Entrevista com o vencedor do Prêmio Capes de Tese 2014 na área de Materiais: Luís Fernando da Silva.



Luís Fernando da Silva (direita), autor do estudo vencedor do Prêmio Capes de Tese 2014, e prof. Valmor Mastelaro, orientador do trabalho.

Luís Fernando da Silva é o vencedor do Prêmio Capes de Tese 2014 na área de Materiais, por sua tese de doutorado “Síntese e caracterização do composto SrTiO3 e SrTi1-xFexO3 através do método hidrotermal assistido por microondas”, defendida em 2013 pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (USP). O trabalho foi orientado pelo professor Valmor Roberto Mastelaro.

O resultado do Prêmio Capes de Tese 2014 foi divulgado no início de outubro. A cerimônia de entrega dos prêmios acontecerá no dia 10 de dezembro de 2014, em Brasília.

Vejam nossa entrevista com Luís Fernando.

Boletim da SBPMat: – Poderia nos contar brevemente como começou o seu interesse pela ciência e quais foram os momentos mais importantes na sua carreira acadêmica até o momento?

Luís Fernando da Silva: – Meu interesse começou durante minha graduação em Física na UNESP (campus Bauru). Eu iniciei minha iniciação científica a partir do meu segundo ano de graduação, onde meu projeto de pesquisa consistia na caracterização estrutural de filmes de GaAs e GaN sob a orientação do professor José Humberto Dias da Silva e contando com o financiamento da FAPESP. No meu último ano de graduação, meu trabalho recebeu menção honrosa no simpósio de iniciação científica da USP, o que acabou me motivando ainda mais para iniciar um mestrado na área de Materiais. Em função de meu interesse na área de caracterização estrutural, iniciei meu mestrado na USP sob a orientação do professor Valmor R. Mastelaro, que é referência no país na área de espectroscopia de absorção de raios X. Meu trabalho consistiu na preparação e caracterização dos compostos SrTiO3 e SrTi1-xFexO3 amorfos e nanocristalinos. Ao final do mestrado, o professor Valmor Mastelaro propôs o desafio de sintetizar o composto SrTi1-xFexO3 pelo método hidrotermal-microondas, sendo que, até o momento, não havia nenhum reporte sobre sua preparação por este método. Após investigar diferentes parâmetros de síntese do composto e caracterizar as propriedades estruturais do composto SrTiO3, demos início à síntese do composto SrTi1-xFexO3, o que conseguimos realizar com grande sucesso. Ambos os compostos foram caracterizados por espectroscopia de absorção de raios X (XANES e EXAFS) no Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), a importância e originalidade dos resultados foram aceitos para publicação em importantes revistas na área de materiais: CrystEngComm (CrystEngComm, 2012,14, 4068-4073) e Physical Chemistry Chemical Physics (Phys. Chem. Chem. Phys., 2013,15, 12386-12393). Além disso, de acordo com a literatura, o composto SrTi1-xFexO3 tem sido utilizado com sucesso como sensor de gás, em especial hidrocarbonetos e oxigênio. Baseado nesta aplicação, o professor Valmor Mastelaro iniciou uma cooperação com o grupo de microssensores, da Universidade Aix-Marseille, na cidade de Marselha, França. Dentro desta cooperação, realizei um estágio de 6 meses no grupo de microsensores, contando com o financiamento do programa Ciência Sem Fronteiras. Os resultados obtidos foram parcialmente publicados na importante revista na área de sensores de gás Sensors and Actuators B (Sens. Actuators, B, 2013, 181, 919–924). Atualmente em meu pós-doutorado, iniciei um novo projeto de pesquisa, sob a supervisão do professor Elson Longo e em parceria com o doutor Cauê Ribeiro (EMBRAPA Instrumentação), o qual consiste no estudo de sensores resistivos de gás fotoativados. Recentemente, fui contemplado com o projeto universal do CNPq para o desenvolvimento deste projeto de pesquisa.

Boletim da SBPMat: – Por que começou a fazer pesquisa na área de Materiais?

Luís Fernando da Silva: – A área de pesquisa em Materiais sempre me fascinou desde meu período de iniciação científica. A possibilidade de poder sintetizar um material, desvendar suas propriedades, e utilizá-lo em uma aplicação tecnológica é desafiante e ao mesmo tempo fascinante.

Boletim da SBPMat: – Qual é, na sua opinião, a principal contribuição da tese premiada?

Luís Fernando da Silva: – A principal contribuição de minha tese foi a utilização da técnica de espectroscopia de absorção de raios X. A grande maioria dos artigos encontrados na literatura reportam o método de preparação do material e sua aplicação (sensor de gás, fotocatálise, etc.). Contudo, as propriedades estruturais são pouco investigadas, se restringindo apenas à identificação das fases cristalinas pela técnica de difração de raios X. Em meu trabalho, pudemos verificar que os materiais (no meu caso o SrTiO3 e SrTi1-xFexO3) preparados pelo método hidrotermal-microondas apresentam significativas distorções estruturais. Além disso, com relação ao composto SrTi1-xFexO3, pudemos analisar em maiores detalhes suas propriedades de detecção frente a diferentes gases (redutores e oxidantes), visto que um dos importantes parâmetros de um sensor de gás é sua seletividade.

Representação esquemática do processo de formação e organização dos cubos da fase SrTiO3 obtida pelo método hidrotermal microondas.

Boletim da SBPMat: – Quais foram os critérios que o guiaram para fazer uma pesquisa de qualidade destacada em nível nacional (a tese premiada)? A que fatores você atribui esta conquista?

Luís Fernando da Silva: – Principalmente à boa relação com meu orientador de doutorado, professor Valmor R. Mastelaro, o qual me deu total liberdade e credibilidade no desenvolvimento deste trabalho, além das importantes contribuições científicas. Além disso, a infraestrutura do centro de pesquisa CDMF/FAPESP (Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais) foi essencial e permitiu uma adequada e detalhada caracterização dos compostos investigados nesta tese.

Boletim da SBPMat: – Gostaria de deixar alguma mensagem para nossos leitores que estão realizando trabalhos de iniciação científica, mestrado e doutorado na área de Materiais?

Luís Fernando da Silva: – Acredito que a principal mensagem é que antes de iniciar qualquer trabalho de pesquisa (iniciação, mestrado ou doutorado) é primordial que se tenha prazer em fazer pesquisa e que você acredite no potencial e na qualidade do seu trabalho. Se você acreditar que o trabalho que você desenvolve tem potencial, você buscará o que tem de melhor em você para desenvolvê-lo.


Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *