, parabéns de políticos, conterrâneos e admiradores… Como você leva esta mudança?

Juliana Davoglio Estradioto: – É uma mudança muito positiva e representa muito para mim nesse momento, pois me sinto responsável pela divulgação de meninas que façam pesquisa no ensino médio. São atividades que me dão prazer e acredito que precisamos estimular outros jovens para que eles vejam a carreira científica como uma possibilidade e uma oportunidade.

SBPMat convida a comunidade científica a submeter trabalhos ao XVIII B-MRS Meeting.


 

logo 560 px

Convite à submissão de trabalhos para ampla divulgação

A Sociedade Brasileira de Pesquisa em Materiais (SBPMat) convida os pesquisadores e estudantes da comunidade científica internacional a submeterem resumos de seus trabalhos, visando a apresentá-los em forma oral ou de pôster nos simpósios da décima oitava edição do B-MRS Meeting/ Encontro da SBPMat.

A submissão de trabalhos está aberta até 15 de abril. As inscrições para participar do evento também estão abertas e têm valores promocionais até 2 de agosto.

O evento será realizado de 22 a 26 de setembro deste ano em Balneário Camboriú (SC), no Hotel Sibara, estrategicamente localizado no centro da cidade e a poucos metros da praia. Os coordenadores gerais do XVIII B-MRS Meeting (chairmen) são os professores da UFSC Ivan Helmuth Bechtold (Departamento de Física) e Hugo Gallardo (Departamento de Química).

O evento conta com 23 simpósios temáticos, organizados por mais de 100 pesquisadores de instituições e empresas de diversos estados brasileiros e do Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Reino Unido, Rússia, Suécia e Suíça. Os simpósios incluirão sessões orais e de pôsteres, além de palestras convidadas, proferidas por especialistas renomados em suas áreas de pesquisa.

Neste ano, os simpósios abrangem um amplo leque de temas de pesquisa em materiais e suas aplicações em segmentos como, por exemplo, o de saúde, energia, remediação ambiental, eletrônica, fotônica e defesa, além dos segmentos têxtil, aeroespacial e automotivo. Alguns dos materiais contemplados dentro dos simpósios são: nanomateriais de carbono, vitrocerâmicas, materiais para impressão 3D, polímeros condutores, novas ligas metálicas, nanofibras, materiais bidimensionais, peneiras moleculares e materiais magnéticos e supercondutores, entre outros.

Os melhores trabalhos apresentados por estudantes de graduação ou pós-graduação serão distinguidos no final do evento com prêmios outorgados pela SBPMat, a ACS Publications e outras entidades. Para se candidatarem aos prêmios, os autores devem submeter, até 11 de julho, um resumo estendido adicional ao resumo convencional.

Além de participar dos simpósios, os inscritos ao evento poderão assistir às oito palestras plenárias desta edição (com cientistas internacionalmente destacados e pesquisas na fronteira do conhecimento), à palestra memorial da professora Ivonne Primerano Mascarenhas (IFSC-USP) e às palestras técnicas sobre equipamentos de fabricação e caracterização de materiais. Os participantes também poderão aproveitar um workshop que será realizado no primeiro dia do evento, e visitar os estandes das empresas expositoras com as últimas novidades em instrumentação científica.


Veja orientações para elaborar seu resumo


Veja outras informações sobre o evento

Sobre o B-MRS Meeting. Interdisciplinar e internacional, o B-MRS Meeting é dedicado à apresentação e discussão, em idioma inglês, de avanços científicos e tecnológicos alcançados no estudo e desenvolvimento de materiais. Nas últimas edições, o encontro tem reunido entre 1.100 e 2.100 participantes de diversos pontos do Brasil e de dezenas de outros países.

evento

foto camboriu_560 px

Sobre Balneário Camboriú.

Destino intensamente procurado para turismo e eventos, Balneário Camboriú oferece praias urbanas e agrestes, ecoturismo e esportes de aventura, além de passeios de barco, bondinho, bicicleta e teleférico – tudo dentro da paisagem única deste balneário, que combina serra, mar e arranha-céus. Na cidade, o visitante tem acesso a muitíssimas opções de gastronomia, hospedagem e compras, bem como à agitada vida noturna que se destaca no cenário brasileiro.

camboriu_montagem


Veja apresentação do chairman sobre o local do evento (localização, aeroportos, atrações etc.)


Veja vídeo sobre Balneário Camboriú

Siga a SBPMat nas redes sociais e fique sempre à par das novidades do evento.
 

 

 

Sócio da SBPMat é nomeado editor associado de revista internacional de Química Inorgânica.


Prof. Sidney Ribeiro
Prof. Sidney Ribeiro

O professor Sidney J. L. Ribeiro (IQ- UNESP – Campus de Araraquara), sócio da SBPMat, foi nomeado editor associado da revista Frontiers in Chemistry- Inorganic Chemistry.

A Frontiers in Chemistry, cujo fator de impacto é de 4,155, é um periódico da Frontiers – editora que publica artigos científicos revisados por pares na modalidade open access. Com apenas uma década de existência, a Frontiers ocupa atualmente o 4º lugar no ranking de editoras com mais citações por artigo.

O professor Ribeiro cumpria função de review editor na revista e agora passou a se desempenhar como associate editor. O cientista também é membro do corpo editorial das revistas Journal of Non-Crystalline Solids e Journal of Sol-Gel Science and Technology, ambas da editora Elsevier.