Unpaid researchers: Bruno César da Silva.


Bruno da Silva in a research laboratory in 2019, during his doctorate.
Bruno da Silva in a research laboratory in 2019, during his doctorate.

At the beginning of 2020, Bruno César da Silva was very excited. After six months of participating in an international selection process, he had obtained a position as a temporary researcher at a research institute in the city of Grenoble (France). Paid by the French government, he would commit to studying in detail the properties of semiconductor nanowires and some of their possible applications. In fact, these tiny wires may be used in future electronic and optoelectronic devices, but, for that, they need to be better understood and controlled.

In his master’s and doctorate in Physics, carried out at UNICAMP, Bruno had studied semiconductor nanowires, always under the guidance of excellent professors, and he had acquired solid knowledge in the set of techniques required by the post. “Finding someone who has a background in all the topics the job asked for is difficult, but I was lucky, was willing and had the opportunity to gain experience in all these areas,” says Bruno. In addition, Bruno is the main author of two articles published in renowned scientific journals (Nano Letters and Scientific Reports). Despite not having an expressive number of articles, Bruno’s production, generated during his doctorate, drew attention for its quality.

But Bruno’s training in scientific research started in high school, within the Junior Scientific Initiation Program of CNPq (the main federal research agency in Brazil). He then continued his undergraduate studies in Physics at the University of Lavras, where he undertook undergraduate research as a fellow of FAPEMIG (the research foundation in Minas Gerais State). While still an undergraduate student, Bruno had his first international research experience, at a Spanish university, as a fellow of the Science without Borders Program, from the Brazilian government. “My training is the result of public policies and investments,” says Bruno. In fact, at all stages, Bruno had scholarships financed with public resources. He started with less than 100 reais in high school and reached about 3,600 reais at the end of his doctorate with a scholarship from FAPESP, the São Paulo State research foundation.

Sudden change of plans

Bruno had a flight ticket and accommodations booked to begin his life in Grenoble when in mid-March the WHO declared the Covid-19 pandemic. As a result, hiring at the research institute was suspended, and Bruno started looking for other opportunities.

He searched in Brazil and abroad. He sought postdoctoral fellowships and jobs as a researcher or data scientist – a professional area linked to mathematics and computing.

Without opportunities and no income, Bruno, aged 32, returned to his parents’ home in Jacareí (SP). He requested emergency government assistance and pledged to finalize scientific articles based on the doctoral results, while taking online courses to redirect his career.

Finally, six months after the scheduled date, Bruno took on his temporary position at the French research institute. And he has been working with nanowires for over a month, very happy. “Here, we, the newly graduated doctors, are treated like professionals, and we pay taxes like any worker,” he jokes, making an implicit comparison with the situation that young PhD grant holders experience in Brazil.

After his experience in Grenoble, he plans to participate in a selection process to become a research professor at a Brazilian university. However, Bruno says that if the situation of scarce resources for science continues in Brazil, he will continue to build a career abroad. “I think it is important to return the investment in my education to the Brazilian society through teaching and conducting research that can contribute to the development of my country. We are able to do quality science in Brazil, but we need the necessary conditions,” he concludes.

Artigo científico em destaque: variações no diâmetro de nanofios e o papel das instabilidades no crescimento.


O artigo científico de membros da comunidade brasileira de pesquisa em Materiais em destaque neste mês é:

D. S. Oliveira, L.H.G. Tizei, D. Ugarte, M. A. Cotta. Spontaneous Periodic Diameter Oscillations in InP Nanowires: The Role of Interface Instabilities. Nano Letters, 2013, 13 (1), pp 9–13. DOI: 10.1021/nl302891b.

 

Texto de divulgação:

Nanofios semicondutores com variações periódicas de diâmetro: instabilidades no crescimento dos nanofios.

Ao produzir nanofios do composto semicondutor fosfeto de índio (InP), pesquisadores do Instituto de Física Gleb Wataghin (IFGW) da Unicamp observaram no microscópio eletrônico de varredura uma particularidade interessante. Um dos grupos de nanofios exibia marcadas variações de seu habitual formato cônico, apresentando partes mais grossas, tipo pneuzinhos, periodicamente ao longo do nanofio.

As variações no diâmetro apareciam em quase 80% dos nanofios de cinco nanometros de diâmetro no ápice, os mais finos, e eram muito mais visíveis perto do topo do nanofio do que na base dele. As variações tinham se gerado de maneira espontânea, mas os pesquisadores tinham mantido constantes os parâmetros de produção durante todo o processo. Por que, então, essas variações morfológicas? Os cientistas tinham pela frente o desafio de elucidar os detalhes da cinética de crescimento dos nanofios. O modelo desenvolvido por eles seria publicado, em janeiro deste ano, no periódico Nano Letters.

Imagem de microscopia de varredura de um nanofio de InP com oscilações (acima) e sem oscilações (abaixo). Barra de escala de 1 micrometro.

O crescimento dos nanofios de fosfeto de índio

Para compreender a explicação desenvolvida pelos pesquisadores brasileiros sobre a origem dessas oscilações periódicas de diâmetro, é necessário entender o processo de produção dos nanofios.

Dentre as diferentes formas de produzir um nanofio, a mais popular atualmente utiliza o mecanismo de crescimento “vapor-líquido-sólido”, conhecido pela sigla VLS. No VLS, uma pequena partícula catalisadora é depositada em um substrato dentro de uma câmera de crescimento, na qual se introduz vapor do material que vai compor o nanofio.

Na pesquisa do artigo da Nano Letters, os pesquisadores utilizaram uma nanopartícula de ouro como catalisador, um substrato de arseneto arseneto de gálio (GaAs) e uma câmera de crescimento epitaxial por feixe químico (CBE). Como o intuito era fazer nanofios de fosfeto de índio, usaram, como vapor, fosfina (PH3) e trimetil-índio (TMI), que são os precursores do índio e do fósforo para o crescimento.

Seguindo o percurso normal do processo VLS, o vapor foi absorvido pela nanopartícula de ouro mais rapidamente do que pelo substrato. Dessa maneira, a nanopartícula ficou supersaturada de índio e fósforo, possibilitando a seguinte etapa do processo, a nucleação. Assim, um núcleo sólido de fosfeto de índio se formou entre a nanopartícula de ouro, que estava em fase líquida, e o substrato. Esse núcleo se propagou e formou uma monocamada de fosfeto de índio. Com sucessivas nucleações, novas monocamadas se formaram uma em cima da outra, gerando um nanofio cada vez mais comprido. A nanopartícula catalisadora, como em todo processo VLS, ficou no topo do nanofio.

O modelo da cinética de crescimento dos nanofios

A pesquisa abordada no artigo da Nano Letters foi realizada no contexto do mestrado do aluno Douglas Soares de Oliveira, realizado no IFGW – Unicamp e orientado pela professora Mônica Cotta. Douglas está agora fazendo o doutorado com a mesma orientadora, ainda em nanofios semicondutores – tema que vem estudando desde sua primeira iniciação científica, iniciada em 2008.  Também participaram da pesquisa publicada na Nano Letters o professor Daniel Ugarte (IFGW-Unicamp) e seu ex-aluno de doutorado Luiz Tizei. “A participação deles foi imprescindível para o resultado final obtido”, diz Cotta.

Os grupos de Cotta e Ugarte têm uma longa história de colaborações e tinham publicado em 2011 um outro trabalho [Chiaramonte, T., Tizei, L. H. G., Ugarte, D., & Cotta, M. A.  Kinetic Effects in InP Nanowire Growth and Stacking Fault Formation: The Role of Interface Roughening. Nano Letters, 2011, 11 (5), PP 1934–1940. DOI:10.1021/nl200083f] que motivou o tema do mestrado de Douglas.  “Queríamos compreender melhor a rota de incorporação de átomos do grupo III, ao qual pertence o índio, na nanopartícula catalisadora, e o papel da deformação induzida na interface entre a nanopartícula e a fase sólida (substrato ou nanofio)”, contextualiza a professora Cotta.

Para isso, os pesquisadores introduziram um grande fluxo de TMI (o vapor do índio) durante o processo VLS.  “Acreditamos que nesse regime ocorre uma competição entre as duas rotas mais prováveis para a incorporação de índio no nanofio durante o crescimento, que são: via interior da nanopartícula para o nanofio, ou, diretamente, da fase vapor no ambiente para o local de crescimento na interface”, justifica Cotta.

Segundo o modelo proposto pelos pesquisadores da Unicamp, essa competição entre as rotas pode modificar estruturalmente a interface entre a nanopartícula de ouro e o nanofio durante o crescimento, alterando assim o ângulo de contato entre eles ou, em outras palavras, gerando instabilidades. “Com um ângulo de contato diferente, não é mantido o equilíbrio de forças que mantém a nanopartícula no topo do nanofio. Isso induz a nanopartícula, líquida, a descer e englobar parte do nanofio. A descida da nanopartícula pela lateral do nanofio favorece a formação de novos núcleos de fosfeto de índio que aumentam o diâmetro do nanofio”, explica a professora.

Mas por que as oscilações do diâmetro são periódicas? Porque o processo é cíclico. A professora Cotta explica que, quando a nanopartícula engloba uma parte da lateral do nanofio, o balanço das forças muda novamente, empurrando a nanopartícula para o topo do nanofio. E tudo volta a começar.

Esquema do modelo proposto na Nano Letters. Em amarelo, a nanopartícula de ouro. Em azul, a parte superior do nanofio em crescimento.

Relevância do trabalho

O modelo da cinética foi desenvolvido com base na análise da geometria, morfologia e composição de pouco mais de 100 nanofios, usando as técnicas de microscopia eletrônica de varredura (MEV) com dispersão de energia de raios X (EDS) e microscopia eletrônica de transmissão. A pesquisa foi inteiramente realizada em Campinas (SP), no IFGW-Unicamp e no Laboratório de Microscopia Eletrônica do LNNANO/CNPEM.

“O estudo da cinética de crescimento de nanofios por si só já é muito importante para o desenvolvimento de materiais semicondutores com novas propriedades”, afirma Cotta. Nesse sentido, o trabalho publicado na Nano Letters mostrou um novo mecanismo para o controle, não apenas morfológico, mas também cristalográfico, dos nanofios de fosfeto de índio. Mas o fato de os nanofios de Douglas e Cotta apresentarem ápices de até cinco nanometros de diâmetro agrega ainda mais valor ao trabalho. “Em estruturas tão pequenas, pesquisas recentes indicam que variações de diâmetro têm grande potencial para aplicações na conversão de energia, por exemplo, utilizando o efeito termoelétrico”, completa a professora.

 

Para saber mais:

Dissertação de mestrado de Douglas Soares de Oliveira, intitulada Nanofios semicondutores: síntese e processos de formação: http://webbif.ifi.unicamp.br/tesesOnline/teses/IF1549.pdf