Boletim da SBPMat. Edição nº 123.

 

cabecalho-news-2

Edição nº 123. 31 de janeiro de 2023.

Artigo em destaque

Equipe de pesquisadores de seis instituições brasileiras aumentou em cerca de 30 vezes a atividade de um semicondutor que é utilizado como fotocatalisador na geração de hidrogênio verde. O trabalho foi reportado na ACS Applied Energy Materials. Saiba mais.

artigo destaque

Você é autor(a) de um trabalho científico destacado, realizado total ou majoritariamente no Brasil e publicado em periódico de alto fator de impacto, e deseja divulgá-lo na nossa comunidade? Entre em contato para que o seu paper seja considerado na seleção mensal do “Artigo em destaque”: comunicacao@sbpmat.org.br.

Anuidades SBPMat 2023

Já é possível acertar a anuidade de sócio referente a 2023 e, desta forma, usufruir os benefícios de ser sócio ativo. Entre eles:

  • Desconto de cerca de 40% na inscrição ao B-MRS Meeting.
  • Possibilidade de votar e ser votado nas eleições da SBPMat.
  • Divulgação das suas novidades profissionais nos canais da SBPMat.

– Se você já é sócio, clique em Login no cabeçalho do site.
– Se você ainda não é sócio, clique em Criar conta no cabeçalho do site.

Mais informações.

XXI B-MRS Meeting
Maceió (AL), 1º a 5 de outubro de 2023

maceio

Simpósios. Compõem o evento 24 simpósios temáticos abrangendo design, síntese, caracterização, processamento e aplicações de diversos materiais, desde ligas tradicionais até polímeros de base biológica. Mais de 100 pesquisadores do Brasil, Alemanha, Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, Chile, Colômbia, EUA, França, Itália, Portugal, Suíça e Reino Unido estão organizando os nossos simpósios. Veja a lista de simpósios e a descrição de cada um.

Submissões. A submissão de resumos para apresentação de trabalhos nos simpósios está aberta até 17 de abril. Saiba mais.

Prêmios para estudantes. Trabalhos submetidos por estudantes e aprovados para apresentação poderão se candidatar aos prêmios para estudantes até 17 de julho. Saiba mais.

Inscrições. As inscrições estão abertas, com valores especiais para estudantes e pesquisadores de instituições brasileiras e dos outros países da América Latina. Veja os valores. Há descontos de cerca de 40% para sócios da SBPMat, novos ou antigos, que tenham acertado a anuidade de 2023.

Local. O local do evento será o Centro Cultural e de Exposições Ruth Cardoso, na cidade de Maceió. Saiba mais.

Chairmen. Os coordenadores gerais do evento são professores da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) e bolsistas de produtividade em pesquisa do CNPq: Carlos Jacinto da Silva, do Instituto de Física, e Mario Roberto Meneghetti, do Instituto de Química e Biotecnologia.

Dicas para ler ou escutar

Livro. Livro em português sobre transformações de fases em materiais é disponibilizado na web para consulta e download sem custo. Acesse o livro.

Divulgação de paper da Nature. Sensor do tamanho de um selo postal que fica aderido à pele do peito viabiliza ecocardiograma em tempo real de pacientes em movimento. Dispositivo combina avanços em materiais e uso de inteligência artificial. Leia no site da UC San Diego.

Podcast. “À Luz do Candeeiro” é um podcast em que jovens pesquisadores discutem temas de ciência, tecnologia e educação a partir de leituras e entrevistas com especialistas. Nasceu por iniciativa de membros de University Chapters da SBPMat e do blog Lampejo Científico. O programa já tem mais de 100 episódios. Saiba mais e escute no site ou diretamente no Spotify.

Manifestos

– SBPMat repudiou as agressões à democracia e ao estado de direito ocorridas em Brasília em 8 de janeiro com a invasão por terroristas das sedes dos três poderes da República. Leia o manifesto.

Oportunidades

– Prêmio da UNICAMP e Instituto Vladimir Herzog para trabalhos de pesquisa finalizados em 2022 em instituições de São Paulo em todas as áreas do conhecimento que mostrem compromisso com a dignidade e sustentabilidade da vida. Inscrição até 03/02. Saiba mais.

– Concurso na UFPR: 3 vagas para docentes nas áreas de Físico-Química, Química inorgânica – Química de Estado Sólido e de Materiais, e Química Analítica – Espectrometria de Massas. Inscrições até 31 de janeiro. Saiba mais.

– Pós-doc em produção de hidrogênio verde e redução de CO2 na UFU. Envio de CV e carta de apresentação: otaviopatrocinio@ufu.br ou osmando@ufu.br.

– Seleção para mestrado, doutorado e doutorado direto em Nanobiossistemas da UFRJ, Fiocruz, Inmetro e LNCC. Inscrições abertas até 31/01. Saiba mais.

– Processo seletivo para mestrado e doutorado em Ciência dos Materiais da UFRGS estão com inscrições abertas até 15/02. Saiba mais.

– Inscrições abertas dos processos seletivos para o mestrado (até 14/02) e o doutorado (fluxo contínuo) em Engenharia e Ciência dos Materiais no PIPE da UFPR. Saiba mais.

– Abertas até 31/01 as inscrições para o processo seletivo do mestrado em Engenharia Química da UFF. Saiba mais.

– Abertas até 15/02 as inscrições para o mestrado Erasmus Mundus em Ciência e Engenharia de Materiais AMASE – programa conjunto de universidades da Alemanha, França, Espanha, Itália, Áustria e Suécia, com bolsas de estudo para os melhores alunos. Saiba mais.

Para acompanhar a atualização de oportunidades da área, entre no grupo da SBPMat no Linkedin.

Agenda de eventos presenciais e online

IUPAC Global Women’s Breakfast. Debate “Quebrando barreiras na Ciência”. UFSCar – Sorocaba. 14 de fevereiro de 2023. Inscrição gratuita.

– II Encuentro de Investigadores en Ciencia de Materiales. Montevidéu (Uruguai). 20 e 21 de abril de 2023. Site.

49ª International Conference on Metallurgical Coatings and Thin Films (ICMCTF). San Diego (EUA). 21 a 26 de maio de 2023. Site.

41st International Conference on Vacuum Ultraviolet and X-ray Physics (VUVX 2023). Campinas (SP). 3 a 7 de julho de 2023. Site.

IV Brazilian Nanocellulose Summit. São Carlos (SP). 9 a 11 de agosto de 2023. Site.

XXI B-MRS Meeting. Maceió (AL). 1 a 5 de outubro de 2023. Site.

4th International Brazilian Conference on Tribology (TriboBR). Vitoria (ES). 26 a 30 de novembro de 2023. Site.

Siga-nos nas redes sociais

rodape

Descadastre-se caso não queira receber mais as edições mensais do Boletim da SBPMat.

Artigo em destaque: Semicondutor “turbinado” para a produção de hidrogênio verde.

Uma equipe de cientistas de instituições brasileiras aumentou em cerca de 30 vezes a capacidade de um material semicondutor produzir hidrogênio por meio da fotólise da água, processo que consiste em dividir a molécula de água usando luz como única fonte de energia. O avanço contribui para o desenvolvimento de formas eficientes de gerar hidrogênio verde, que é o combustível produzido usando energia renovável e limpa.

Para que a fotólise ocorra, é necessário contar com um fotocalisador suspenso na água. O fotocatalisador é um material semicondutor capaz de absorver luz e, a partir disso, gerar as cargas (elétrons e buracos) necessárias às reações de oxidação e redução que provocam a dissociação das moléculas de água (H2O) em hidrogênio (H2) e oxigênio (O2). Além disso, o material deve ser estável em ambiente aquoso.

Fotólise para produção de H2 utilizando o Mo:SrTiO3/NiO@Ni(OH)2 como fotocatalisador.
Fotólise para produção de H2 utilizando o Mo:SrTiO3/NiO@Ni(OH)2 como fotocatalisador.

 

“O titanato de estrôncio (SrTiO3) é um dos principais materiais semicondutores aplicados à fotólise para produção de hidrogênio verde por atender os requisitos físico-químicos para oxidar e reduzir a molécula de água”, diz o professor Renato Vitalino Gonçalves (IFSC-USP), autor correspondente do artigo que reporta esta pesquisa no periódico ACS Applied Energy Materials. “Contudo, existem algumas limitações intrínsecas a este material que cerceiam seu potencial fotocatalítico, como, por exemplo, seu largo bandgap de ~3,2 eV, que restringe sua absorção óptica à região do UV, a qual corresponde a apenas 4%, aproximadamente, do espectro solar”, completa o cientista. Outra limitação deste material, comum a todos os semicondutores, é a rápida recombinação de elétrons e buracos, a qual impede que essas cargas fluam livremente e possam promover as reações de oxidação e redução.

Dessa forma, a equipe brasileira, conduzida pelo professor Gonçalves, decidiu modificar o titanato de estrôncio para aumentar a sua eficiência na fotólise. Inicialmente, os pesquisadores doparam o semicondutor com o metal de transição molibdênio (Mo) e obtiveram partículas cúbicas desagregadas com faces bem definidas. O dopante, não convencional, foi responsável por tornar o material capaz de absorver luz na região do visível, a qual representa cerca de 43% do espectro solar.

Em um segundo momento, os autores do trabalho depositaram nanopartículas de níquel de cerca de 2 nm na superfície das partículas obtidas. O resultado foi uma junção de semicondutores de dois tipos: o Mo:SrTiO3, de tipo n, e o NiO@Ni(OH)2, de tipo p. “Nesta nova configuração, os buracos fotogerados são direcionados para a estrutura de NiO@Ni(OH)2, enquanto os elétrons migram para a superfície do Mo:SrTiO3, resultando em uma melhor separação de cargas e, consequentemente, redução na taxa de recombinação de elétrons e buracos”, explica Gonçalves.

Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV) do Mo:SrTiO3/NiO@Ni(OH)2 e mapeamento EDS.
Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV) do Mo:SrTiO3/NiO@Ni(OH)2 e mapeamento EDS.

 

Os fotocatalisadores foram colocados em suspensão em uma solução aquosa com 20% de metanol como agente de sacrifício – uma estratégia amplamente utilizada para incrementar a produção de hidrogênio e, ainda, gerar subprodutos de alto valor para a indústria química. “Quando misturado em água, este álcool é preferencialmente oxidado, em detrimento do lento processo de oxidação da água”, diz o professor Gonçalves. “Ainda assim, o H2 produzido é a partir da redução da molécula de água e não como subproduto da oxidação do metanol”, completa.

Ao aumentar a luz absorvida e diminuir a perda de cargas fotogeradas, o material “turbinado” apresentou um excelente resultado na produção de hidrogênio por fotólise: um aumento da sua atividade fotocatalítica de cerca de 30 vezes com relação ao semicondutor puro.

Cooperação científica brasileira

O trabalho científico foi liderado pelo professor Renato Vitalino Gonçalves, que coordena o Grupo de Nanomateriais e Cerâmicas Avançadas (NaCA) e o Laboratório de Fotossíntese Artificial e Nanomateriais (LAPNano) no IFSC-USP. A síntese dos materiais e o estudo das suas propriedades estruturais, ópticas e eletrônicas, bem como o seu desempenho fotocatalítico para a produção de hidrogênio verde foram desenvolvidas no IFSC-USP, dentro da pesquisa de doutorado de Higor Andrade Centurion, orientada pelo professor Gonçalves.

A identificação e caracterização das nanopartículas de níquel no material foi realizada com a colaboração de uma equipe da UFABC e do LNNano-CNPEM, formada pelo professor Flávio Leandro de Souza, a pós-doutoranda Ingrid Rodriguez-Gutierrez  e o pesquisador Jefferson Bettini. Em colaboração com a professora Liane M. Rossi (IQ-USP), foi realizada a quantificação do níquel utilizando a técnica de espectroscopia de absorção atômica por chama.

Além disso, com a colaboração do professor Heberton Wender (UFMS) foi possível realizar medidas de fotoluminescência que corroboraram a supressão da recombinação das cargas fotogeradas pela formação da junção p – n.

Finalmente, simulações computacionais que permitiram entender o comportamento dos materiais foram realizadas junto ao professor Matheus M. Ferrer, da UFPel, e ao mestrando Lucas Gabriel Rabelo, do IFSC-USP, que também teve orientação do professor Gonçalves.

O trabalho foi financiado, principalmente, pela FAPESP e, através do RCGI, pela FAPESP/Shell. Também contou com apoio financeiro da FAPERGS.

 

PESQUISADORES
Autores do artigo. A partir da esquerda: Higor A. Centurion, Lucas G. Rabelo, Ingrid Rodriguez-Gutierrez, Mateus M. Ferrer, Jefferson Bettini, Heberton Wender, Liane M. Rossi, Flavio L. Souza e Renato V. Gonçalves

 


Referência do artigo científico: Constructing Particulate p−n Heterojunction Mo:SrTiO3/NiO@Ni(OH)2 for Enhanced H2 Evolution under Simulated Solar Light. Higor A. Centurion, Lucas G. Rabelo, Ingrid Rodriguez-Gutierrez, Mateus M. Ferrer, Jefferson Bettini, Heberton Wender, Liane M. Rossi, Flavio L. Souza, and Renato V. Gonçalves. ACS Appl. Energy Mater. 2022, 5, 12727−12738. https://doi.org/10.1021/acsaem.2c02337.

Contato do autor correspondente: rgoncalves@ifsc.usp.br.

Nota em defesa da democracia brasileira.

A Sociedade Brasileira de Pesquisa em Materiais (SBPMat) declara seu total repúdio à grave agressão à democracia e ao estado de direito em nosso país, ocorrida ontem em Brasília, com a invasão por terroristas das sedes dos três poderes da República.

A SBPMat se solidariza com o executivo, judiciário e legislativo brasileiros na defesa da Constituição Federal, de seus valores e princípios.

É imprescindível a apuração dos fatos e punição dos responsáveis pelos atos terroristas, sem anistia, e com ‘Democracia para sempre’!

Diretoria da SBPMat

Boletim da SBPMat. Edição nº 122.

 

Para ver este boletim no navegador, clique aqui.

cabecalho-news-natal

Edição nº 122. 22 de dezembro de 2022.

Mensagem de final de ano

Em 2022, voltamos ao ‘novo normal’ com atividades presenciais intercaladas com as virtuais e as máscaras sumindo de nosso cotidiano graças à vacinação da maior parte da população contra a Covid-19.

Por isso, em setembro passado, pudemos voltar a nos encontrar no nosso evento anual, em Foz do Iguaçu. A força e a resiliência de nossa comunidade estiveram presentes a cada momento, apesar da falta de financiamento e das condições de trabalho complicadas também pela pandemia: tivemos quase 1.200 participantes e 22 empresas parceiras presentes em Foz do Iguaçu! Esperamos que o grito de comemoração dos estudantes na nossa tradicional conference party possa ser sempre cumprido: “Evento online nunca mais!”.

Para 2023, desejamos que a ciência possa ser ouvida e respeitada, com as mudanças que estão por vir no país. Porém, como sociedade científica, continuaremos lutando e atuando, junto com nossos pares e com a comunidade, na defesa da educação como pilar para uma sociedade mais justa, e da ciência e desenvolvimento tecnológico como ferramentas para alcançarmos condições dignas de vida para toda a população.

Um excelente final de ano a todos e todas! Que possamos recarregar as energias para vencer os muitos desafios pela frente, na esperança de um país – e de um mundo – melhor.

Diretoria da SBPMat

XXI B-MRS Meeting
Maceió (AL), 1º a 5 de outubro de 2023

maceio

Chamada de simpósios. 35 propostas de simpósios foram submetidas pela comunidade! No início de 2023 divulgaremos a lista final de simpósios aprovados.

Local. O local do evento será o Centro Cultural e de Exposições Ruth Cardoso, na cidade de Maceió. Saiba mais.

Chairmen. Os coordenadores gerais do evento são professores da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) e bolsistas de produtividade em pesquisa do CNPq: Carlos Jacinto da Silva, do Instituto de Física, e Mario Roberto Meneghetti, do Instituto de Química e Biotecnologia.

Oportunidades

– Inscrições abertas dos processos seletivos para o mestrado (até 31/01/23) e o doutorado (fluxo contínuo) em Engenharia e Ciência dos Materiais no PIPE da UFPR. Saiba mais.

– Abertas até 15/02/2023 as inscrições para o mestrado Erasmus Mundus em Ciência e Engenharia de Materiais AMASE – programa conjunto de universidades da Alemanha, França, Espanha, Itália, Áustria e Suécia, com bolsas de estudo para os melhores alunos. Saiba mais.

Para acompanhar as oportunidades da área, entre no grupo da SBPMat no Linkedin.

Agenda de eventos presenciais e online

– II Encuentro de Investigadores en Ciencia de Materiales. Montevidéu (Uruguai). 20 e 21 de abril de 2023. Site.

41st International Conference on Vacuum Ultraviolet and X-ray Physics (VUVX 2023). Campinas (SP). 3 a 7 de julho de 2023. Site.

– XXI B-MRS Meeting. Maceió (AL). 1 a 5 de outubro de 2023. Site.

4th International Brazilian Conference on Tribology (TriboBR). Vitoria (ES). 26 a 30 de novembro de 2023. Site.

Siga-nos nas redes sociais

rodape-virada

Descadastre-se caso não queira receber mais as edições mensais do Boletim da SBPMat.

Mensagem de final de ano.

fim-de-ano

Em 2022, voltamos ao ‘novo normal’ com atividades presenciais intercaladas com as virtuais e as máscaras sumindo de nosso cotidiano graças à vacinação da maior parte da população contra a Covid-19.

Por isso, em setembro passado, pudemos voltar a nos encontrar no nosso evento anual, em Foz do Iguaçu. A força e a resiliência de nossa comunidade estiveram presentes a cada momento, apesar da falta de financiamento e das condições de trabalho complicadas também pela pandemia: tivemos quase 1.200 participantes e 22 empresas parceiras presentes em Foz do Iguaçu! Esperamos que o grito de comemoração dos estudantes na nossa tradicional conference party possa ser sempre cumprido: “Evento online nunca mais!”.

Em 2023, desejamos que a ciência possa ser ouvida e respeitada, com as mudanças que estão por vir no país. Porém, como sociedade científica, continuaremos lutando e atuando junto com nossos pares e com a comunidade na defesa da educação como pilar para uma sociedade mais justa, e da ciência e desenvolvimento tecnológico como ferramentas para alcançarmos condições dignas de vida para toda a população.

Um excelente final de ano a todos e todas! Que possamos recarregar as energias para vencer os muitos desafios pela frente, na esperança de um país – e de um mundo – melhor.

Diretoria da SBPMat

Boletim da SBPMat. Edição nº 121.

 

cabecalho-news-2

Edição nº 121. 8 de dezembro de 2022.

Artigo em destaque

Pesquisadores da UFMS prepararam dióxido de titânio preto por meio de um método simples e escalável e utilizaram esse nanomaterial fotossensível de baixo custo como fotoânodo de uma célula a combustível. O dispositivo foi capaz de gerar eletricidade, com altíssima eficiência, usando compostos orgânicos como combustível e luz solar como fonte de energia. O trabalho foi reportado na ACS Applied Materials & Interfaces. Saiba mais.

comunidade 560

Você é autor(a) de um trabalho científico destacado, realizado total ou majoritariamente no Brasil e publicado em periódico de alto fator de impacto, e deseja divulgá-lo na nossa comunidade? Entre em contato para que o seu paper seja considerado na seleção mensal do “Artigo em destaque”: comunicacao@sbpmat.org.br.

XXI B-MRS Meeting
Maceió (AL), 1º a 5 de outubro de 2023

maceio

Chamada de simpósios. Grupos de pesquisadores que queiram organizar um simpósio no seu tema de pesquisa dentro do próximo B-MRS Meeting podem submeter uma proposta preenchendo um formulário simples. A chamada encerra neste sábado, dia 10 de dezembro. Acesse o formulário de submissão de simpósios.

Local. O local do evento será o Centro Cultural e de Exposições Ruth Cardoso, na cidade de Maceió. Saiba mais.

Chairmen. Os coordenadores gerais do evento são professores da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) e bolsistas de produtividade em pesquisa do CNPq: Carlos Jacinto da Silva, do Instituto de Física, e Mario Roberto Meneghetti, do Instituto de Química e Biotecnologia.

Sócios

sergio rezende 260

O Prof. Sergio Machado Rezende (UFPE), sócio-fundador da SBPMat, integra o grupo técnico de ciência e tecnologia na transição de governo. Rezende foi ministro da Ciência e Tecnologia (2005 – 2010) e presidente da FINEP (2003 – 2005) e tem uma produção científica de destaque internacional em Física de Materiais.

edvani 260

O Prof. Edvani Curti Muniz (UTFPR, UFPI e UEM) é o novo coordenador da Área de Materiais da CAPES. O nome dele foi um dos cinco enviados à CAPES pela SBPMat em setembro deste ano após consulta ao corpo de sócios. Edvani tem ampla experiência em cargos de gestão acadêmica e uma sólida carreira científica.

ana flavia 260

A Profa. Ana Flávia Nogueira (UNICAMP), membro do Conselho da SBPMat, foi admitida como fellow da Royal Society of Chemistry e eleita membro titular da Academia Brasileira de Ciências – dois reconhecimentos dos pares à sua trajetória científica e liderança. Ela tem importantes contribuições em materiais emergentes para células solares e dirige o Centro de Inovação em Novas Energias.

Se você é sócio/a da SBPMat e deseja difundir uma novidade da sua atuação profissional na nossa comunidade, entre em contato: comunicacao@sbpmat.org.br.

Artigos da comunidade

PVA

Trabalho liderado pelo Prof. Helinando Pequeno de Oliveira (UNIVASF), sócio da SBPMat, descreve a produção simples e rápida de um nanogerador triboelétrico flexível de baixo custo à base de membranas de PVA com fibroína (material extraído do bicho-da-seda). O dispositivo, que converte energia mecânica em elétrica, é promissor para uso em eletrônicos vestíveis. Acesse o paper na Nano Energy: https://doi.org/10.1016/j.nanoen.2022.108035.

amine gas

Este artigo de revisão foi destacado pela ACS Sensors como um dos mais lidos entre os recentemente publicados. O texto traz uma revisão dos avanços conseguidos na última década em sensores de aminas e aponta caminhos para continuar o desenvolvimento desses dispositivos, que permitem monitorar a qualidade dos alimentos e evitar o seu desperdício. Acesse o artigo: https://doi.org/10.1021/acssensors.2c00639.

Se você é autor(a) de um artigo de impacto da área de Materiais e deseja divulgá-lo na nossa comunidade, entre em contato: comunicacao@sbpmat.org.br.

Dicas para ler e assistir

Artigo científico. Revisão de mais de mil artigos, publicada na Environmental Science: Nano, busca compreender como nanomateriais afetam as plantas. Saiba mais na Agência Fapesp.

Inovação. Parceria entre empresa e grupos de pesquisa do estado de São Paulo com apoio da Fapesp resulta no desenvolvimento de compósito de polímeros e nanopartículas para uso em cortinas hospitalares, utilizadas para levar privacidade e proteção a pacientes internados. Saiba mais na Agência Fapesp.

– Política de CTI. Ocorreu hoje, 08/12, a entrevista coletiva do grupo técnico de CTI no gabinete de transição, o qual é responsável por fazer um diagnóstico da área e apresentar proposições. O grupo trabalhou durante 4 semanas dividido em 14 subgrupos. O ex-ministro Sergio Rezende afirmou que a área passa pela maior crise dos últimos 24 anos, além de apontar falta de articulação do ministério com a comunidade científica nos anos recentes. Entre as recomendações: acabar com o contingenciamento do FNDCT e aumentar a quantidade e o valor das bolsas da CAPES e do CNPq. Veja a gravação no YouTube.

Manifestos

– SBPMat manifestou repúdio ao Decreto nº 11.269 do governo federal que zerou desembolsos financeiros no mês de dezembro, impedindo o pagamento de cerca de 200 mil bolsas da CAPES.

A Sociedade se solidarizou com os bolsistas neste momento difícil e exigiu a recomposição imediata do orçamento da CAPES para que a agência possa cumprir seus compromissos legais. Leia o manifesto.

PS: Até o fechamento desta edição, foi anunciado que recursos do MEC começaram a ser liberados.

Oportunidades

– Aberta até 15/12/22 a chamada de propostas de pesquisa para realizar experimentos no Sirius, o novo laboratório brasileiro de luz síncrotron. Saiba mais.

– Oportunidades para doutores no Centro de Inovação em Novas Energias dentro de projeto FINEP sobre módulos solares de grafeno e óxido de nióbio, a ser realizado na UNICAMP em colaboração com o CTI Renato Archer e o IFRN. Inscrições até 16/12/22. Saiba mais.

– Inscrições abertas dos processos seletivos para o mestrado (até 31/01/23) e o doutorado (fluxo contínuo) em Engenharia e Ciência dos Materiais no PIPE da UFPR. Saiba mais.

– Abertas até 14/12/22 as inscrições para o mestrado e doutorado em Ciência e Engenharia de Materiais da UFSCar. Saiba mais.

– Abertas até 15/02/2023 as inscrições para o mestrado Erasmus Mundus em Ciência e Engenharia de Materiais AMASE – programa conjunto de universidades da Alemanha, França, Espanha, Itália, Áustria e Suécia, com bolsas de estudo para os melhores alunos. Saiba mais.

Para acompanhar as oportunidades da área, entre no grupo da SBPMat no Linkedin.

Agenda de eventos presenciais e online

– 11th International Conference of the African Materials Research Society (AMRS2022 ). Dakar (Senegal). 12 a 15 de dezembro de 2022. Site.

– Webinar (In-)visibility of women in science: historical perspectives. Online. 16 de dezembro de 2022. Site.

– II Encuentro de Investigadores en Ciencia de Materiales. Montevidéu (Uruguai). 20 e 21 de abril de 2023. Site.

– 41st International Conference on Vacuum Ultraviolet and X-ray Physics (VUVX 2023). Campinas (SP). 3 a 7 de julho de 2023. Site.

Siga-nos nas redes sociais

rodape

Descadastre-se caso não queira receber mais as edições mensais do Boletim da SBPMat.

 

 

Artigo em destaque: Dióxido de titânio preto para células a combustível impulsionadas com energia solar.

Imagem de MET do novo material fotossensível: TiO2 preto autodopado.
Imagem de MET do novo material fotossensível: TiO2 preto autodopado.

Pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) desenvolveram um nanomaterial fotossensível muito eficiente para produzir eletricidade a partir de compostos orgânicos usados como combustíveis e a luz do sol como fonte de energia. O processo, que é relativamente limpo e barato, é realizado em um dispositivo chamado de “fotocélula a combustível”. No trabalho, a equipe utilizou como combustível o metanol (CH3OH), álcool líquido que armazena grande quantidade de energia e, quando utilizado, gera muito menos emissões de carbono do que os combustíveis fósseis. O composto tem ganhado atenção como combustível para a geração de energia limpa, principalmente porque pode ser produzido a partir de biomassa.

“A fotocélula a combustível desenvolvida em nosso trabalho contém uma tecnologia simples capaz de converter metanol em energia usando apenas a energia solar como força motriz externa, operando com materiais simples, estáveis, abundantes e livres de metais nobres, o que torna o custo do processo consideravelmente baixo comparado com células convencionais a combustível”, diz Heberton Wender, um dos autores correspondentes do artigo que reporta este avanço no periódico ACS Advanced Materials and Interfaces.

Células a combustível são dispositivos que convertem diretamente a energia química de um combustível em energia elétrica por meio de reações eletroquímicas, com baixas ou nulas emissões de carbono. Utilizadas há décadas para fornecer energia em satélites e espaçonaves, as células a combustível já estão presentes em residências, comércios, indústrias e carros elétricos, e se tornam cada vez mais relevantes perante a necessidade de gerar energia da forma mais limpa possível para mitigar as mudanças climáticas. Entretanto, os materiais necessários para catalisar com eficiência as reações eletroquímicas nos eletrodos das células a combustível se baseiam, geralmente, em elementos caros e escassos como os metais nobres. Por isso, várias alternativas estão sendo investigadas; entre elas, o desenvolvimento de fotocélulas a combustível.

Nesses dispositivos, materiais fotossensíveis de baixo custo, baseados em elementos abundantes, ajudam a impulsionar as reações por meio dos elétrons e buracos que eles geram ao serem excitados pela luz do Sol. Um desses materiais é o dióxido de titânio (TiO2). Esse composto, que geralmente se apresenta em forma de pó de cor branca, não se degrada facilmente com a luz e é simples de se preparar. Contudo, ele tem uma limitação importante: absorve apenas radiação ultravioleta, deixando de aproveitar os outros comprimentos de onda que também estão presentes na luz solar, como os da chamada luz visível.

Nesse contexto nasceu a ideia inicial do trabalho da equipe da UFMS, o qual foi desenvolvido dentro do doutorado de Luiz Felipe Plaça sob orientação do professor Heberton. “Pensamos em usar dióxido de titânio autodopado, ou seja, com defeitos estruturais autoinduzidos, utilizando um processo simples, barato e que possa ser facilmente escalável no futuro”, conta o professor. “Foi quando decidimos usar o tratamento térmico em atmosfera redutora com pequenas quantidades de borohidreto de sódio (NaBH4)”, detalha. A ideia gerou ótimos resultados. O tratamento permitiu controlar a densidade de defeitos nas nanopartículas de dióxido de titânio e, dessa forma, ampliar a sua capacidade de absorver radiação, incluindo parte do espectro visível da luz solar. Além disso, o material perdeu a sua cor branca característica e ficou preto.

O dióxido de titânio preto foi colocado sobre um substrato de vidro condutor transparente e utilizado como fotoânodo da célula a combustível. O fotoânodo é o componente responsável por absorver a luz solar e transformá-la nos elétrons e buracos que vão reduzir o oxigênio e oxidar o combustível, respectivamente, gerando a desejada corrente elétrica no final do processo. Com os fotoânodos de dióxido de titânio preto, a eficiência da célula a combustível apresentou um aumento muito considerável na sua capacidade de produzir corrente elétrica a partir de metanol e energia solar. “O dispositivo melhorado, sem o uso de metais nobres, mostrou 2.000% de aumento na potência máxima de saída”, diz o professor Heberton. “Isso representa uma eficiência impressionante e coloca o dióxido de titânio autodopado na lista dos materiais mais promissores para serem usados como fotoânodos em fotocélulas a combustível de metanol ou de combustíveis alternativos como etanol, glicerol, outros álcoois e até poluentes orgânicos de maior massa molar”, completa.

Funcionamento da fotocélula a combustível e o papel do novo fotoânodo.
Funcionamento da fotocélula a combustível e o papel do novo fotoânodo.

Como pode ser abastecida com poluentes orgânicos – possibilidade que foi explorada em outro trabalho da equipe, a fotocélula poderia ser usada para descontaminar águas sem custos energéticos adicionais e, até mesmo, gerar um pouco de eletricidade extra para uso externo em dispositivos de baixa potência.  “Em um cenário hipotético, seria possível purificar água de efluentes ou curvas de níveis em propriedades rurais ao passo que energia é produzida”, destaca o professor Cauê Alves Martins, que também é autor correspondente do artigo da ACS Applied Materials and Interfaces.

Além da fotocélula laboratorial, os autores prepararam, com o novo fotoânodo, um protótipo de dispositivo portátil de pequenas dimensões: uma fotocélula microfluídica. O dispositivo, que cabe na palma da mão, foi produzido em menos de uma hora com um custo de menos de US$ 2,00. Para desenvolver o protótipo, a equipe contou com a participação de um estudante da graduação em Engenharia Física da UFMS, Pedro Lucas S. Vital, que, orientado pelo professor Cauê, aceitou o desafio de preparar a célula usando uma impressora 3D.  O dispositivo também foi testado, com bons resultados. “Apesar de ser um bom protótipo, a engenharia do dispositivo pode ser melhorada para aumentar a densidade de potência via “scale out”, com mais dispositivos operando em conjunto”, comentam os professores Heberton e Cauê.

O trabalho é resultado de uma colaboração, já bem estabelecida, entre dois grupos de pesquisa do Instituto de Física da UFMS: o Nano&Photon, coordenado pelo professor Heberton Wender, e o Electrochemistry Research Group, liderado pelo professor Cauê Alves Martins. Pesquisadores do Instituto de Química de São Carlos (IQSC-USP) também participaram do trabalho.

Os autores do trabalho. A partir da esquerda: Luiz F. Plaça, Pedro L. S. Vital, Luiz E. Gomes, Antonio C. Roveda Jr., Daniel R. Cardoso, Cauê A. Martins, Heberton Wender.
Os autores do trabalho. A partir da esquerda: Luiz F. Plaça, Pedro L. S. Vital, Luiz E. Gomes, Antonio C. Roveda Jr., Daniel R. Cardoso, Cauê A. Martins, Heberton Wender.

Referência do artigo científico: Black TiO2 Photoanodes for Direct Methanol Photo Fuel Cells. Luiz Felipe Plaça, Pedro-Lucas S. Vital, Luiz Eduardo Gomes, Antonio Carlos Roveda Jr., Daniel Rodrigues Cardoso, Cauê Alves Martins, and Heberton Wender. ACS Applied Materials & Interfaces. DOI: 10.1021/acsami.2c04802.

Contato dos autores correspondentes: heberton.wender@ufms.br, caue.martins@ufms.br.

Boletim da SBPMat: cobertura do XX B-MRS Meeting.

 

 

Você está recebendo este boletim eletrônico porque, em algum momento, você compartilhou seu endereço de email com a SBPMat (Sociedade Brasileira de Pesquisa em Materiais).
A SBPMat nunca forneceu nem fornecerá seus dados a outras pessoas físicas ou jurídicas.
Porém, se você deseja sair desta lista e, dessa forma, parar de receber o Boletim da SBPMat, por favor,
clique aqui.

20 encontro

Boletim da Sociedade Brasileira de Pesquisa em Materiais

Edição especial

Cobertura do XX B-MRS Meeting
Foz do Iguaçu – 25 a 29 de setembro de 2022

Em números

  • Mais de 1.100 participantes.

  • 60% homens, 40 % mulheres.

  • 41,5 % profissionais, 42,5 % estudantes de pós-graduação, 11 % estudantes de graduação e 5% expositores.

  • 29 países da América, Europa, Ásia, África e Oceania.

  • 23 estados da federação, cobrindo as 5 regiões do país.

  • Cerca de 1.200 trabalhos efetivamente apresentados dentro de 22 simpósios: mais de 340 apresentações orais, 750 pôsteres e 100 palestras convidadas.

  • 27 trabalhos de estudantes premiados.

  • Até 13 salas em sessões simultâneas.

  • 7 palestras plenárias além da palestra memorial.

  • 3 palestras técnicas de expositores.

  • 1 tutorial pré-evento.

  • 22 patrocinadores – expositores.

Reportagem do evento

O tradicional relato do evento, com alguns arquivos das apresentações e fotos. Acesse a reportagem aqui.

NEWS 260 2.jpg

Lista de estudantes premiados

Os trabalhos e autores que receberam os prêmios da SBPMat, da ACS e da RSC às melhores contribuições apresentadas por estudantes no evento. Acesse a lista e o álbum da premiação aqui.

premiação

XXI B-MRS Meeting:
chamada de simpósios aberta

O XXI B-MRS Meeting será realizado em Maceió de 1º a 5 de outubro de 2023, com coordenação dos professores da UFAL Carlos Jacinto da Silva e Mário Roberto Meneghetti. Está aberta a chamada de propostas de simpósio e a indicação de plenaristas para o evento. Saiba mais.

MACEIÓ-260

CERTIFICADOS. Os certificados de participação e apresentação do XX B-MRS Meeting estão disponíveis no sistema do evento: https://www.eventweb.com.br/xxsbpmat/home-event/.

FOTOS DO EVENTO.

As principais fotos do evento (sessões, festa, cerimônias, homenagens), feitas pelo fotógrafo oficial, para você olhar ou baixar, organizadas por dia no Google Drive.

Siga-nos nas mídias sociais

Reportagem do XX B-MRS Meeting: a alegria do encontro presencial.

É tradição na SBPMat. No final de cada B-MRS Meeting, anuncia-se o evento do ano seguinte: a data, os coordenadores e, o mais esperado, o local. Entretanto, com Foz do Iguaçu, um dos destinos mais belos do mundo, as coisas ocorreram diferentemente. O anúncio foi realizado em setembro de 2019, mas o evento só ocorreu três anos depois. A culpa do atraso foi, é claro, da pandemia. Em 2020, o encontro foi adiado. Em 2021, foi realizado em formato online, sempre sob a coordenação do professor Gustavo Dalpian (UFABC), que lidou com habilidade com os desafios de um período difícil. Finalmente, em setembro de 2021, no final do encontro online, as professoras Lucimara Stolz Roman (UFPR) e Marcela Mohallem Oliveira (UTFPR), coordenadoras do XX B-MRS Meeting, anunciaram o que muitos esperavam: o evento seria realizado em Foz do Iguaçu, no ano seguinte.

cataratas

Foi assim que, depois de três anos sem encontros presenciais, cerca de 1.100 pessoas dos cinco continentes do planeta e das cinco regiões do Brasil se reuniram em Foz do Iguaçu de 25 a 29 de setembro de 2022. “O vigésimo encontro da SBPMat foi importantíssimo para a comunidade de materiais se reencontrar pessoalmente depois da pandemia de Covid-19”, disse a professora Lucimara. “A alegria das pessoas, dos estudantes, principalmente aqueles que estavam participando de uma conferência presencial pela primeira vez, foi contagiante”, expressou a chairlady.

O calor humano compensou o frio meteorológico dessa semana, atípico para a estação. E o local do evento, o centro de convenções do hotel Rafain, albergou perfeitamente os participantes ao permitir que passassem o dia inteiro ali sem se exporem à chuva, e propiciou interações, não apenas nas salas das apresentações, como também no grande espaço que virou restaurante exclusivo para participantes do evento e no amplo corredor com mesas e cadeiras quase sempre ocupadas por grupos de pesquisadores e estudantes. Contíguo ao jardim do hotel, o corredor recebia os participantes todas as manhãs ao som do canto de diversas aves da Mata Atlântica. Outro ambiente de muitas trocas foi o espaço que conteve, com conforto, a secretaria, os estandes dos 22 expositores, as mesas dos coffee breaks e os pôsteres. Ali, os participantes circulavam à vontade, matando a curiosidade sobre os produtos e serviços para a pesquisa em materiais que foram expostos ou demonstrados nos estandes e trocando ideias científicas com os apresentadores dos pôsteres.

expositor-corredor

“Esta volta emocionante a um encontro presencial com muitos participantes foi possível não só pelo fato de a ciência ter vencido a batalha da Covid, mas também pela força e resiliência da nossa comunidade interdisciplinar, que veio ao evento apesar de todas as dificuldades que encontramos no momento atual do país”, disse a professora Mônica Cotta (Unicamp), presidente da SBPMat.

E vale ressaltar: as abundantes trocas presenciais conviveram ao longo do evento com as virtuais. Centenas de stories e posts dos participantes borbulharam nas redes sociais, estendendo o alcance dos momentos presenciais.

Emoções na sessão de abertura

No domingo 25 de setembro, por volta das 19h30, cerca de 900 pessoas ocuparam a sala Amazônia do centro de convenções do Rafain. Número acima das expectativas: vários acabaram ficando de pé no fundo da sala. A vontade de participar estava grande! “Poder olhar para aquela sala de eventos com centenas de pessoas na plateia foi emocionante para mim, tive uma sensação de felicidade única de ter participado dessa organização após a pandemia e ver que conseguimos nos estruturar, voltar para nosso normal”, contou a chairlady Lucimara.
pelanaria

Estávamos na vigésima edição do evento anual da SBPMat, mas foi a primeira vez em que se viu paridade de gênero na mesa de abertura. Foram três as mulheres à mesa, e na liderança: as duas coordenadoras do evento e a presidente da SBPMat. Além delas, compuseram a mesa os professores Rodrigo Martins (NOVA, Portugal) enquanto presidente da União Internacional de Sociedades de Pesquisa em Materiais (IUMRS); Guillermo Solórzano (PUC-Rio) como líder da criação da SBPMat e primeiro presidente da sociedade, e Roberto Faria (IFSC-USP), homenageado com a Palestra Memorial Joaquim da Costa Ribeiro – uma distinção da SBPMat para pesquisadores da comunidade com longa trajetória e sólidas contribuições.

Na sua fala, a presidente da SBPMat contou um fato acontecido nos anos 1990 que reforça a importância da representatividade nos ambientes de trabalho. A chairlady Lucimara, que na época era estudante, estava na Unicamp participando de um evento quando visitou o laboratório de Mônica, que iniciava a sua carreira de professora pesquisadora no IFGW. A jovem Lucimara se surpreendeu ao ver, pela primeira vez, uma mulher coordenando um laboratório de Física experimental, o que a fez pensar que uma carreira nessa área seria possível. Hoje, Lucimara coordena um produtivo grupo de pesquisa de Física de Materiais na UFPR, e Mônica é diretora do IFGW. No final da sua fala, a presidente aproveitou a ocasião para apresentar e lançar a nova identidade visual da SBPMat, desenvolvida para comemorar os 21 anos da sociedade transmitindo a força, excelência, entusiasmo, coesão e diversidade da comunidade brasileira de pesquisa em materiais.

chairs abertura

 

Na sua apresentação, a professora Lucimara chamou a atenção para os nomes das salas onde ocorreriam os simpósios nos próximos dias: Rio de Janeiro, Foz do Iguaçu, Recife, Florianópolis, Natal, Guarujá, Ouro Preto, Gramado, Campos do Jordão, João Pessoa, Campinas e Balneário Camboriú. Para quem ainda não tinha descoberto o critério por trás da escolha, ela revelou que esses eram os nomes das cidades nas quais já foram realizados encontros da SBPMat ao longo das 20 edições. E “Amazônia”, nome da sala das plenárias e da própria cerimônia de abertura? “O nome desta sala remete à preocupação com a sustentabilidade que a nossa comunidade científica tem e deve ter”, explicou ela.

Na sequência, em uma apresentação ilustrada com muitos documentos, o professor Solórzano contou a história das origens da SBPMat, enfatizando que a sociedade nasceu com uma proposta de interdisciplinaridade e de integração com a comunidade científica internacional. “No primeiro encontro da SBPMat tivemos 400 participantes de 18 países”, destacou o sócio fundador.

Veja a apresentação de Guillermo Solórzano:

Finalmente, subiu ao palco o professor Gregório Faria (IFSC-USP) para introduzir nada menos que o pai dele, o professor Roberto Mendonça Faria, principal homenageado da noite, que foi presidente da SBPMat de 2012 a 2015. “Não é fácil para mim falar sobre o professor, o pai, o avô”, disse Gregório, emocionado, no ano em que o professor Roberto completou 70 anos. “Algo que me deixa muito orgulhoso é a forma como os pares o tratam, que tem a ver com o fato de ele pensar sempre primeiro na comunidade”, disse o filho.

IMG_2639

Na sua apresentação, seguindo a abordagem característica das palestras memoriais, de recuperação da memória da pesquisa em materiais no Brasil, o homenageado falou sobre grupos que participaram dos primórdios da pesquisa em polímeros no Brasil: o Grupo de Polímeros Bernhard Gross (IFSC-USP), do qual ele faz parte desde a década de 1970 quando se chamava Grupo de Eletretos, e duas redes nacionais de grande porte na área de materiais poliméricos e orgânicos, das quais ele foi coordenador, o Instituto Multidisciplinar de Materiais Poliméricos do Milênio a partir de 2002 e o Instituto Nacional de Eletrônica Orgânica desde 2009.

Ao longo da palestra, Faria explicou com entusiasmo os principais resultados conseguidos por esses grupos, os quais refletiram a evolução da área, desde o estudo de polímeros isolantes e sua aplicação no microfone de eletretos, até as pesquisas em polímeros eletrônicos e seu uso em dispositivos como OLEDs e células solares.

Veja a apresentação de Roberto Faria:

A partir das 20h00, os participantes confraternizaram em um grande coquetel de abertura, servido no próprio centro de convenções do Rafain, onde não faltaram abraços, risadas, conversa… enfim, a alegria do reencontro presencial!

Ciência de alto impacto acadêmico e social nas sessões plenárias

IMG_2190A programação técnica começou, mais uma vez, antes da abertura, no domingo à tarde, com cerca de 120 participantes na tradicional “Young Researchers’ School”, um tutorial para jovens pesquisadores sobre como fazer ciência de alto impacto, da ideia inicial (sempre ousada) até a divulgação do artigo nas redes sociais, sem esquecer a escrita do paper e as idas e voltas do processo de publicação. Esta edição contou ainda com a novidade dos conselhos para pós-docs sobre como dar continuidade à carreira científica. O tutorial foi proferido pelo criador do site de cursos online ZucoEscrita, o professor Valtencir Zucolotto (IFSC-USP), que é editor da Nanomedicine and Nanotoxicology Book Series (Springer-Nature) e do periódico Frontiers in Sensors/Biosensors (Frontiers), e por Daniel Staemmler, editor executivo na Elsevier na área de Engenharia de Materiais. O tutorial é baseado em dicas práticas e exemplos sobre aspectos técnicos e comportamentais da prática científica.

Mais exemplos de ciência de alto (ou altíssimo) impacto vieram ao longo da semana nas palestras plenárias do evento, proferidas por cientistas de renome mundial, que levaram os participantes a imaginar um futuro, mais ou menos próximo, protagonizado por técnicas, materiais e dispositivos cada vez mais inteligentes, eficientes e sustentáveis. Realizadas na sala Amazônia, as plenárias contaram com 400 a 600 pessoas na plateia. “Nosso programa científico foi, mais uma vez, forte e diverso, trazendo especialistas de todo o mundo para cobrir a ciência de fronteira e nos motivar a perseguir ciência de qualidade no Brasil, além de buscar o uso destes resultados para melhorar a qualidade de vida de nossa população”, disse Mônica Cotta.

IMG_3821Na segunda-feira à tarde, a professora Christine Kranz mostrou o fantástico trabalho do seu grupo na universidade alemã de Ulm (cidade natal de Einstein). O grupo integra diferentes técnicas de varredura por sonda e adapta os instrumentos para poder estudar processos eletroquímicos enquanto eles estão acontecendo. A cientista, que é editora associada do periódico Bioelectrochemistry (Elsevier), mostrou interessantes resultados obtidos com essa instrumentação no estudo de biofilmes e materiais antibacterianos, catalisadores para a produção de hidrogênio e novas baterias.

IMG_4239Na manhã da terça-feira, o professor Daniel Ugarte (Unicamp) recebeu o Prêmio José Arana Varela da SBPMat. A distinção é concedida anualmente, desde o ano passado, a um(a) pesquisador(a) destacado da comunidade brasileira de pesquisa em materiais, que profere uma das palestras plenárias no B-MRS Meeting. Especialista em microscopia eletrônica de renome mundial, Ugarte tem se destacado no estudo das propriedades de nanossistemas desde o início da sua carreira, quando ocupou a capa da revista Nature como único autor de um artigo sobre nanocebolas de fulereno. Esse foi o marco inicial para uma série de publicações nesse e em outros periódicos de altíssimo impacto, como Science, Nature Nanotechnology, Nano Letters e Physical Review Letters.  “Ele nunca desiste de seus ideais de excelência em pesquisa e integridade acadêmica”, disse Mônica Cotta, que introduziu a plenária de Ugarte e lhe entregou o prêmio. Mas a sua contribuição do professor Ugarte à comunidade de materiais foi além dos papers. Na década de 1990, ele idealizou e montou um laboratório de microscopia eletrônica aberto e multiusuário dentro do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), em Campinas. “A ideia maluca do Daniel funcionou extremamente bem, fornecendo excelentes microscopistas para o mundo e formando a base do que hoje é conhecido como Laboratório Nacional de Nanotecnologia no CNPEM”, destacou Cotta.

Na palestra, Ugarte falou com paixão sobre a evolução histórica da microscopia eletrônica de transmissão, que hoje fornece, além de imagens, muitas informações quantitativas, e o seu impacto no estudo de nanomateriais e nanossistemas. Na apresentação não faltaram momentos de grande emoção quando o cientista compartilhou o seu carinho e admiração por pessoas da comunidade, como Ricardo Rodrigues, um dos desenvolvedores do LNLS, falecido em 2020.

Veja a apresentação de Daniel Ugarte:

“Por meio dos prêmios aos professores Faria e Ugarte, a comunidade pôde expressar mais uma vez sua gratidão aos pesquisadores que dedicam a vida à ciência de materiais no Brasil”, destacou a professora Lucimara. “Temos que saber dar valor aos nossos cientistas para fortalecer nossa comunidade”, completou.

IMG_4781_1Na terça-feira à tarde, a plenária mostrou a ciência de materiais atuando bem perto da indústria, na fabricação e processamento de materiais. O palestrante foi o professor Sanjay Sampath, da State University of New York at Stony Brook (EUA), que ALI dirige um centro de pesquisa em pulverização térmica da National Science Foundation (NSF), com grande participação de empresas. Com muito entusiasmo, ele apresentou os esforços para aprimorar essa técnica, a qual pode ser usada para depositar revestimentos, principalmente cerâmicas refratárias, sobre grandes superfícies de diversos materiais, com impacto em indústrias como a automotiva, aeroespacial, de energia, da construção e de próteses, entre outras. O cientista, que realiza tanto pesquisa fundamental quanto aplicada, mostrou que aparentes limitações da técnica podem ser transformadas, por meio da pesquisa científica, em possibilidades de novas aplicações.

IMG_5008 Na quarta-feira de manhã, o plenarista foi um conhecido membro da comunidade, o ex-presidente da SBPMat Osvaldo Novais de Oliveira Junior (IFSC-USP), o famoso Professor “Chu”. O palestrante colocou uma pergunta instigante: máquinas podem gerar conhecimento? E mostrou que, se os computadores ainda não podem transformar informação em conhecimento, eles já ajudam muito, inclusive na área de pesquisa em materiais. O cientista apresentou vários trabalhos que utilizam ferramentas de inteligência artificial, principalmente aprendizado de máquina (machine learning), para analisar grandes volumes de dados com o objetivo de descobrir materiais com determinadas propriedades ou, ainda, encontrar papers que interessam. Em outros casos, ferramentas de machine learning, associadas a bons sensores construídos com ajuda da tecnologia de materiais, permitem diagnosticar doenças usando dispositivos baratos e portáteis. De acordo com o palestrante, o próximo desafio para que as máquinas possam de fato gerar conhecimento é compreender a linguagem humana. Físico com doutorado em Engenharia Eletrônica e com uma produtiva trajetória na área de materiais, o professor Osvaldo se iniciou na pesquisa em processamento de línguas naturais na década de 1990 a partir do seu interesse em ferramentas de auxílio à escrita científica. Com o tempo, o cientista foi conectando cada vez mais essa linha de pesquisa à Física e aos materiais, principalmente no desenvolvimento de sensores para a área de saúde. “Ensinar linguagens naturais às máquinas é um interessantíssimo tema de pesquisa de fronteira”, disse o pesquisador, estimulando os jovens a atuarem na área.

Veja a apresentação de Osvaldo Novais de Oliveira Junior:

IMG_5420A plenária da quarta-feira à tarde foi proferida por Natalie Stingelin, professora e diretora da Escola de Ciência e Engenharia de Materiais do Georgia Institute of Technology (EUA). A cientista mostrou que os plásticos, que atualmente têm forte impacto negativo no meio ambiente, podem ser os nossos aliados para construir um mundo mais sustentável. Para isso, disse ela, é preciso desenvolver mais e melhores plásticos eletrônicos inteligentes, que reúnam, por um lado, a flexibilidade, leveza e fácil processamento dos polímeros e, por outro, propriedades que garantam eficiência nas aplicações desejadas. Na sua encantadora palestra, a professora Natalie, que dirige o Centro de Fotônica e Eletrônica Orgânica do Georgia Tech, apresentou um material desse tipo desenvolvido no seu laboratório a partir de um processo químico muito simples para aplicações em que é importante controlar a passagem de luz. O material, que é um híbrido orgânico – inorgânico, pode ser usado, por exemplo, em janelas inteligentes que mantêm os ambientes em temperaturas amenas, evitando gastos de energia com climatização. Além das aplicações, o material oferece interessantes possibilidades para realizar experimentos que podem fazer avançar ainda mais a Fotônica.

festa 2Depois de três dias de intensa programação científica, das 8h30 às 19h30, chegou a hora da tradicional Conference Party, que neste ano teve como mote o vigésimo aniversário do B-MRS Meeting. A festa, exclusiva para participantes do evento, foi realizada no Dreams Motor Park, um espaço que é bar, restaurante, casa de shows e museu de motos. Participantes de todas as idades e diversas origens geográficas lotaram a casa e fizeram uma festa super inesquecível. Enquanto no palco uma banda de rock agradou muito com clássicos de todos os tempos, na pista e nas mesas a animação e a vontade de festejar só aumentavam. “Que festa animada tivemos! Foi um momento de descontração e celebração da vida”, expressou a professora Lucimara. Um ponto alto foi a participação no palco de uma pesquisadora da comunidade, Raphaela de Oliveira, que interpretou “Mercedes Benz”, de Janis Joplin. No final do evento, a doutoranda voltaria a ser destaque ao receber um dos prêmios aos melhores trabalhos de estudantes.

IMG_6317No dia seguinte, às 10h30 começou a última plenária do evento. O professor Pulickel M. Ajayan (Rice University, EUA) falou sobre os desafios de se fazer engenharia na escala nano, principalmente pensando em levar os processos à escala industrial para produzir dispositivos cada vez menores e mais eficientes em verdadeiras fábricas de sistemas bidimensionais. Cofundador e diretor do Departamento de Ciência de Materiais e NanoEngenharia da Rice, Ajayan tem uma produção de altíssimo impacto na área, com índice h= 209 no Google Scholar. O cientista enfatizou a dificuldade de se lidar com as interfaces dos nanoblocos. “Não se trata apenas de montar um Lego”, disse.

IMG_3032 Além dessas plenárias de conteúdo técnico-científico, o evento ofereceu, logo na manhã do primeiro dia, uma palestra sobre financiamento à pesquisa, desenvolvimento e inovação. O palestrante foi Marcelo Bortolini, diretor de Desenvolvimento Científico e Tecnológico da FINEP, mestre e doutor em Ciências dos Materiais pelo Instituto Militar de Engenharia (IME) com experiência como docente e pesquisador na área. Bortolini mostrou os instrumentos que a FINEP tem para apoiar toda a cadeia geradora de inovação tecnológica, desde a pesquisa básica até o lançamento de um produto no mercado. O palestrante apresentou as possibilidades de financiamento, tanto reembolsável (empréstimo) quanto não-reembolsável (subvenção) que a FINEP oferece a universidades, institutos de pesquisa, empreendedores, startups e empresas.

Veja a apresentação de Marcelo Bortolini: 

 

Comunidade pulsante, competente e participativa

Cerca de 1.200 trabalhos foram apresentados, nas sessões orais e de pôsteres, dentro dos 22 simpósios temáticos que compuseram o XX B-MRS Meeting. Organizados por equipes de pesquisadores do Brasil e do exterior, os simpósios abrangeram uma diversidade de materiais (vítreos, ferroicos, magnéticos, supercondutores, polímeros eletrônicos, materiais bidimensionais, filmes finos) e as suas aplicações em áreas como saúde, energia, fotônica e eletrônica e meio ambiente. O evento também contou com 3 palestras técnicas sobre técnicas avançadas de caracterização de materiais, oferecidas por empresas de instrumentação científica.

No elenco de temas de simpósios, apareceram velhos conhecidos, como a décima terceira edição dos simpósios brasileiros de vidros e de eletrocerâmicas, e também novidades, como o simpósio dedicado a novos materiais e nanotecnologia para o agronegócio. “Por ser a primeira vez que um simpósio abordou este tema no evento, os organizadores fomos positivamente surpreendidos, tanto pelo interesse demonstrado pelo público, quanto pela qualidade dos trabalhos científicos”, disse o professor Valtencir Zucolotto (IFSC-USP), que foi um dos organizadores.

IMG_3175Mais uma vez, os simpósios funcionaram como fóruns temáticos para a apresentação de avanços na síntese, caracterização e aplicação de materiais, bem como nas técnicas experimentais e computacionais que possibilitam esses avanços. Não menos importante, a discussão dos resultados a partir de perguntas aos apresentadores foi sempre estimulada. “Em todas as apresentações, o público fez perguntas interessantes aos palestrantes, elevando o nível científico do evento”, comentou João Coelho, professor da Universidade Nova de Lisboa (Portugal), um dos organizadores do simpósio P, que abordou materiais sustentáveis e tecnologias de processamento para sensores e aplicações eletrônicas. “As apresentações orais promoveram, como esperado, interessantes discussões técnico-científicas entre o público e os apresentadores”, destacou o professor José Antonio Eiras (UFSCar), coorganizador do simpósio I sobre materiais ferroicos e multiferroicos.

Pesquisadores de todos os níveis de formação, desde estudantes de graduação até professores, realizaram as apresentações dos simpósios temáticos. No total, foram mais de 340 apresentações orais e mais de 750 pôsteres. Além disso, houve quase 100 palestras convidadas de destacados especialistas do Brasil e do exterior.

IMG_3985 Enquanto as apresentações ocorriam, era realizada a avaliação dos trabalhos que tinham se candidatado aos prêmios para estudantes por meio do envio de um resumo estendido. Comissões montadas pelos organizadores de cada simpósio classificaram os trabalhos seguindo os critérios definidos pela comissão de premiação da SBPMat para, no final do evento, definir a lista de vencedores do Prêmio Bernhard Gross – uma distinção outorgada pela SBPMat aos estudantes de graduação, mestrado ou doutorado que apresentam o melhor oral e o melhor pôster de cada simpósio. A premiação envolveu também o trabalho dos professores Ieda Garcia dos Santos (UFPB), diretora científica da SBPMat, Ivan Bechtold (UFSC), diretor financeiro da sociedade, e Maria Luiza Rocco Duarte Pereira (UFRJ). O trio se encarregou de comparar as avaliações de todos os finalistas e eleger os melhores trabalhos de todo o evento para receberem os prêmios patrocinados por periódicos da American Chemical Society (ACS) e da Royal Society of Chemistry (RSC), os quais consistiram, respectivamente, em R$ 2.000 e vouchers de £200 para cada trabalho vencedor, além dos certificados.

Fruto desse processo, a entrega dos prêmios ocorreu no encerramento do evento, pouco antes do meio-dia de quinta-feira. Frente a um público de algumas centenas de pessoas, a professora Ieda chamou ao palco, um por um, os finalistas dos Prêmios Bernhard Gross: 27 estudantes de todos os níveis de formação, do IFSP, UFSC, UFMT, USP, UTFPR, UFSM, UFPR, UFSCar, Unesp, UFRGS, CNPEM, Unicamp, UFMG, Universidade Nova de Lisboa e UFRJ. Na sequência, foram anunciados os vencedores dos nove ACS Publications Prizes, cujos certificados foram entregues na cerimônia pelo vice-editor da revista Applied Nano Materials, T. Randall Lee, e dos cinco RSC Prizes, entregues por Natalie Stingelin, que é editora-chefe dos periódicos Journal of Materials Chemistry C e Materials Advances.
premiação

Ainda no encerramento, a chairlady Lucimara fez os agradecimentos: aos participantes, aos patrocinadores dos prêmios, às comissões de avaliação, aos patrocinadores (empresas, agências de fomento, ICTs), à equipe da SBPMat.

equipe

E neste ciclo que sempre recomeça, chegou, mais uma vez, o esperado momento do anúncio do próximo evento da SBPMat, que será realizado pela primeira vez em Maceió, capital do estado de Alagoas, e pela quinta vez na região Nordeste, de 1º a 5 de outubro de 2023. O professor Carlos Jacinto da Silva (UFAL), que coordena o XXI B-MRS Meeting junto ao professor Mário Roberto Meneghetti (UFAL), tomou então a palavra para apresentar o local do evento, o Centro Cultural e de Exposições Ruth Cardoso, localizado numa área central de Maceió, próxima à praia e a muitos hotéis, restaurantes e locais de lazer.

Veja a apresentação do XXI B-MRS Meeting:

No fim da cerimônia de encerramento, houve novamente longos e fortes abraços. Aos poucos, os participantes foram deixando a sala Amazônia, provavelmente com a satisfação de ter participado de um evento científico muito produtivo e a vontade de repetir a experiência em Maceió. “No evento vimos uma sociedade viva, pulsante, com uma nova geração de pesquisadores competentes e comprometidos com o desenvolvimento da ciência”, destacou a chairlady Lucimara. “Estou desde já animada para o próximo encontro em Maceió!!!”, concluiu a coordenadora.

XX B-MRS Meeting: Student Awards and Prizes.

Photos: the album of the Student Awards and Prizes Ceremony is available here.

Bernhard Gross Award

(Established by B-MRS in honor of Bernhard Gross, a pioneer of Brazilian materials research. It distinguishes the best oral and poster contributions presented by students in each symposium) 

bernhard gross

Symposium A – Poster. Gustavo Venâncio Bellucci. Development of curcumin-anchored hydroxyapatites.

Symposium A – Oral. Leonardo Francisco Gonçalves Dias. Evaluation of bisphosphonates adsorption on TiO2, HA and composite surfaces.

Symposium C – Poster. Caroline Eloisa Apolinário Botteon. Assessment of cytotoxicity of gold nanoparticles functionalized with Brazilian red propolis in 2D and 3D models of urological cancers.

Symposium C – Oral. Paulo Henrique Olivieri Jr. Cell-Surface Glycosaminoglycans Regulate the Cellular Uptake of Charged Polystyrene Nanoparticles.

Symposium E – Oral. Raphael F. Moral. Probing the Stacking Properties of Cesium Lead Halide Perovskite Nanoplates with SAXS.

Symposium F – Oral. Matheus F. F. das Neves. Aqueous conductive ink based on PEDOT nanoparticles without organic solvents, passivant agents or metallic residues.

Symposium G – Poster. Murillo Henrique de Matos Rodrigues. The Influence of the Magnetic Field and Nanoparticle Concentration on the Thin Film Colloidal Deposition Process of Magnetic Nanoparticles: The Search for High-Efficiency Hematite Photoanodes.

Symposium G – Oral. Rafael Lavagnolli Germscheidt. Water oxidation performance enhanced by electrochemically designed vacancies on Prussian blue catalyst.

Symposium H – Poster. Matheus Cavalcanti dos Santos Nunes. Thermoluminescence properties of Al2O3:C laser sintered ceramic under X-rays and beta irradiation.

Symposium H – Oral. Alexia Oliveira Silva. Thermoluminescence properties of alexandrite under beta, ultraviolet and X-ray irradiation.

Symposium J – Poster. Lucas Felipe Santos de Azeredo. Ferromagnets with minor magnetization loops that lie entirely and way outside the major hysteresis loop.

Symposium J – Oral. Allan Marciel Döring. The diffusion process of La, Fe and Si through the La(Fe,Si)13 phase – A Fick’s 1st law-based approach.

Symposium N – Oral. Mayara Carla Uvida. PMMA-silica coatings modified with calcium phosphates for bioactive corrosion protection of Ti6Al4V alloy.

Symposium P – Poster. Eduardo Fonseca Maia. Gold/Cooper and Silver/Cooper Mixed Nanoparticles Films on Silica Substrate: Materials With Potential Use in Optical Sensors.

Symposium P – Oral. Tomás Pinheiro. Paper-based, Green Laser-Induced Graphene for bioelectronic applications and electrochemical sensor production.

Symposium Q – Poster. Ana Carolina Cunha Serafim. Carbon dots obtained from two different agricultural residues.

Symposium R – Poster. Juliany Louise Hurbano Carvalho. Study of Self-Assembly Structures Based on Carbon Quantum Dots.

Symposium R – Oral. Ana Carolina Dalila Steil. PLA/PPy composite nanofibers by solution electrospinning for the development of electrochemical sensors.

Symposium S – Poster. Nicolli de Freitas. Simple, fast, and efficient electrochemical thinning of ultra-large MoS2 on gold surfaces.

Symposium S – Oral. Raphaela de Oliveira. Chlinoclore: probing water in an emergent naturally abundant 2D material.

Symposium T – Poster. Ezequiel Lorenzett. Electrostatic Charged Functional 3D Printed Materials.

Symposium T – Oral. Funsho Olaitan Kolawole. Nano-scratch and micro-scratch properties of CrN/DLC and DLC-W coatings.

Symposium U – Poster. Yan Araujo Santos da Campo. Elastomers and Chaos: an alternative approach to electromechanical coupling and its correlation with failure prediction.

Symposium U – Oral. Gustavo Scheid Prass. Processing and characterization of AISI 316L coating reinforced with Cu and CuO nanoparticles.

Symposium V – Poster. Thissiana da Cunha Fernandes. Determination of thermodynamic parameters for growth of lead-free piezoelectric single crystals from the melt.

Symposium V – Oral. Isabela Reis Lavagnini. In situ synchrotron X-ray diffraction of hydroxyapatite-zirconia composite during Conventional Sintering and Flash Sintering.

Symposium X – Oral. Yuri Ferreira da Silva. Effect of submerged liquid plasma treatment on the hygroscopicity of vegetable ivory microparticles.

ACS Publications PrizesACS 3

(Sponsored by journals of ACS Publications, a division of the American Chemical Society. Prizes for the best student contributions of all the event)

Symposium A – Poster. Gustavo Venâncio Bellucci. Development of curcumin-anchored hydroxyapatites.

Symposium G – Poster. Murillo Henrique de Matos Rodrigues. The Influence of the Magnetic Field and Nanoparticle Concentration on the Thin Film Colloidal Deposition Process of Magnetic Nanoparticles: The Search for High-Efficiency Hematite Photoanodes.

Symposium T – Poster. Ezequiel Lorenzett. Electrostatic Charged Functional 3D Printed Materials.

Symposium U – Poster. Yan Araujo Santos da Campo. Elastomers and Chaos: an alternative approach to electromechanical coupling and its correlation with failure prediction.

Symposium E – Oral. Raphael F. Moral. Probing the Stacking Properties of Cesium Lead Halide Perovskite Nanoplates with SAXS.

Symposium N – Oral. Mayara Carla Uvida. PMMA-silica coatings modified with calcium phosphates for bioactive corrosion protection of Ti6Al4V alloy.

Symposium P – Oral. Tomás Pinheiro. Paper-based, Green Laser-Induced Graphene for bioelectronic applications and electrochemical sensor production.

Symposium R – Oral. Ana Carolina Dalila Steil. PLA/PPy composite nanofibers by solution electrospinning for the development of electrochemical sensors.

Symposium S – Oral. Raphaela de Oliveira. Chlinoclore: probing water in an emergent naturally abundant 2D material.

RSC PrizesRSC

(Sponsored by journals of the Royal Society of Chemistry. Prizes for the best student contributions of all the event)

Symposium H – Poster. Matheus Cavalcanti dos Santos Nunes. Thermoluminescence properties of Al2O3:C laser sintered ceramic under X-rays and beta irradiation.

Symposium S – Poster. Nicolli de Freitas. Simple, fast, and efficient electrochemical thinning of ultra-large MoS2 on gold surfaces.

Symposium C – Oral. Paulo Henrique Olivieri Jr. Cell-Surface Glycosaminoglycans Regulate the Cellular Uptake of Charged Polystyrene Nanoparticles.

Symposium F – Oral. Matheus F. F. das Neves. Aqueous conductive ink based on PEDOT nanoparticles without organic solvents, passivant agents or metallic residues.

Symposium G – Oral. Rafael Lavagnolli Germscheidt. Water oxidation performance enhanced by electrochemically designed vacancies on Prussian blue catalyst.